poesia

Livre genealogia do não

Laura Liuzzi
ILUSTRAÇÃO: SVETA DOROSHEVA

LIVRE GENEALOGIA DO NÃO

Para que a terra dobrasse
e inventasse a montanha
foi preciso um bom pedaço
de não para o primeiro bicho
sobre patas a primeira asa
para que o chão continuasse
e também para que fosse interrompido
para a escada e que existisse
mais de uma palavra mais de uma
verdade um chifre um tigre um salto
vê que a lua é a prova da noite
vê que a lua não prova nada
à manutenção dos mistérios
à aprendizagem dos erros o erro
mesmo sem validade alguma
para a invenção dos subterrâneos
foi preciso o cálculo do não para o recuo
das tropas a inconstância das nuvens
para criar um chapéu aceitar
os pais a dor a morte para esquecer
e para lembrar como é importante esquecer
– ter uma borracha sempre à mão –
para a consciência do sonho
a mutação os desvios o drible
a sobrevivência no deserto
existência da ilha para a exceção
o filho único e até para o irmão
para tanto acorde tanta voz
tanto silêncio misturado ao espanto
para o corte incerto todas as línguas
para a imaginação tocar o inexistente
e se a ignorância se a hesitação se a indecisão
não fossem aliados do pensamento
se fôssemos só linha reta certeza precisão
– para onde mesmo iríamos?
os pés as mãos os olhos a boca
os joelhos tortos cotovelos calcanhares
a intuição a maravilha o improvável
o impossível a tudo que dizemos sim
devemos reconhecer a importância do não.

 

INSTANTE ANTES DO SONO

Lembro de Barcelona: muitas pernas
uma linha reta e o percurso do tédio.
Lembro de um apartamento.
Um apartamento, uma mandíbula.
O número 6, a estupidez do número 6.
É banal. O que não é banal.
Lembro do balé: coques esticadíssimos a gel
mães orgulhosas, pontas impecáveis, a pianista.
A pianista da aula de balé. O apartamento da pianista
da aula de balé, imagina. A jarra de água suando
sobre o piano. As diagonais. O erro o erro o erro.
Lembro de Copacabana. Zonza tonta zureta.
Lembro da grande rocha que emergia do mar:
daquela respiração, da vida microscópica.
Daquela importância. O verde é uma cor que não cala.
Eu lembro do apartamento vizinho negro de combustão.
Do desespero. Do apagamento. As escadas.
Despedidas. O gelo o branco o negro
as paredes contíguas ao apartamento onde nasci.
As boias. As bochechas. A flutuação. Azulejos. O ralo.
“Nunca chegue perto do ralo.” O medo.|
Touca na cabeça. Dedo prendendo o nariz.
O caldo. A prancha rosa-choque. Uma praia gorda.
O sal nas costas. A camiseta sobre o sal crispado
nas costas. Os dedos recolhidos de aflição. Eu lembro
das cores fosforescentes. Das tentativas de escamotear
a tristeza. Do roxo elétrico do picolé de uva. Eu lembro
do gosto da lula. Da textura. Da falta de gosto no gosto da lula.
Eu lembro do Mamá. Como era louco o Mamá.
Pleno de certezas. Balaio pendurado no braço.
Os peixes que o Mamá não pescou.
Eu lembro do halo que se formou no céu
no primeiro dia de um ano passado. Eram dois.
Um dentro do outro. Dois arco-íris.
Os halos desapareceram. O ralo.
Dois olhos. Duas cortinas.
Eu lembro que nunca mais.

 

VAI ENTENDER

Um céu sem lua
ainda tem a lua
na luz oculta um
livro sem o passeio
dos olhos ainda tem
muito o que contar
um avô que o neto
nunca conheceu
um avô morto ainda
é um avô e o neto
ainda é um neto um
país que não visitamos
nem nunca visitaremos
as bulgárias ainda assim
existem uma corda
frouxa eu não sei
explicar mas uma
corda frouxa não é
uma corda esticada.
Nem potencialmente.

Laura Liuzzi

Laura Liuzzi é poeta e autora de "Calcanhar", da editora 7Letras, e "Desalinho", da Cosac Naify,

Leia também

Últimas Mais Lidas

Um estudante contra o presidente

Garoto de 20 anos fala na cara de Daniel Ortega que ele é o responsável por 58 mortos na repressão aos protestos na Nicarágua e discurso viraliza. À piauí, o estudante se diz ameaçado

A Batalha de Argel, Um Filme Dentro da História – interessante e excessivo

Realização tardia e bem-sucedida do neorrealismo parece um documentário, mas é encenado do primeiro ao último plano

Foro de Teresina #1: justiçamento, abraço de gambá e túnel do tempo

Confira a estreia do podcast de política da rádio piauí com Fernando de Barros e Silva, Malu Gaspar e José Roberto de Toledo. A partir de hoje, o Foro vai ao ar toda quinta-feira, às 17h

O racismo como razão de voto

Um roteiro para entender a pesquisa mais reveladora feita sobre a eleição de Trump – e o que ela diz sobre o pleito no Brasil em 2018

Com candidato preso, PT deixa de aparecer para 400 mil eleitores na tevê e internet

Partido já perdeu mais de quatro horas de exposição em debates e entrevistas na televisão aberta desde a prisão de Lula

Vem aí a rádio piauí

Plataforma estreia nesta quinta-feira, 17 de maio, com o podcast de política Foro de Teresina. Confira nosso guia para ouvir os episódios em casa ou na rua

Saiba como foi cada mesa da Maratona Piauí Serrapilheira

Vida, vulcões, clima, água e gestão da ciência: cinco grandes cientistas falaram sobre suas áreas de pesquisa

AO VIVO: assista à Maratona Piauí Serrapilheira

Evento reúne grandes cientistas para falar sobre o futuro próximo da ciência brasileira

De Sanctis, de proscrito a guru

Depois de sete anos na geladeira, o juiz Fausto De Sanctis está de volta à área criminal – e é procurado para conselhos por colegas como Bretas

Saiba como acompanhar a Maratona

Haverá cobertura e transmissão ao vivo pela internet

Mais textos