Ronald Reagan é a primeira figura pública de quem tenho lembranças nítidas. Quando eu era menino, adorava ver a imagem dele representada por um boneco de massinha num videoclipe da tevê. Sua presença era menos uma pessoa de carne e osso do que um artefato cultural
Ver dados da foto Ronald Reagan é a primeira figura pública de quem tenho lembranças nítidas. Quando eu era menino, adorava ver a imagem dele representada por um boneco de massinha num videoclipe da tevê. Sua presença era menos uma pessoa de carne e osso do que um artefato cultural

Má-educação

Memórias da minha obsessão infantil com Ronald Reagan
Alejandro Chacoff
Tamanho da letra
A- A+ A
Ronald Reagan é a primeira figura pública de quem tenho lembranças nítidas. Quando eu era menino, adorava ver a imagem dele representada por um boneco de massinha num videoclipe da tevê. Sua presença era menos uma pessoa de carne e osso do que um artefato cultural

Exclusivo para assinantes.
Não assinante: leia na revista impressa ou no aplicativo

No papel, estavam impressas as fotos de dois homens. O papel era meio vagabundo, a tinta da impressora falha, e era difícil diferenciá-los ou reconhecê-los. Logo me dei conta de que eu nunca tinha visto aqueles homens. Embaixo de cada foto havia um nome. De um lado do papel, via-se GEORGE H. W. BUSH, do outro, MICHAEL DUKAKIS. Tínhamos recebido a instrução de marcar o quadrado de nossa preferência (“Marque apenas um quadrado, não os dois”). Depois os papéis seriam recolhidos e haveria uma contagem final dos votos.

Era 1988. Eu tinha 5 anos. Vivíamos na Filadélfia, num bairro perto da Universidade da Pensilvânia, onde minha mãe fazia o seu doutorado. A nossa casa era rodeada por outras casas idênticas, que por sua vez eram rodeadas de árvores escuras e simétricas, que por sua vez eram rodeadas de ruas muito parecidas umas com as outras. No inverno, a casa era sitiada pela neve, e da janela da sala só alguns galhos de pinheiros ficavam visíveis. A paisagem, então, escondia-se, tornava-se ainda mais homogênea e repetitiva.

Naquele dia, durante o jantar, contei para os meus pais sobre a aula. Falei da eleição presidencial organizada pela professora, e do meu voto. Eu tinha marcado o quadrado de George H. W. Bush, mas na contagem final venceu Dukakis, o candidato democrata. Os meus pais, que brigavam quase todo dia, começaram a rir da história. Riram muito, gargalharam, e percebi uma qualidade diferente nas risadas – não expressavam sarcasmo e eram simultâneas; eles estavam rindo juntos, coisa rara.

SÓ PARA ASSINANTES.

Os direitos autorais de todo o material apresentado neste site, inclusive imagens, logotipos, fotografias e podcasts, são de propriedade da revista piauí ou de seu criador original. A reprodução, adaptação, modificação ou utilização do conteúdo aqui disponibilizado, parcial ou integralmente, é expressamente proibida sem a permissão prévia da revista ou do titular dos direitos autorais.

ASSINANTE PIAUÍ

Use o mesmo e-mail e senha cadastrados no site da Ed. Abril no ato da assinatura. Esqueceu a senha ou o e-mail ?