questões de identidade II

Judeu ma non troppo

Dúvidas e constatações em torno de uma viagem a Israel

Ricardo Teperman
Não sou religioso, mas sabia que naquele lugar os homens eram obrigados a cobrir a cabeça em respeito a Deus, e que entrar descoberto poderia ser interpretado como uma grave afronta. Eu não queria ofender ninguém, longe de mim, mas tampouco queria ser confundido com um “deles”
Não sou religioso, mas sabia que naquele lugar os homens eram obrigados a cobrir a cabeça em respeito a Deus, e que entrar descoberto poderia ser interpretado como uma grave afronta. Eu não queria ofender ninguém, longe de mim, mas tampouco queria ser confundido com um “deles” FOTO: ABIR SULTAN/EFE/EPA

Foi minha mãe quem me ensinou a palavra “gói”, que se refere àqueles que, como ela, não são judeus. Guardo um punhado de histórias que ela me contou a respeito do preconceito que percebia em parte da família de meu pai ou nos poucos círculos sociais judaicos que frequentávamos na minha infância. Gosto particularmente de um episódio ocorrido no clube em que éramos sócios. Enquanto me observava brincar no parquinho, ela começou a conversar com outra mãe. Em meio ao papo animado, permitiu-se perguntar o nome de sua interlocutora, que amavelmente respondeu e devolveu a pergunta. “Maria Helena”, disse minha mãe, e a até então simpática senhora não foi capaz de conter sua surpresa e seu desgosto: “Góóói?”

Lembro de inúmeras vezes perguntar a ela se eu era judeu ou gói. A resposta variava, mas não muito: vira-lata, mezzo-aliche mezzo-muçarela, brasileiro, não se preocupe com isso. No judaísmo tradicional, só é judeu quem é filho de mãe judia. Ou seja, eu não era – por mais que meu nariz, meu sobrenome e minha mãe procurassem relativizar a resposta.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES
Para acessar, assine a piauí

Ricardo Teperman

Ricardo Teperman é antropólogo, editor na Companhia das Letras, autor de Se Liga no Som: As Transformações do Rap no Brasil, da Claro Enigma.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Meu Querido Filho – riscos da obsessão paterna

Filme tunisiano reflete sobre a relação entre pais extremados e seus rebentos

“Despetização” de Onyx tem só 1% de petistas

Em uma semana, governo Bolsonaro exonera 293 de cargos de confiança para eliminar quem "tem marca ideológica clara”, mas só 35 são filiados a partidos, dos quais três, ao PT

Foro de Teresina #34: O bate-cabeça de Bolsonaro, os novos escândalos do governo e a crise no Ceará

Podcast da piauí analisa os fatos mais recentes da política nacional

Mourão não deixou filho desistir de promoção

Vice-presidente insistiu para Antônio Rossell Mourão aceitar cargo no BB, mesmo após a repercussão negativa: "Isso lhe pertence"

Sem médico, até repórter vira “doutor” para indígena na Amazônia

No Alto Solimões, onde 229 aldeias abrigam 70 mil índios de sete etnias, nenhum brasileiro apareceu para as vagas deixadas pelos cubanos

Espanto e incredulidade entre nós

Cultivar o passado ou lidar com a realidade: formas de reagir a novos tempos na política

Foro de Teresina #33: A posse de Bolsonaro, a posse de armas e a dura vida dos estados

Podcast da piauí analisa os primeiros passos do novo presidente e dos governadores

Na piauí_148

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas nesta quinta-feira

André Esteves reaparece na ala VIP da posse de Guedes

Ausente da capital federal desde que foi preso em 2015, dono do BTG Pactual circula entre convidados importantes do ministro da Economia

Culpa – clausura e complexidade na tela

Graduados da Escola de Cinema da Dinamarca fazem filme exemplar em treze dias

Mais textos
2

“Despetização” de Onyx tem só 1% de petistas

Em uma semana, governo Bolsonaro exonera 293 de cargos de confiança para eliminar quem "tem marca ideológica clara”, mas só 35 são filiados a partidos, dos quais três, ao PT

3

Mourão não deixou filho desistir de promoção

Vice-presidente insistiu para Antônio Rossell Mourão aceitar cargo no BB, mesmo após a repercussão negativa: "Isso lhe pertence"

4

Sem médico, até repórter vira “doutor” para indígena na Amazônia

No Alto Solimões, onde 229 aldeias abrigam 70 mil índios de sete etnias, nenhum brasileiro apareceu para as vagas deixadas pelos cubanos

5

Juventude bolsonarista

A extrema direita sai do armário no Brasil

7

Sofística e polícia política

Olavo de Carvalho, Bolsonaro e a ideologia

8

Povos da megadiversidade

O que mudou na política indigenista no último meio século

9

Sem herdeiros

Obra-prima da tevê, Família Soprano influenciou pouco os seriados posteriores

10

Foro de Teresina #34: O bate-cabeça de Bolsonaro, os novos escândalos do governo e a crise no Ceará

Podcast da piauí analisa os fatos mais recentes da política nacional