perfil

O Maquiavel de Maryland

Estrategista militar e conselheiro de presidentes, Edward Luttwak se divide entre o estudo dos clássicos e a criação de gado

Thomas Meaney
Para Luttwak, eficiência de mercado deve ser praticada com moderação: o que deve ser valorizado está no reino da ineficiência – amor, família, vínculos, comunidade, cultura, velhos hábitos
Para Luttwak, eficiência de mercado deve ser praticada com moderação: o que deve ser valorizado está no reino da ineficiência – amor, família, vínculos, comunidade, cultura, velhos hábitos FOTO: THOMAS MEANEY

As pessoas procuram Edward Luttwak para lhe pedir coisas incomuns. O primeiro-ministro do Cazaquistão quer encontrar um jeito de remover os russos de uma cidade fronteiriça do norte do país; um importante governo asiático quer um plano de treinamento para seu novo serviço de inteligência; uma indústria química italiana quer ajuda para resolver uma ação que uma comunidade lhe moveu devido aos efeitos do amianto; um grupo de cidadãos em Tonga quer afastar de suas águas caçadores japoneses de golfinhos; a London Review of Books quer uma matéria sobre o genocídio na Armênia; uma mulher em Washington briga na Justiça pela guarda dos filhos – será que Luttwak poderia “persuadir” o marido dela? E tudo isso apenas nos últimos doze meses.

Luttwak, que se autoproclama um “grande estrategista”, acredita ganhar a vida corretamente, semeando suas ideias ao redor do mundo. Para ele, os princípios balizadores do mercado são contrários àquilo que chama “a lógica da estratégia”, que em geral implica tomar a atitude menos eficaz possível, a fim de confundir o inimigo e, assim, obter vantagem sobre ele. Se seus tanques têm a escolha de avançar por uma boa autoestrada ou por um atalho ruim, vá pelo atalho, diz Luttwak. Se puder dividir seus esquadrões de caças em dois porta-aviões, em vez de reuni-los num só, desperdice combustível e embarque-os separadamente. E se dois de seus inimigos estão se digladiando na Síria, sente-se e faça um brinde à boa sorte.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES
Para acessar, assine a piauí

Thomas Meaney

Thomas Meaney, escritor especializado em política internacional, é editor da revista The Utopian

Leia também

Últimas Mais Lidas

A sua melhor tradução

Um glossário para entender a fala dos morros cariocas, segundo a prosa do escritor Geovani Martins

O Processo – observação em crise

Como todo observador intransigente, diretora Maria Augusta mais constata do que revela no documentário sobre o impeachment de Rousseff

Lula pode estar na cadeia e na urna ao mesmo tempo?

A rara combinação de chances que permitiria uma candidatura do ex-presidente conduzida de dentro da prisão

Febre cede, mas epidemia ainda mata

Desinformação e corte de verbas sustentam mortes por febre amarela; busca pela doença no Google cai 80%

Incomum, decisão pró-Bretas envolveu falha judiciária

Ao menos 19 juízes não conseguiram da Justiça duplo auxílio-moradia; AGU levou 29 meses para recorrer de sentença a favor de Bretas

A Melhor Escolha – jornada para redimir o passado

Filme de Richard Linklater tenta repetir fórmula de outros longas do cineasta, mas falha do ponto de vista comercial e artístico

Rabino pede desculpas por participar de ato ecumênico no ABC

Em vídeo, Alexandre Leone disse que participação em evento inter-religioso em favor de Lula foi “desacertada”

Intervenção no Rio cancela missão militar do Brasil na África

Governo Temer havia se comprometido a enviar 1 mil soldados à República Centro-Africana, mas desistiu

O dia em que a história não aconteceu

A sexta-feira se anunciava como o dia em que Lula seria preso, faria um discurso histórico ou fugiria: no fim, nem recorde de curiosidade bateu

Noite em claro no sindicato

Melancolia e euforia durante a vigília nos Metalúrgicos do ABC contra prisão de Lula

Mais textos