esquina

Green is beautiful

Um festival de maconheiros

Carol Bensimon
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2017

De pé num estande de 9 metros quadrados, com duas cadeiras dobráveis, uma pequena mesa e um banner, Brian Applegarth mantém um sorriso de vendedor apontado para os corredores do pavilhão. Está disputando a atenção do público com um fabricante de vasos alardeados como revolucionários – “até o jardim botânico de Londres os utiliza” – e com uma consultoria agrícola. É a primeira vez que Applegarth participa da Emerald Cup. O evento, que ocorre anualmente na cidade californiana de Santa Rosa, gira em torno da maconha e de seus apreciadores. Durante dois dias, num parque de exposições com 80 hectares, cerca de 30 mil pessoas circulam entre máquinas de poda, diferentes tipos de baseados pré-enrolados, uma infinidade de alimentos psicoativos e inúmeros laboratórios que se dedicam à melhoria da canábis.

O clima lembra o de um festival de rock misturado ao de uma feira rural. Além dos pavilhões repletos de expositores, há shows – principalmente de reggae –, mostras de arte psicodélica e workshops de agricultura sustentável. O consumo de bebidas alcoólicas pode se dar apenas em pequenas áreas cercadas. Por outro lado, o beck está totalmente liberado. “A coisa aqui não envolve só negócios, só dinheiro. É um evento para a troca de informação e de apoio. Um troço muito autêntico”, define Applegarth, sócio-fundador da Cannabis Trail, empresa especializada em “turismo da maconha”.

A 13ª edição da Emerald Cup aconteceu em dezembro, um mês após a legalização da erva para fins recreativos na Califórnia. Outros estados do Oeste americano – Colorado, Oregon e Washington – já haviam aprovado medidas semelhantes via referendo popular. “Mas nenhum entende tanto do assunto quanto a Califórnia”, enfatiza Applegarth, referindo-se à pioneira liberação da canábis para fins medicinais em 1996. Hoje, 28 dos 50 estados que compõem o país, além da capital federal, permitem que doentes se mediquem com a planta.

 

Circular pela Emerald Cup é perceber que os maconheiros da região vivem um momento de transição: antes vistos como alternativos que trafegavam pela ilegalidade, começam a fazer parte de um mainstream cada vez mais azeitado. Num dos pavilhões, um debate sobre a nova legislação estadual antecede um painel com dicas de marketing para produtos derivados da canábis. Na zona restrita aos portadores de prescrições médicas, a névoa adocicada paira sobre a multidão, que se acotovela diante de quase 200 estandes – todos vendem exclusivamente maconha orgânica. Vários trazem no nome referências a condados do norte californiano, a exemplo de Humboldt e Mendocino. Alheios às proibições de outros tempos, tais condados – integrantes de uma área conhecida como Emerald Triangle – cultivam a planta pelo menos desde a década de 60, o que vem gerando uma receita anual de 1 bilhão de dólares, segundo estimativas que incluem a cultura clandestina. Não à toa, é para lá que a Cannabis Trail direciona seus clientes.

“Se recebo a ligação de alguém que deseja informações sobre as propriedades terapêuticas da erva, crio um tour por Mendocino que vá a médicos e herbalistas. Se alguém pede algo como uma despedida de solteira, providencio uma tarde num spa com cosméticos à base de maconha”, explica Applegarth, que tem 36 anos. Passeios de cinco horas para duas pessoas custam 499 dólares e preveem um almoço. Já os pacotes de dois ou três dias oferecem visitas a cultivadores, caminhadas na mata e degustação de canábis com chocolate, além de noites confortáveis num hotel de arquitetura vitoriana.

 

Mistura impressionante de montanhas cobertas por sequoias e costas com falésias, Mendocino poderia atrair uma imensidão de turistas. No entanto, os forasteiros que se dispõem a conhecer o norte da Califórnia preferem o Napa Valley e o condado de Sonoma, mais próximos de São Francisco e famosos pelos vinhos de alta qualidade. Sem se beneficiar muito do turismo, a economia de Mendocino sempre dependeu do mercado negro de maconha. Agora, com a legalização da erva para fins recreativos, os pequenos produtores temem que grandes companhias entrem na região e os esmaguem.

Brian Applegarth, porém, vê a liberação de maneira bastante otimista. “A melhor canábis do mundo está no Emerald Triangle. Os cultivadores daqui ganharam diversos prêmios por conseguirem o produto mais orgânico possível. Eles acreditam que as plantas devem ser cultivadas ao ar livre, sob a lua, as estrelas e o sol. Isso faz toda a diferença.” Enquanto o público da Emerald Cup começa a se aglutinar para ver o show de Damian Marley, filho de Bob Marley, e um grupo de três policiais acompanha a movimentação com expressões de tédio, Applegarth prossegue, empolgado: “Olhe para a Califórnia – a tecnologia, o cinema, a Corrida do Ouro. Temos uma história de inovação. Há um monte de sonhadores neste estado, gente que enxerga o futuro. Acho que, agora, nós estamos oficialmente apostando na maconha. É a próxima grande oportunidade californiana. Mendocino será para a canábis o que Bordeaux é para o vinho. Pode apostar.”

Carol Bensimon

Carol Bensimon é escritora. Publicou O Clube dos Jardineiros de Fumaça pela Companhia das Letras.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Médicos de menos, as doenças de sempre

A história de quatro pacientes crônicos do sertão do Ceará que estão há um mês sem os tratamentos que precisam, após a saída dos profissionais cubanos do país

Foro de Teresina #31: O escândalo do motorista, o antiministro do Meio Ambiente e o barraco do PSL

O podcast da piauí analisa os fatos mais recentes da política nacional

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

Mulheres de “facção”

Sem emprego formal, costureiras trabalham até 14 horas por dia para intermediários da indústria da moda, as chamadas “facções”

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

Mais textos
1

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

2

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

3

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

6

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

7

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

8

Rakudianai

A política, a prisão, o encontro com o crocodilo, o julgamento e meu pai: lembranças de quarenta anos atrás

9

Xô, esquerda!

Pastores da Universal agora livram os fiéis de possessões comunistas?

10

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty