vultos da República

O herdeiro

Líder dos sem-teto, o presidenciável Guilherme Boulos se aproxima de Lula e cria embaraços para o PSOL

Fabio Victor
Boulos sorri pouco e aparenta estar sempre cismado com o interlocutor. “Uma das coisas que mais me impressionaram após tanto tempo sem vê-lo foi notar como ele passou a usar trejeitos e expressões
Boulos sorri pouco e aparenta estar sempre cismado com o interlocutor. “Uma das coisas que mais me impressionaram após tanto tempo sem vê-lo foi notar como ele passou a usar trejeitos e expressões FOTO: TUCA VIEIRA_2018

Às margens do Guaíba, em meio à massa vermelha de militantes, Guilherme Boulos caminhava pelo acampamento montado em apoio ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Naquele 24 de janeiro, uma quarta-feira, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região, com sede em Porto Alegre, julgava o recurso do petista à condenação imposta em primeira instância pelo juiz Sérgio Moro no caso do tríplex do Guarujá. “Parece que o babaca do Gebran já deixou claro que vai manter a condenação. Talvez o Lula tenha alguma chance com o Paulsen. Pelas informações que chegaram, é um cara mais técnico”, disse o coordenador nacional do MTST, o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, logo que nos encontramos. Eram 9h25. O julgamento começara menos de uma hora antes, e o relator João Pedro Gebran Neto só havia lido um resumo da acusação e da sentença de Moro – mas dera pistas do que viria pela frente. Entre os três juízes da 8ª Turma do TRF-4, o revisor Leandro Paulsen seria o segundo a votar naquele dia.

Boulos, com uma mochila às costas, vestia calça jeans e camisa polo vermelha. Estava acompanhado da advogada Cláudia Ávila, coordenadora do MTST em Porto Alegre, e do marido dela. O trio avançava pelo passeio público nas proximidades do tribunal, onde partidários do PT e de movimentos sociais se aglomeravam entre carros de som. A cada minuto, Boulos era solicitado a interromper a marcha. Um senhor careca pediu uma foto: “Vou também tirar minha casquinha. É Lula lá. Senão… é você!”

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES
Para acessar, assine a piauí

Fabio Victor

Fabio Victor é repórter da piauí. Na Folha de S.Paulo, onde trabalhou por 20 anos, foi repórter especial e correspondente em Londres

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #2: As chances de Ciro, o desmanche da Venezuela e uma encrenca chamada Bolsonaro

No podcast de política da piauí, Fernando de Barros e Silva, Malu Gaspar e José Roberto de Toledo discutem a campanha presidencial no Brasil e a eleição de Nicolás Maduro

A quem faz cinema no Brasil

Reflexões sobre os impasses da profissão, nas palavras de Dziga Vertov

A marca de Roth

Influência do autor de O Complexo de Portnoy, que morreu aos 85 anos em Nova York, é cada vez mais poderosa

“Me deixe fora desse balaio”

Conheça a rotina e o pensamento de Muniky Moura, a eleitora “nem nem” – que, como 43% do eleitorado, rejeita Lula e Bolsonaro e costuma decidir a eleição

Político mais popular no Facebook não fala de política na rede

Deputado federal baiano Irmão Lázaro atribui seus 8,5 milhões de seguidores a não postar sobre o que faz no Congresso: “É uma gritaria”

Um estudante contra o presidente

Garoto de 20 anos fala na cara de Daniel Ortega que ele é o responsável por 58 mortos na repressão aos protestos na Nicarágua e discurso viraliza. À piauí, o estudante se diz ameaçado

A Batalha de Argel, Um Filme Dentro da História – interessante e excessivo

Realização tardia e bem-sucedida do neorrealismo parece um documentário, mas é encenado do primeiro ao último plano

Foro de Teresina #1: justiçamento, abraço de gambá e túnel do tempo

Confira a estreia do podcast de política da rádio piauí com Fernando de Barros e Silva, Malu Gaspar e José Roberto de Toledo. A partir de hoje, o Foro vai ao ar toda quinta-feira, às 17h

O racismo como razão de voto

Um roteiro para entender a pesquisa mais reveladora feita sobre a eleição de Trump – e o que ela diz sobre o pleito no Brasil em 2018

Com candidato preso, PT deixa de aparecer para 400 mil eleitores na tevê e internet

Partido já perdeu mais de quatro horas de exposição em debates e entrevistas na televisão aberta desde a prisão de Lula

Mais textos