esquina

Não vai ter tinta

A Copa da crise numa rua do Rio

Yasmin Santos
Andrés Sandoval_2018

O produtor de eventos Valter Gonçalves foi o primeiro a chegar naquela segunda-feira de maio. Eram quase quatro da tarde quando ele despontou de óculos escuros e expressão confiante, trazendo a tiracolo três sacos cheios de adereços com as cores da bandeira brasileira. A cada quatro anos, Gonçalves e outros três moradores do bairro da Glória, na Zona Sul do Rio de Janeiro, enfeitam a rua Benjamin Constant para a Copa do Mundo.

Faltando menos de um mês para o início do mundial de futebol, ainda tinham bastante trabalho pela frente. Já havia um trecho de cerca de 50 metros coberto com varais amarrados de um lado ao outro da rua, nos quais estavam penduradas fitas e bolas de plástico verdes e amarelas. Gonçalves tirou de um dos sacos uma faixa verde de 8 metros, que seria pendurada de frente para os varais. Sentado sobre uma bancada de concreto, pôs-se a amarrar as fitas de plástico. Para completar a decoração até o fim da rua, faltavam mais 150 metros.

Gonçalves trabalhava nas imediações de uma escadaria que leva para o bairro de Santa Teresa. Ali há um largo que já abrigou um estacionamento no passado e que, mais recentemente, foi apropriado pelos moradores e frequentadores da roda de chorinho promovida pelo boteco ao lado, onde os torcedores se reúnem para ver os jogos do Brasil num telão. A escadaria já está pronta para a festa, por obra de Luiz Claudio Serra, que trabalha como negociador de cobranças num banco. Cada degrau foi dividido por ele em três partes, pintadas alternadamente de verde e amarelo (quem vê de longe tem a impressão de que são três escadas construídas lado a lado). “Quando eu tinha 15 anos pintava a escadaria numa só noite”, contou Serra. “Hoje preciso de três, e mesmo assim com a ajuda do Valter.”

As cores da bandeira estão também em paralelepípedos, postes e canteiro – nem os vasos de planta escaparam à maré verde-amarela. Pintado no chão do largo há um escudo gigante no formato daquele que adorna o uniforme da Seleção. Em vez das iniciais da Confederação Brasileira de Futebol, porém, ele exibe as letras TBC. “Aqui é Torcida Benjamin Constant”, explicou a recepcionista Vilma Gonçalves, irmã de Valter. “Não tem CBF, não.”

Os quatro amigos de infância, todos na casa dos 50 anos, enfeitam a Benjamin Constant há nove Copas do Mundo, desde 1982 (o quarto componente da equipe é o pintor Giovanni Fernandes). Sempre de celular na mão, Vilma é uma espécie de relações públicas do grupo. De olho nas redes sociais, é ela quem cuida de inscrever a equipe nos concursos para eleger as melhores decorações urbanas para a Copa. Em 2014, a Benjamin Constant foi considerada a rua mais bonita do Rio – o prêmio foi uma festa orçada em 70 mil reais, realizada durante a partida entre Brasil e Colômbia pelas quartas de final.

A festa mais memorável daquela Copa, paradoxalmente, foi realizada após a derrota do Brasil para a Alemanha por 7 a 1 na semifinal. A carne na brasa e a cerveja gelada falaram mais alto do que a goleada, e os brasileiros comemoraram até tarde com alemães hospedados nos albergues e hotéis do entorno. “A gente não ia parar a festa por causa disso”, justificou Giovanni Fernandes, com um sorriso. “Melhor perder pros alemães do que pros argentinos. Isso aqui ficou igual ao Maracanã, todo mundo vibrando.”

Este ano, porém, a Benjamin Constant deve ficar menos enfeitada. Em tempos de crise, a ajuda dos vizinhos para decorar a rua minguou, e o jeito será fazer uma festa mais comedida. As mais de 2 mil bandeirinhas do Brasil que, na Copa passada, foram doadas para enfeitar a rua não cabem no orçamento dos organizadores para 2018. “Vamos decorar o varal só com fitas e bolas mesmo”, disse Luiz Claudio Serra, com ar resignado. “Também por economia, decidimos não pintar todo o chão na frente da escadaria.”

Nenhum dos quatro organizadores sabe calcular ao certo o orçamento para decorar a rua. “Cada lata de tinta de 18 litros custa cerca de 100 reais”, estimou Valter Gonçalves. “Precisamos no mínimo de quatro, uma de cada cor, e ainda faltam os adereços para o varal de fitas.” Até o fim de maio, perto de 1 mil reais já haviam sido gastos na decoração da rua, obtidos de doações de moradores e comerciantes. Os organizadores estimam que ainda sejam necessários mais 500 reais.

Quem cuida das finanças é Luiz Claudio Serra. “Ainda temos 40 reais em caixa”, ele comunicou aos colegas naquela segunda-feira. A informação alarmou o grupo – nem metade da Benjamin Constant estava decorada até ali, e pelo visto faltaria dinheiro. “Compra tudo em plástico”, aconselhou Giovanni Fernandes. “Precisamos colocar as fitas até o fim da rua.”

Se serve de consolo, o desempenho brasileiro nos últimos mundiais ajuda os decoradores a economizar tinta. Na parede contígua ao boteco onde os torcedores assistem aos jogos, há uma grande bandeira do Brasil com a mensagem “Rumo ao hexa”. É a mesma desde 2010: como há dezesseis anos a Seleção não vence mais um título mundial, o único trabalho do grupo é renovar a demão de tinta a cada Copa.

Naquele mesmo dia, uma pequena parte da calçada da Benjamin Constant amanheceu com uma pichação. Em vermelho, a frase “PM mata pobre” contrastava com o fundo amarelo do retângulo pintado dias antes por Valter Gonçalves. No fim da tarde, ele próprio mergulhou o rolo de tinta na bandeja e, com golpes rápidos, tentou reconstituir a pintura no chão. Sob a tinta fresca e a iluminação do poste, a frase resistia. “Só mais uma demão e isso some”, avaliou.

A pichação atraiu a atenção dos vizinhos que passavam por ali. Houve quem sugerisse que era obra de algum morador do morro Santo Amaro, cuja entrada ficava a poucos metros dali. Uma moça reprovou a intervenção: “‘Fora Temer’ a gente deixava, mas ‘PM mata pobre’ não dá.” Escondida ao pé de um muro, quase no início da escadaria, havia outra pichação. As letras amarelas disputavam espaço entre os tijolos de cimento: “Marielle vive em nossos corações.” Com essa, ninguém mexia.

Yasmin Santos

Yasmin Santos é estagiária da piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

O lobby como antídoto

O grupo de pressão da indústria perdeu a sétima batalha seguida para o lobby dos artistas e ambientalistas na votação do “PL do Veneno” – mas a guerra continua

Do inferno ao céu, de chuteiras

Em vídeo da série "Diz aí, mestre", os campeões mundiais Nilton Santos e Tostão e o técnico do time de 82 e 86, Telê Santana, investigam o caso de amor e ódio do torcedor brasileiro com a sua seleção

Foro de Teresina #6: O aborto na eleição, os paradoxos de Marina e a absolvição de Gleisi

O podcast de política da piauí debate o impacto da descriminalização do aborto na Argentina sobre as eleições brasileiras, as contradições de Marina Silva e o revés da Lava Jato no caso Gleisi Hoffmann

Uma finta na idade

Zizinho e Ademir da Guia falam da dor de deixar os gramados e das artimanhas do craque para adiar o fim da carreira

Tudo o que você não quer e não precisa saber sobre a Copa #2

Em seu segundo episódio, o podcast que não tem compromisso com a eternidade debate o talento da equipe do Marrocos e o potencial sísmico dos torcedores mexicanos

45 anos de pena por um palpite errado

Titular da seleção de 50, Barbosa lembra o quanto custa o erro de um goleiro numa Copa do Mundo; De Gea é candidato a descobrir

Didi ensina a arte do meia-armador, aquele que Tite não tem

Série “Diz aí, mestre” recupera entrevistas com os grandes da seleção brasileira

Tudo o que você não quer e não precisa saber sobre a Copa #1

O podcast que não vai falar sobre o quinto metatarso do Neymar

Nilton Santos e Didi contam como driblavam o medo antes da estreia

Até o fim da Copa, a série “Diz aí, mestre” recupera histórias de jogadores das principais seleções brasileiras em mundiais

Sobe balão de filho de José Alencar para o lugar de Lula

Empresário que deixou a vice-presidência da Fiesp para ser candidato em outubro agora é cotado para o papel do vice que pode chegar a titular em chapa PT-PR

Mais textos
1

Tudo o que você não quer e não precisa saber sobre a Copa #1

O podcast que não vai falar sobre o quinto metatarso do Neymar

2

Série da piauí traz vídeos inéditos de craques das Copas

Em “Diz aí, mestre”, jogadores como Nilton Santos, Didi, Vavá e Bellini recuperam histórias de seus mundiais para iluminar a Copa de 2018

3

Deu zika no caixa

PCC transmite técnica de explodir caixas eletrônicos sem inutilizar as cédulas e detona epidemia de ataques a bomba no Rio

4

Nilton Santos e Didi contam como driblavam o medo antes da estreia

Até o fim da Copa, a série “Diz aí, mestre” recupera histórias de jogadores das principais seleções brasileiras em mundiais

5

Didi ensina a arte do meia-armador, aquele que Tite não tem

Série “Diz aí, mestre” recupera entrevistas com os grandes da seleção brasileira

6

Sobe balão de filho de José Alencar para o lugar de Lula

Empresário que deixou a vice-presidência da Fiesp para ser candidato em outubro agora é cotado para o papel do vice que pode chegar a titular em chapa PT-PR

7

O raro êxodo do Bolsa Família

Cada vez menos voluntários como Toninho pedem para sair do programa de ajuda: número de famílias que abre mão do benefício caiu à metade desde 2013

8

Uma finta na idade

Zizinho e Ademir da Guia falam da dor de deixar os gramados e das artimanhas do craque para adiar o fim da carreira