despedida

Ma che umiliazione!

Com a Itália fora da Copa, restam aos italianos as fake news, os memes e as suspeitas de traição

Maurício Cannone
Pela primeira vez em sessenta anos, a Azzurra não estará na Copa, lamenta o diário <i>Il Tempo</i>
Pela primeira vez em sessenta anos, a Azzurra não estará na Copa, lamenta o diário Il Tempo IMAGEM: REPRODUÇÃO

Em 1921, o dramaturgo Luigi Pirandello escreveu a fabulosa peça Seis Personagens à Procura de um Autor. Agora, quase um século depois, me parece haver 60 milhões de personagens atônitos, todos habitantes da Itália, à procura de uma explicação: por que, afinal, a Squadra Azzurra não participará da próxima Copa? Em meus 57 anos, nunca vi a seleção tetracampeã mundial fora do torneio – e jamais pensei que veria.

A catástrofe tem dois precedentes, ainda que só um deles dentro de campo. Em 1930, quando ocorreu a primeira Copa do Mundo, diversas equipes da Europa, inclusive a italiana, recusaram o convite para disputá-la (não houve eliminatórias na ocasião). Alegaram como principal motivo o alto custo da viagem marítima entre o Velho Continente e o Uruguai, sede da competição. Os donos da casa, porém, aventaram outra hipótese para a ausência da Azzurra. Os cartolas de ambos os países viviam em pé de guerra porque os europeus costumavam providenciar o status de oriundi – oriundos, descendentes – a atletas uruguaios, com o intuito de que jogassem por clubes ou mesmo pela seleção da Itália. O êxodo irritava os dirigentes sul-americanos, que não escondiam a contrariedade. Na tentativa de esvaziar a festa dos reclamões, os italianos teriam decidido boicotá-la.

Já em junho de 1958 a Azzurra não viajou para a Copa da Suécia por razões puramente desportivas. Sucumbiu à Irlanda do Norte no dia 15 de janeiro, durante as Eliminatórias, que terminaram no ano do Mundial e não em 1957. Foram dois gols irlandeses contra um dos adversários, marcado pelo atacante Dino da Costa – carioca que despontou no Botafogo e, depois, se naturalizou italiano para atuar na Roma. Schiaffino e Ghiggia, os carrascos uruguaios que destruíram o Brasil na trágica decisão da Copa de 1950, também integravam aquela seleção da Itália como oriundi.

Em plena Copacabana da época, meu saudoso pai – o napolitano Claudio Cannone, louro de olhos azuis e pouco cabelo – gostava de jogar peladas na praia com João Saldanha, Luiz Mendes e outros nomes ilustres da crônica esportiva. Quando errava algum passe, dificilmente escapava das gozações. “É por isso que a Itália não foi à Copa”, debochava o jornalista Sandro Moreyra. Em dezembro de 1951, aos 18 anos, meu pai emigrou para o Rio de Janeiro, onde se casou com uma brasileira e gerou dois filhos. Até morrer, já septuagenário, acompanhou religiosamente o futebol. Torcia pelo Napoli e pelo Vasco.

Eu também não consegui me esquivar de zombarias. Em 1990, cobri minha primeira Copa in loco, justamente na Itália. Por ter dupla nacionalidade e falar o idioma de meus antepassados, escrevi sobre a equipe anfitriã para o diário carioca Jornal dos Sports. A Seleção do Brasil deixou a disputa logo nas oitavas de final, executada pela Argentina de Maradona e Caniggia. Fui, então, zoado por repórteres italianos. Em Nápoles, onde assisti à Azzurra perder a semifinal nos pênaltis para (de novo!) a Argentina, tive de aguentar o deboche de coleguinhas brasileiros.

 

Polêmicas em torno dos oriundi ainda agitam a “bota”. Na repescagem contra a Suécia, última chance italiana de chegar à Copa de 2018, o técnico Giampiero Ventura convocou uma dupla de catarinenses com passaporte europeu: Jorginho, meio-campo do Napoli, e Éder, atacante do Internazionale. Eram os únicos da lista que não nasceram na Itália. “Muitos estrangeiros. Na Azzurra, devem jogar só italianos”, detonou Matteo Salvini, líder da Lega Nord, partido de direita que combate os imigrantes. O político fez a declaração durante uma conversa com jornalistas, horas antes do jogo de volta contra os suecos. A partida aconteceu em Milão e terminou empatada: 0 a 0. Como a Suécia ganhara o primeiro jogo da repescagem em Solna por 1 a 0, os italianos acabaram sem a vaga no Mundial da Rússia.

Tutti a casa [Todos para casa], dizia um dos inúmeros memes que circularam pela internet logo após o vexame. A frase coincide com o título de um célebre filme lançado em 1960 e sugerido como alternativa àqueles que não quiserem ver a abertura da Copa. “A nossa ruína numa foto”, esbravejava outro meme, que retratava Ventura e Carlo Tavecchio, presidente da Federação Italiana de Futebol. Os dois caíram alguns dias depois da eliminação. “Ibiza, vocês estão prontos?”, indagava mais um gozador pela web, insinuando que seus compatriotas deveriam passar o verão de 2018 no balneário da Espanha em vez de prestigiar o Mundial.

A coisa ficou tão feia que pairam até suspeitas de traição na Azzurra. Segundo o canal de tevê Sky Sports, Ventura interpelou duramente sua comissão técnica antes de uma das partidas contra a Suécia. Queria saber quem havia sido o talpa [espião] que possibilitara à mídia antecipar o esquema de jogo italiano.

Especializado em economia, o jornal Il Sole 24 Ore calcula que a federação de futebol amargará um prejuízo de 100 milhões de euros por causa da eliminação. Deixará de lucrar tanto com a venda de camisetas quanto com prêmios da Fifa, direitos de transmissão dos jogos e negociação de espaços publicitários. O diário romano La Repubblica estima um rombo ainda maior: 150 milhões de euros.

Recentemente, uma notícia absurda se espalhou pelo YouTube num vídeo de quase três minutos. Enquanto uma foto congelada da Azzurra permanece na tela, uma locutora diz que o Senegal, um dos países africanos classificados para a Copa da Rússia, está fora do torneio por “falta de jogadores selecionáveis”, seja lá o que isso signifique. Em consequência, a Itália deverá substituí-lo. No fim do blá-blá-blá, a própria narradora admite se tratar de fake news e completa: “Não sabemos quem são os autores dessas frases, mas os consideramos geniais. Merecem nossos elogios.”

Maurício Cannone

Maurício Cannone é correspondente de La Gazzetta dello Sport no Brasil desde 1985.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Exclusão de perfil irregular no WhatsApp não bloqueia rede de desinformação

Mesmo que aplicativo suspenda contas com acesso indevido a bases de usuários, grupos que elas criaram continuam ativos

Eleição explode no YouTube após 1º turno

Volume de vídeos produzidos sobre Bolsonaro e Haddad em uma semana após a votação supera os três meses anteriores; Petista é maior alvo

Tempos assombrosos

O que assusta mais: o futuro político do país ou um ente sobrenatural?

Pelo porto de Santos, duas décadas de propinas

Relatório da Polícia Federal revela como Temer, um coronel aposentado, um arquiteto e um economista forjaram um esquema de desvios milionários que começou em 1995

Sergei Loznitsa – decadência e degradação onipresentes

A Rússia filmada pelo cineasta ucraniano mostra ao resto do mundo qual caminho não seguir

Deu no celular

Fim do lulismo, campanha via smartphone e a era da desinformação

No Brasil, passeata passa antes pela escola

Pesquisa da Pew Research mostra que 29% dos brasileiros mais escolarizados dizem participar de protestos, contra 8% dos que têm menos anos de estudo – a maior diferença entre 14 países

Ingressos à venda para o Festival Piauí GloboNews de Jornalismo

Estudantes e professores pagam meia-entrada, e assinantes da revista têm desconto

O candidato do colapso

Poder de Bolsonaro nasceu da devastação social e dela dependerá

E se o Brasil sair do Acordo de Paris?

O que Bolsonaro precisa fazer para abandonar o tratado climático, e como o recuo ameaça a parceria comercial bilionária com a União Europeia

Mais textos
1

A imprensa precisa fazer autocrítica

Foram anos tratando o inaceitável como controverso ou mesmo engraçado

2

Vivi na pele o que aprendi nos livros

Um encontro com o patrimonialismo brasileiro*

3

Os formadores da onda

SuperPop, comunismo e Lava Jato: sete eleitores de uma mesma família no Rio de Janeiro enumeram as razões por que votam em Bolsonaro

4

O candidato do colapso

Poder de Bolsonaro nasceu da devastação social e dela dependerá

5

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

6

E se o Brasil sair do Acordo de Paris?

O que Bolsonaro precisa fazer para abandonar o tratado climático, e como o recuo ameaça a parceria comercial bilionária com a União Europeia

7

Medo por medo, dá Bolsonaro

Datafolha mostra que PT não projeta sonho mas continuísmo

8

Dois empresários paulistas contam por que estimulam Bolsonaro

Fundador da Tecnisa e dono de empresa de monitoramento de mídia marcam encontros entre pré-candidato e comunidade judaica de São Paulo. “Apoio quem seja contra a esquerda”, resume incorporador

9

Bolsonaro e a tirania da maioria

País que exige ficha limpa de políticos desdenha da ficha democrática

10

Bolsonarismo não é partido

Democracia brasileira depende de petismo e antipetismo se organizarem em siglas que se respeitem