questões de identidade II

Judeu ma non troppo

Dúvidas e constatações em torno de uma viagem a Israel

Ricardo Teperman
Não sou religioso, mas sabia que naquele lugar os homens eram obrigados a cobrir a cabeça em respeito a Deus, e que entrar descoberto poderia ser interpretado como uma grave afronta. Eu não queria ofender ninguém, longe de mim, mas tampouco queria ser confundido com um “deles”
Não sou religioso, mas sabia que naquele lugar os homens eram obrigados a cobrir a cabeça em respeito a Deus, e que entrar descoberto poderia ser interpretado como uma grave afronta. Eu não queria ofender ninguém, longe de mim, mas tampouco queria ser confundido com um “deles” FOTO: ABIR SULTAN/EFE/EPA

Foi minha mãe quem me ensinou a palavra “gói”, que se refere àqueles que, como ela, não são judeus. Guardo um punhado de histórias que ela me contou a respeito do preconceito que percebia em parte da família de meu pai ou nos poucos círculos sociais judaicos que frequentávamos na minha infância. Gosto particularmente de um episódio ocorrido no clube em que éramos sócios. Enquanto me observava brincar no parquinho, ela começou a conversar com outra mãe. Em meio ao papo animado, permitiu-se perguntar o nome de sua interlocutora, que amavelmente respondeu e devolveu a pergunta. “Maria Helena”, disse minha mãe, e a até então simpática senhora não foi capaz de conter sua surpresa e seu desgosto: “Góóói?”

Lembro de inúmeras vezes perguntar a ela se eu era judeu ou gói. A resposta variava, mas não muito: vira-lata, mezzo-aliche mezzo-muçarela, brasileiro, não se preocupe com isso. No judaísmo tradicional, só é judeu quem é filho de mãe judia. Ou seja, eu não era – por mais que meu nariz, meu sobrenome e minha mãe procurassem relativizar a resposta.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES

Ricardo Teperman

Ricardo Teperman é antropólogo, editor na Companhia das Letras, autor de Se Liga no Som: As Transformações do Rap no Brasil, da Claro Enigma.

Leia também

Últimas Mais Lidas

A mão que acende o fogo

Aquecimento global e desmatamento aumentam o material combustível para os incêndios, mas, sem ação de pessoas, o Pantanal e a Amazônia não queimariam assim

“O fogo acabou com tudo”

Líder indígena em Mato Grosso relata como as queimadas avançam sobre sua aldeia, destruindo casas, árvores, animais e memórias

O que Há em Ti e o que está por vir

Cinemas do Rio não abrem porque não podem comercializar seu principal produto - comida

Não adianta culpar o boi

Câmbio, exportação e demanda interna explicam aumento do preço da carne

Ciência política regulamentada

Em resposta ao artigo “Deixa a moça trabalhar”, autores  defendem regulamentação da profissão de cientista político

O arroz do pobre na fritura do ministro

Apetite eleitoral de Bolsonaro rejeita os movimentos do mercado

Mais textos
2

R$ 0,46 no tanque dos outros

Agora, caminhoneiros grevistas usam WhatsApp para defender queda da gasolina, de Temer e da democracia

4

Qu4tro figuras (e mais 2)

Agora só tem o Homem de Ferro em Blu-ray, a privada virou "poltrono", a moça penteia o bigode e Stálin está no armário

9

Warst du schon mal in Bahia?

A passagem da seleção alemã pela praia de Santo André

10

Tentei fazer com meu filho o que o meu pai não conseguiu fazer comigo

Sei o que vai estar escrito na minha lápide: “Aqui jaz Ozzy Osbourne, o cantor do Black Sabbath que arrancou a cabeça de um morcego com uma só dentada.”