“O presidente me cobra quando tem que cobrar”, diz Dilma Rousseff. “Reconheço que, afetivamente – e mais ainda com essa história da doença –, ele me protege. Mas eu cumpro o que prometo”
Ver dados da foto “O presidente me cobra quando tem que cobrar”, diz Dilma Rousseff. “Reconheço que, afetivamente – e mais ainda com essa história da doença –, ele me protege. Mas eu cumpro o que prometo” IMAGEM: ESTUDIOONZE_2009

Mares nunca dantes navegados 

A trajetória de Dilma Rousseff da prisão ao poder - e como ela se tornou a candidata do presidente Lula à sua sucessão
Luiz Maklouf Carvalho
Tamanho da letra
A- A+ A
“O presidente me cobra quando tem que cobrar”, diz Dilma Rousseff. “Reconheço que, afetivamente – e mais ainda com essa história da doença –, ele me protege. Mas eu cumpro o que prometo” IMAGEM: ESTUDIOONZE_2009

Depois da cadeia

Quando Dilma Rousseff era ministra das Minas e Energia, perguntei-lhe em que condições de saúde deixara a prisão. “Ninguém sai disso sem marcas”, respondeu em um gabinete da sede da Presidência da República em São Paulo. Foram três anos de cadeia: de janeiro de 1970, quando foi capturada no centro de São Paulo, ao final de 1972, quando saiu, 10 quilos mais magra, do Presídio Tiradentes. Estava com cerca de 57 quilos, usava manequim 42,…

SÓ PARA ASSINANTES.

Os direitos autorais de todo o material apresentado neste site, inclusive imagens, logotipos, fotografias e podcasts, são de propriedade da revista piauí ou de seu criador original. A reprodução, adaptação, modificação ou utilização do conteúdo aqui disponibilizado, parcial ou integralmente, é expressamente proibida sem a permissão prévia da revista ou do titular dos direitos autorais.

ASSINANTE PIAUÍ

Use o mesmo e-mail e senha cadastrados no site da Ed. Abril no ato da assinatura. Esqueceu a senha ou o e-mail ?