esquina

O fazedor de santos

Um expert em canonizações

Juliana Deodoro
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2017

O italiano Paolo Vilotta vinha se submetendo a uma rotina de trabalho particularmente estressante naquela semana de maio, em Manhumirim, na divisa de Minas Gerais com o Espírito Santo. Ele e sua equipe de três auxiliares acordavam cedo, quando a neblina ainda cobria a maior parte da cidade, e se punham a analisar centenas de documentos, textos e relatos coletados nos últimos dois anos.

Na hora do almoço, os quatro sentavam-se em silêncio no refeitório. Especula-se que tampouco trocassem muitas palavras na sala em que, trancados, sem testemunhas, exerciam sua atividade sigilosa. A fama de severidade do visitante italiano logo se espalhou pela pequena cidade mineira, uma imagem que se viu reforçada depois que Vilotta se recusou a aparecer em selfies com admiradores locais. “O tempo é muito curto, não dá para ficar conversando, batendo papo”, justificou-se.

Embora sua atividade seja semelhante à de um advogado, Paolo Vilotta na verdade é um “postulador”: uma mistura de defensor público com despachante de candidatos à santidade na Igreja Católica. Seu cliente, naqueles dias, era o padre Júlio Maria de Lombaerde, morto há mais de setenta anos, em 1944, e objeto de forte devoção em Manhumirim e redondezas. “Sempre quisemos entrar com o processo, mas a verdade é que ninguém sabia por onde começar. Agora descobrimos o mapa da mina”, revelou o padre Demerval Botelho, de 94 anos, que conviveu com o padre Júlio.

Vilotta é baixo, tem nariz grande e barba por fazer. Aos 34 anos, já não é um postulador qualquer. Ninguém é tão atuante quanto ele quando se trata de defender a causa de possíveis santos brasileiros. Das noventa postulações nacionais que tramitam atualmente no Vaticano, trinta são lideradas pelo expert italiano. Ele é também um dos poucos leigos acreditados pela Santa Sé para exercer a função.

Embora seja contratado pelas dioceses para conduzir os processos de beatificação e canonização, Vilotta costuma se comportar, na verdade, como uma espécie de advogado do diabo (com o perdão da expressão). Cabe a ele, por exemplo, avaliar se a devoção é espontânea ou fabricada. Caso encontre qualquer irregularidade, deve interromper o curso do processo. “A diferença entre um postulador e um advogado é que eu tenho o dever da verdade. O advogado precisa defender o cliente, seja ele culpado ou não. Eu sou representante do autor da causa, mas também represento as normas da Congregação dos Santos.”

 

A semana de trabalho intenso terminou em clima de festa em Manhumirim, com uma missa campal. O altar foi montado no pátio entre o Seminário Apostólico Romano e a Igreja Matriz do Bom Jesus, as duas mais vistosas construções na cidade de 22 mil habitantes. Vestido com um terno alinhado, Paolo Vilotta esperava de pé o início da celebração, guardando certa distância. Moradores encapotados tentavam se proteger do frio e encontrar algum lugar onde se sentar, entre as fileiras de cadeiras ao ar livre, as muretas do seminário e a escadaria da igreja.

Volta e meia o postulador conferia o relógio. Parecia um segurança, ao vigiar o palco, cioso de que nada saísse do lugar antes da missa. Na porta da igreja surgiram o bispo da região e os sacerdotes da congregação dos sacramentinos. Jovens subiram ao altar para reencenar a vida do padre a quem a população de Manhumirim atribui inúmeras graças: sua saída da Bélgica, a passagem pela África e o trabalho nas regiões Norte e Nordeste do Brasil, antes de se instalar aos pés do Pico da Bandeira, em Minas Gerais. Vilotta se retirou logo depois do início da missa, recolhendo-se dentro do seminário – e de lá só saiu quando a celebração religiosa chegou ao fim. De um lado, a alegria do povo. Do outro, o italiano: sério, metódico, ansioso.

Mal a missa terminou, Vilotta subiu ao palco. Iria cumprir uma das tarefas mais importantes da viagem que o trouxera de Roma. Com destreza, começou a desmontar e a retirar parte dos ornamentos religiosos. A mesa onde antes se repartira o pão e o vinho perdeu a toalha e ganhou cadeiras. O altar logo se transformou numa espécie de tribunal – ou de cartório. Um notário que acompanhava o postulante começou a desfiar um juridiquês tão compreensível quanto uma ladainha em latim. Enquanto isso Vilotta abordava diferentes autoridades da igreja local com caneta e papel, buscando as assinaturas necessárias para o seu processo.

Concluídas as obrigações burocráticas, o visitante italiano empreendeu um gesto dramático, retirando o pano amarelo que cobria uma caixa até então quase despercebida. Dentro do cubo transparente encontravam-se os restos mortais do padre Júlio Maria. Podiam-se ver o crânio e um amontoado de ossos do candidato a santo. Uma leve comoção percorreu a praça, e o público se adiantou com celulares em punho para a frente do palco. Vilotta selou a caixa com uma fita vermelha e mandou a colocarem numa urna de madeira, garantindo assim que não se pudesse adulterar o “material” enquanto corre o processo. Depois acompanhou o cortejo que levou a urna até o interior da igreja, onde foi depositada num mausoléu de mármore branco.

O italiano ainda ficaria algum tempo lá dentro, observando o comportamento dos fiéis. Parecia, afinal, comovido. “Está vendo? Isso é devoção espontânea”, ele me disse. Era de se esperar por um momento como aquele, de empatia entre o principal postulador de candidatos brasileiros à canonização e a religiosidade da (ainda) maior população católica do planeta – que, no entanto, conta com apenas três santos reconhecidos.

Não durou muito. Já era hora de ir embora. No dia seguinte, Vilotta devia acordar às quatro da manhã e pegar um avião até Salvador. Fez mistério sobre em que causa trabalharia por lá. Mas reconheceu que tem sido bastante requisitado. “O Brasil é um lugar de oportunidade para o ambiente católico”, avaliou o jovem postulante, como se fosse um empreendedor diante de um mercado em expansão.

Juliana Deodoro

Jornalista, formada pela Universidade Federal de Minas Gerais. Trabalhou em O Estado de S. Paulo e Veja São Paulo

Leia também

Últimas Mais Lidas

Médicos de menos, as doenças de sempre

A história de quatro pacientes crônicos do sertão do Ceará que estão há um mês sem os tratamentos que precisam, após a saída dos profissionais cubanos do país

Foro de Teresina #31: O escândalo do motorista, o antiministro do Meio Ambiente e o barraco do PSL

O podcast da piauí analisa os fatos mais recentes da política nacional

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

Mulheres de “facção”

Sem emprego formal, costureiras trabalham até 14 horas por dia para intermediários da indústria da moda, as chamadas “facções”

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

Mais textos
1

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

2

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

3

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

6

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

7

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

8

Rakudianai

A política, a prisão, o encontro com o crocodilo, o julgamento e meu pai: lembranças de quarenta anos atrás

9

Xô, esquerda!

Pastores da Universal agora livram os fiéis de possessões comunistas?

10

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty