No mundo todo, dois grandes grupos viram suas rendas crescerem nas últimas décadas: uma "nova classe média" global, composta sobretudo por trabalhadores fabris na Ásia, e os super-ricos, os grandes beneficiários da globalização financeira
Ver dados da foto No mundo todo, dois grandes grupos viram suas rendas crescerem nas últimas décadas: uma "nova classe média" global, composta sobretudo por trabalhadores fabris na Ásia, e os super-ricos, os grandes beneficiários da globalização financeira FONTES: IMF WORLD ECONOMIC OUTLOOK, WORLDBANK, UNWORLD POPULATION PROSPECTS (2016)_WWW.WORLDMAPPER.ORG

O mundo é o lugar mais desigual do mundo

Novo livro de Branko Milanovic discute os riscos da concentração da riqueza global
Marcelo Medeiros
Tamanho da letra
A- A+ A
No mundo todo, dois grandes grupos viram suas rendas crescerem nas últimas décadas: uma "nova classe média" global, composta sobretudo por trabalhadores fabris na Ásia, e os super-ricos, os grandes beneficiários da globalização financeira FONTES: IMF WORLD ECONOMIC OUTLOOK, WORLDBANK, UNWORLD POPULATION PROSPECTS (2016)_WWW.WORLDMAPPER.ORG

A República Romana já era enorme quando um de seus escravos resolveu sacudir um pouco as coisas. E conseguiu. No ano 73 antes da era comum, o gladiador Espártaco liderou uma revolta capaz de fazer frente às bem organizadas legiões e pôs Roma a tremer. Não sem razão, afinal cerca de um terço da população da região da Itália era composta por escravos, gente que tinha bons motivos para querer mudar as coisas. O levante virou um símbolo épico da luta contra a desigualdade, além de render um filme genial, dirigido por Stanley Kubrick.

A resposta veio rápido. Marcus Licinius Crassus, um dos mais importantes generais e políticos de sua época, tratou de mobilizar um exército gigantesco que pudesse pôr fim à resistência escrava. Dois anos depois, vitorioso, Crassus crucificaria 6 mil rebeldes, deixando claro que novas revoltas não seriam toleradas.

Houve quem atribuísse o êxito fulminante do líder militar a um talento individual fora do comum. No final do século XVIII, o economista Adam Smith mencionava Crassus como um exemplo de autocontrole diante dos sentimentos de medo e de fúria, uma habilidade essencial tanto na guerra quanto na política. O sociólogo Max Weber, no entanto, viu no romano bem mais do que características pessoais: sua fortuna era considerável, o que permitiu a Crassus influenciar aquele que viria a ser o maior líder político de sua época, o carismático Júlio César, obtendo em troca monopólios e privilégios. Para garantir essas vantagens, Crassus não hesitou em comprar um exército.

Com o enriquecimento da República, que conquistava mais e mais territórios, a desigualdade econômica em Roma aumentou. Recursos privados foram usados para controlar a política. Crassus garantiu sua posição de poder derrotando Espártaco – e para isso usou mercenários pagos de seu próprio bolso para quase quadruplicar o tamanho das tropas que recebeu de Roma. Não foi um simples gasto, claro, mas um investimento. Seu poder cresceu e, com ele, sua riqueza. Marcus Licinius Crassus tornou-se o homem mais rico de sua época, símbolo da plutocracia romana.

Estima-se que a riqueza de Crassus lhe rendesse 12 milhões de sestércios por ano, algo como 1 bilhão de dólares. Um romano médio precisaria trabalhar 32 mil anos para juntar o equivalente à renda anual do plutocrata. Trata-se de muito dinheiro para qualquer mortal que não tenha uma família fazendo poupança desde a última glaciação. A quantia é comparável, no entanto, à fortuna dos bilionários de hoje. Nos Estados Unidos há pelo menos quatro pessoas mais ricas do que o romano havia sido, em sua época. Bill Gates, cuja fortuna de 50 bilhões de dólares rende pelo menos 2,5 bilhões de dólares anuais, dispõe de mais do que o dobro da renda anual do general Crassus.

 

A comparação é de Branko Milanovic, economista sérvio especializado em desigualdade que desde o início dos anos 90 vive nos Estados Unidos, e hoje dá aulas na Cuny, a Universidade da Cidade de Nova York. Mais do que uma curiosidade, as comparações históricas de Milanovic servem para colocar em perspectiva uma época – a nossa – de enormes disparidades econômicas, provavelmente as maiores de toda a história conhecida. Saber as causas e as consequências dessa desigualdade tão grande é essencial. Afinal, como foi possível que surgissem novos Marcus Licinius Crassus, homens capazes, no passado, de mobilizar exércitos e, hoje, de definir as preocupações da pesquisa científica de ponta ou de ditar os rumos de uma nova corrida espacial?

É o que Milanovic tenta responder em seu livro mais recente, Global Inequality: A New Approach for the Age of Globalization [Desigualdade Global: Uma Nova Abordagem para a Era da Globalização], que acaba de ser lançado, analisando os impactos do processo de globalização das últimas três décadas – o aumento, desde os anos 80, dos fluxos do comércio e das finanças, com a liberalização dos movimentos de capital de um país a outro. O projeto do economista sérvio de certa forma dá continuidade à recente reviravolta nos estudos sobre desigualdade provocada pelo trabalho do francês Thomas Piketty – mas também vai além, preenchendo uma lacuna deixada pelo autor d’O Capital no Século XXI.

Até Piketty, uma opinião comum entre economistas era a de que não havia grandes motivos para se preocupar com a desigualdade, uma vez que a economia de mercado, se deixada à vontade para funcionar, terminaria por mitigar e reduzir as grandes diferenças entre ricos e pobres que a princípio ela mesma teria produzido. Segundo essa narrativa convencional, ao se modernizar, com a diminuição da importância da produção agrícola e aumento da relevância do setor industrial, uma economia tenderia a gerar mais desigualdade – as novas fábricas valorizariam o trabalho especializado, ainda escasso, pagando mais aos profissionais que contratassem, em detrimento daqueles que continuariam a trabalhar no setor “atrasado”. Mesmo os operários – além, claro, dos donos da fábrica – ganhariam bem mais do que os agricultores. À medida que a maior parte da mão de obra de um país fizesse a transição para o setor industrial, contudo, essas grandes diferenças criadas inicialmente entre os dois setores diminuiriam bastante.

O que o economista francês demonstrou é que isso até podia ser verdade para alguns períodos e lugares específicos, mas que, de maneira geral, as economias de mercado não tendem naturalmente à igualdade. Por uma simples razão: os rendimentos – lucros, juros, dividendos – de quem já tem riqueza, dinheiro acumulado, tendem, de forma geral, a serem maiores, a cada ano, do que o crescimento da economia como um todo. A conclusão lógica de Piketty foi a de que quem vive de renda termina por ganhar mais do que aqueles que têm que vender seu trabalho em troca de salário – cujos aumentos não podem ser permanentemente maiores do que o crescimento do produto total de um país. Sem algum tipo de interferência governamental e redistribuição de recursos, o mundo é uma máquina de criar desigualdade e, pior, uma desigualdade que tende a aumentar.

Mas faltava uma coisa. Havia estudos capazes de mostrar essa tendência em vários países, analisando as diferenças de renda e riqueza dentro de cada um deles. Nenhum mostrava, no entanto, como todos esses países juntos, isto é, o mundo todo considerado como uma única grande economia, se comportava. Pela simples razão de que não havia dados agregados de desigualdade para todo o globo. Entra em cena Branko Milanovic.

O sérvio ficou famoso, em 1999, ao ser o primeiro a calcular com boa precisão a desigualdade global. Até então, tudo o que havia eram medidas de desigualdade dentro de países e apenas algumas aproximações globais. O que ele descobriu desde então é que o lugar mais desigual do mundo é… o mundo. Nenhum país tem níveis de desigualdade tão altos quanto a de toda a economia do planeta, considerada em conjunto. Em 2008 o coeficiente de Gini da distribuição da renda do mundo era de 0,67, numa escala que vai de 0 a 1 e que denota maior desigualdade quanto mais próxima de 1 – na hipotética situação em que um único superbilionário detivesse toda a renda de um país, ou do mundo, e todas as outras pessoas não recebessem dinheiro algum, o índice de Gini seria 1; pois o mundo está mais próximo disso do que da plena igualdade. Nem Brasil, África do Sul ou Colômbia, sempre exemplos de altíssima desigualdade, chegam a tanto.

 

Como se chegou a isso? Com a globalização, os destinos dos países estão interligados. Se é que um dia foi possível analisar cada país como uma ilha, definitivamente isso agora não faz mais sentido. Não só o crescimento, como também a desigualdade de um país como o Brasil, por exemplo, depende da desigualdade e do crescimento de regiões inteiras do planeta – por exemplo, do crescimento chinês, que impulsionou a expansão da agricultura brasileira na última década. O que cada pessoa ganha e o que cada grupo social ganha ou perde, dentro de cada país, também depende daquilo que acontece na economia global, para além das fronteiras de cada nação.

Até a Revolução Industrial, no final do século XVIII, as economias cresciam lentamente e o mundo era um lugar razoavelmente homogêneo. Não temos muita informação sobre isso, mas tudo indica que as diferenças entre países ricos, de um lado, e pobres, de outro, cresceram muito e continuamente entre 1820 e 1970. É um período conhecido como a grande divergência, que separou o mundo em países desenvolvidos e subdesenvolvidos. O pico da desigualdade entre países foi alcançado na década de 70, quando tudo indicava que a geografia econômica do mundo estava mais ou menos estabilizada. Não estava. A Ásia, que vinha crescendo desde pelo menos os anos 60, entrou em acelerada expansão econômica nas décadas seguintes e começou a se aproximar dos países ricos.

As mudanças nas últimas décadas na desigualdade entre os países acabaram afetando a desigualdade dentro dos países. A Ásia absorveu, nesse período, boa parte da produção industrial do mundo. A América do Norte e a Europa ficaram com o controle dos sistemas financeiros. Países da América Latina, que chegaram a ter mais de um terço de seu Produto Interno Bruto advindo da indústria, regrediram e hoje são fornecedores de matérias-primas e alimentos para o resto do planeta. Com isso, acabou se formando na Ásia uma classe de trabalhadores de baixa renda que antes estavam na pobreza; na América do Norte, na Europa e na Oceania, as classes médias industriais perderam posição, mas emergiram os super-ricos, em particular os grandes executivos e homens de finanças; enquanto isso, na América Latina, assistimos a uma transição do trabalho industrial para serviços de baixa produtividade. A África, de modo geral, continuou arcaica e pobre.

No fim das contas, foram as rendas de dois grupos específicos que tiveram um crescimento verdadeiramente acelerado nos últimos vinte anos. O primeiro grupo compreende pessoas de renda relativamente baixa, não muito acima da pobreza, que vivem em países mais pobres. Essas são as pessoas que estão no miolo, na metade da distribuição global da renda – deixando para trás o grupo dos realmente pobres, mas por sua vez também sem conseguir alcançar os estratos remediados e ricos das grandes economias. Seria um exagero chamar essa fração do meio da distribuição de renda de “classe média global”, Milanovic admite, mas se for mais fácil entender assim, a ideia é esta: o miolo cresceu. O segundo grupo que aumentou sua renda e riqueza nas últimas décadas é o dos ricos dos países ricos, o topo da pirâmide. Comparativamente, ficaram praticamente estagnadas as classes médias, no sentido convencional do termo, na Europa, América do Norte e América Latina, que estão entre os 20% mais ricos da população mundial: seu crescimento não alcançou 1% ao ano.

Os super-ricos – pertencentes ao 1% mais rico da economia global – acumularam ainda mais riqueza devido, em parte, às condições favoráveis criadas por um mundo liberalizado. A globalização estende aos ricos a oportunidade de lucrar em mercados do mundo inteiro. Permite que pessoas na Espanha especulem e lucrem com a dívida pública da Argentina. Ou que magnatas russos transfiram sua riqueza para Londres, enriquecendo também, por tabela, o setor financeiro inglês. A classe média tradicional dos países ricos, por sua vez, perdeu lugar no bonde do emprego – com a transferência de fábricas e indústrias menos sofisticadas para as nações mais pobres –, no qual subiu a “nova classe média global”, em que se destacam os trabalhadores urbanos e fabris da Ásia, principalmente da China.

 

Tudo somado, o crescimento do miolo da distribuição de renda parece ter tido um impacto um pouco maior do que aquele dos muito ricos. Tanto assim, nos diz Milanovic, que a partir do final dos anos 80 a desigualdade global começou a cair, ainda que muito lentamente. A depender de como se faça o cálculo, entre 1988 e 2011 o coeficiente de Gini do mundo cai de 0,72 para 0,67 – uma redução muito pequena, é verdade, de apenas 7% em 23 anos.

Será então a “nova classe média global” a verdadeira vencedora da globalização? Depende muito de como se vê a mudança. O meio do mundo cresceu, e muito. As pessoas na metade da distribuição de renda viram sua renda duplicar entre 1988 e 2011. Entre os chineses, as rendas triplicaram. Olhado por um ângulo otimista, foi um salto fenomenal em cerca de duas décadas.

Porém, na análise da desigualdade, muito mais importante do que saber para onde o mundo foi é avaliar para onde ele poderia ter ido. Taxas de crescimento da renda dos mais pobres tendem a traçar uma versão excessivamente triunfalista das mudanças. Além disso, não são a melhor forma de se tratar o assunto, pois, por maior que seja, o crescimento dos pobres não afeta muito a desigualdade. Funciona como uma alavanca que tenta deslocar um objeto: como muito pouco da renda do mundo está entre os pobres, sua capacidade de mover a desigualdade é pequena. Os mais ricos, por outro lado, têm um peso enorme e qualquer sacudida em sua renda faz a gangorra da desigualdade balançar.

Mais sóbrio – e talvez mais pessimista – é olhar para quanto cada grupo se apropriou do crescimento total. Aqui os números de Milanovic impressionam: os 10% mais ricos da população global se apropriaram de 60% de todo o crescimento do mundo entre 1988 e 2008. Uma grande massa de população melhorou de vida, é verdade, mas o que esse dado demonstra é que poderia ter melhorado muito mais se o resultado do crescimento não terminasse tão concentrado nas mãos dos ricos.

A conclusão que se tira disso não depende de piruetas aritméticas: para tornar o mundo de fato menos desigual, o crescimento tem que ser desconcentrado em escala global. Mas ainda falta bastante para chegar lá. Depois que a última onda de globalização começou, em meados da década de 80, o crescimento foi tão concentrado que, para alcançar o ganho do 1% mais rico, seria necessário somar todo o aumento de renda de mais de dois terços da população mais pobre do planeta.

Não é ainda o caso, portanto, de nos deixarmos impressionar pela emergência de uma “nova classe média” global: mesmo com o crescimento explosivo das últimas décadas, a renda necessária para que um chinês esteja entre os 20% mais ricos do seu país ainda é menor do aquela necessária para deixar de ser um dos 20% mais pobres dos Estados Unidos. Ou seja, uma parte da “classe média alta” chinesa ainda é praticamente miserável, segundo padrões americanos. A globalização teve vários vencedores. Mas alguns foram muito mais vencedores que outros.

Os grandes vencedores formam uma pequena plutocracia global. Segundo as estimativas de Milanovic, em 2010 o 1% mais rico do planeta controlava 29% da renda e 46% de toda a riqueza mundial. Um milionésimo dessas pessoas, 1 426 bilionários, para ser preciso, detinha 2% da riqueza global. Pode não parecer muito, porém é mais do que o dobro de toda a riqueza da África e algo que países inteiros da América Latina não conseguiriam alcançar mesmo que poupassem um ano inteiro de sua produção econômica.

 

O que está em jogo é mais do que dinheiro. Em um mundo globalizado, os estados nacionais perdem força. Um grupo pequeno de pessoas com muita riqueza tem grande poder de colocar as cartas a seu favor. Em casos extremos, a desigualdade é uma ameaça à democracia.

A democracia é um regime igualitarista – ou, pelo menos, deveria ser. Sua ideia fundamental é a de que o poder político deve estar bem distribuído. Cada pessoa tem um voto, e os políticos são apenas representantes do povo. Fora do papel, claro, não é bem assim que funciona. Para começar, campanhas políticas têm se tornado, no mundo todo, operações milionárias. Além disso, depois que os votos são contados, entra em funcionamento uma máquina complexa e cara, que vai do lobby à manutenção do aparelho partidário. E, como se sabe, o dinheiro controla a mídia, e quem controla a mídia controla quais informações chegam aos eleitores. Quando a riqueza é bem distribuída, cada pessoa tem mais ou menos o mesmo poder de influenciar essa estrutura. Quando é muito concentrada, a porta está aberta para a plutocracia. Adeus igualdade de poder político.

Exemplos não são difíceis de encontrar. Silvio Berlusconi, um dos homens mais ricos do mundo, foi quatro vezes primeiro-ministro da Itália, em boa parte graças ao fato de praticamente monopolizar os meios de comunicação do país. Donald Trump, ainda mais rico que Berlusconi, é o grande financiador de sua própria campanha à Presidência dos Estados Unidos. Mais rico ainda, Michael Bloomberg financiou não apenas seu pleito à Prefeitura de Nova York, mas também as estruturas eleitorais de vários políticos associados a ele. Dado o custo milionário das campanhas, não surpreende que termine por ser assim: cada vez mais, e também no campo político, manda quem tem dinheiro. A preocupação de Milanovic com os novos plutocratas não é sem fundamentos.

 

Não são pequenos os entraves para que se possa reverter o altíssimo grau de desigualdade do mundo hoje. A globalização permitiu a livre migração do capital, mas não a movimentação das pessoas. Enquanto empresas e investidores podem buscar melhores oportunidades de lucro fora das suas fronteiras nacionais, o mesmo direito não é estendido aos trabalhadores, num liberalismo de pé quebrado.

O Muro de Berlim caiu, mas no seu lugar foram erguidos muitos outros. Na verdade, países que apregoam integração mundial e igualdade de oportunidades como um valor fundamental estão erguendo barricadas para frear a entrada de migrantes. A Hungria tem estendido cercas de arame farpado para impedir a passagem de refugiados do Oriente Médio. Itália e Espanha patrulham obsessivamente o Mediterrâneo para interceptar barcos clandestinos. Os Estados Unidos muraram a sua fronteira com o México. Israel é um condomínio fechado, circundado por palestinos pobres. Memória curta ou interesses mesquinhos, pois todos esses lugares têm uma história importante de migração.

Outros mecanismos de política global para combater a desigualdade parecem ser tão ou mais difíceis de estabelecer quanto a livre circulação de pessoas – e o caso mais patente é o das sempre renovadas propostas de tributar a movimentação financeira internacional.

Apesar de todos os entraves, não é fácil prever mudanças globais, nem saber para onde vai a distribuição de renda no mundo. Se previsões de comportamento da desigualdade dentro de países já erram com frequência, o que dizer desse mesmo tipo de profecia em escala planetária? Não é possível saber o que se passará com a China e a Índia em duas décadas. O socialismo na União Soviética parecia inabalável em 1980. Quem garante que os Estados Unidos não serão uma potência socialista em 2050? A história com frequência dá saltos, sem avisar com antecedência.

Identificar tendências é importante, mas em seu livro Milanovic é sóbrio e reconhece que tendências muitas vezes são insuficientes, pois a história também é feita de eventos inesperados. Feitas as ressalvas de praxe, contudo, ele admite especular sobre as prováveis consequências das inclinações econômicas atuais.

Com a revolução das comunicações, áreas inteiras da economia que antes pareciam protegidas das influências da globalização, como o setor de serviços, devem ficar cada vez mais expostas às mudanças fora das fronteiras nacionais. Sistemas inteiros de computadores na Inglaterra, por exemplo, são mantidos por engenheiros indianos. Centrais que distribuem corridas de táxi do Chile enfrentam competição de firmas localizadas nos Estados Unidos. Não se trata apenas de deslocar serviços entre países, mas da possibilidade de concentrar enormemente os ganhos com sua prestação.

Há certos tipos de serviços que podem ser organizados e vendidos em grande escala e, por isso, são mais propensos à concentração. Não há grandes obstáculos reais, por exemplo, para que assistentes jurídicos em Angola realizem tarefas que hoje são feitas por advogados brasileiros, deixando apenas a parte final da litigância no Brasil. Basta um responsável local para que análises da economia, por exemplo, possam ser feitas em outros países, como na prática já acontece com fundos de investimento. Assim como ocorre com superatletas, a produção tende a se organizar na forma de uma competição concentradora, na qual o vencedor leva quase tudo, criando superarquitetos, superengenheiros, superadvogados etc.

A globalização, diz Milanovic, mudou e continuará mudando o sentido que várias coisas têm hoje. Moedas nacionais já não são independentes. Acordos e tribunais internacionais têm forte influência sobre os sistemas jurídicos locais. Não adianta deslocar indústrias poluentes: as mudanças ambientais e os custos de seu controle são um problema do mundo inteiro. Há em curso uma guerra tributária entre países. Migram empresas, ideias e, apesar de todas as barreiras, gente a uma velocidade sem precedentes. É simplesmente impossível a desigualdade mundial não ser afetada por tudo isso. No entanto, nossa forma fundamental de organização política ainda é nacional e, talvez com exceção das organizações de comércio e de defesa, nossas instituições internacionais têm um poder irrisório.

O mundo ficará mais ou menos desigual a depender de como tudo isso evolua. Sobre um dos efeitos de todo esse rebuliço, porém, Milanovic não hesita: os ganhos com a globalização não serão igualmente distribuídos.

 

Ao comentar recentemente Global Inequality: A New Approach for the Age of Globalization, o Prêmio Nobel de Economia Joseph Stiglitz fez a pergunta central, de certa forma a grande questão que a obra do seu colega sérvio levanta: Quem comandará os rumos do mundo, daqui por diante? O 1% mais rico ou a nova classe média global?

Conhecemos a resposta para a República Romana – uma resposta que, aliás, selou o seu destino. Com toda a sua riqueza, Marcus Crassus comprou favores no Senado de Roma, entre eles a aprovação de leis que o tornavam ainda mais rico. Ao influente Júlio Cesar, comandante do Exército na Gália, o magnata concedeu empréstimos – dessa vez em troca de uma aliança político-militar. Deu, com isso, o primeiro passo para a formação do pequeno grupo político que, mais adiante, derrubaria o Senado e inauguraria o Império Romano.

Na pergunta de Stigliz sobre quem comandará o mundo, a balança da resposta pende para a elite global. Se dessa elite sairão os Marcus Crassus de amanhã, ainda é cedo para dizer. Não restam dúvidas, contudo, de que a desigualdade elevada cria as condições para isso.

ASSINANTE PIAUÍ

Use o mesmo e-mail e senha cadastrados no site da Ed. Abril no ato da assinatura. Esqueceu a senha ou o e-mail ?