chegada

O patriota

Um advogado espalha bandeiras do Brasil pela cidade de São Paulo

Armando Antenore
ILUSTRAÇÃO:CAIO BORGES_2017

Quer reclamar do Brasil? Então suba num banquinho. Não ouse desancar o país com os pés cravados em solo pátrio. A advertência é de José Marcelo Braga Nascimento, um próspero advogado paulistano, que sempre se inflama quando toca no assunto, mas sem perder os modos cavalheirescos. “Você me desculpe… Quem fala mal de uma terra abençoada como a brasileira não merece pisá-la.” À semelhança dos “coxinhas” que reivindicavam o impeachment de Dilma Rousseff, Nascimento gosta de proclamar que “a nossa bandeira jamais será vermelha”. “Nada vai suplantar o verde-amarelo! Me perdoe… Deixe o vermelho para a China e a Coreia do Norte.”

Num sábado de setembro, o advogado – que costuma salpicar as frases com pedidos de desculpas, mesmo se dispensáveis – teve a alegria de ver as cores nacionais tremularem sobre o Largo da Batata, em Pinheiros, um dos bairros mais caros de São Paulo. Desde 2013, após passar por uma reforma demorada e radical, que lhe conferiu um jeitão de parque, a área abriga sucessivas manifestações políticas, principalmente de esquerda. Naquela manhã, hasteou-se ali uma gigantesca bandeira do Brasil. O pavilhão exibia as dimensões de um quarto e sala: 56 metros quadrados. Não bastasse, encarapitava-se no topo de um mastro tão alto quanto um prédio de dez andares. Foi o próprio Nascimento quem doou tudo à cidade. Bandeira, mastro e as fundações para sustentar o conjunto lhe custaram em torno de 100 mil reais. “Perdão, mas ficou espetacular.”

O prefeito João Doria, do PSDB, que inaugurava um playground, equipamentos de ginástica e outras melhorias no largo, participou do hasteamento. “Aqui não tem bandeira vermelha do PT, não. Aqui a bandeira é do povo”, discursou, enquanto adversários o vaiavam e gritavam “Fora, Temer!”. Em resposta, defensores do tucano agitavam várias das 1 500 flâmulas do Brasil que o advogado disseminara pouco antes da cerimônia.

Contrariando as evidências, Nascimento se diz apartidário. “Votei no Doria em 2016, mas também já dei meu voto para o Eduardo Suplicy, um petista extremamente honesto.” O advogado de cavanhaque farto e calva eloquente, que evita revelar a idade, nunca ocupou cargo no Legislativo ou Executivo e almeja continuar assim. “Não sou político nem pretendo ser”, repete à exaustão, como se propagasse um slogan… de candidato! “Advogo há 45 anos. Movi incontáveis processos, ganhei dinheiro, casei quatro vezes e gerei sete filhos, que me brindaram com nove netos. Preciso arranjar mais sarna para me coçar? Só desejo difundir o amor à pátria. A nação está acima das diferenças ideológicas, econômicas ou sociais. Se ensinássemos o patriotismo à população, você acha que haveria tantos corruptos, tantos vândalos entre nós? No fundo, o brasileiro tem boa índole. Carece apenas de mais consciência, mais educação.” Para provar que não falta gente respeitável no país, cita os próprios parentes: “Uma de minhas filhas é procuradora da República. Um filho é delegado federal. Um genro é juiz. E um sobrinho é comandante da Polícia Militar.”



Paladino do liberalismo, considera-se de centro-direita. “O Estado deve zelar pelo essencial, como a saúde, e não se meter com petróleo, energia, minério… Olhe a Petrobras. ‘Ah, não pode privatizá-la porque é dos brasileiros.’ Mentira! Hoje a Petrobras é dos piratas que a lotearam, não dos brasileiros.”

Embora se declare “católico apostólico romano” e devoto de são Judas Tadeu, padroeiro das causas impossíveis, ele nem sempre reza pela cartilha do Vaticano. Crê, por exemplo, que não existe nada de imoral nas uniões homossexuais e que cabe somente à mulher decidir se vai abortar.

 

O patriotismo do advogado vem do berço. “Meu pai, médico, já adorava o nosso país. Meu avô, idem.” Quando menino e adolescente, Nascimento estudou num tradicional colégio público de São Paulo, o Caetano de Campos. Lá, todos os dias, antes da primeira aula, os alunos entoavam o hino brasileiro. “Eu tocava trombone e, por isso, pertencia à fanfarra da escola. Nos feriados cívicos, desfilávamos pelas ruas sob aplausos. Era maravilhoso.”

Mais tarde, o advogado – um filantropo de carteirinha – presidiu uma creche, onde capitaneava ritual parecido com o do Caetano de Campos. “Às quintas-feiras, levávamos a bandeira nacional para o pátio e 350 crianças, perfiladas, cantavam as duas partes do hino. Tão bonito…” Em 2014, com o intuito de “aprimorar a sociedade”, resolveu criar a associação Eu Amo o Brasil. Sem fins lucrativos e patrocinada exclusivamente pelo fundador, a EAB reúne “mil e poucos” sócios. Entre os pleitos que defende, sobressaem a redução da maioridade penal e o resgate do civismo. Daí a bandeirona no Largo da Batata. Nascimento a doou por meio da instituição.

Distribuir bandeiras, aliás, é uma prática que o idealizador da EAB cultiva há três décadas. Ele faz questão de regalar clientes e amigos com um diminuto pedestal de madeira em que se equilibram flâmulas do país, do estado e do município de São Paulo. Não à toa, logo que João Doria assumiu a prefeitura, o advogado lhe ofereceu ajuda para embandeirar a metrópole. Os dois se conheceram num hotel, durante um almoço organizado pelo Grupo de Líderes Empresariais, o Lide. O escritório de Nascimento integra a entidade, que funciona como promotora de eventos e cujo controle acionário cabe à família do prefeito. Naquela altura, Doria já manifestara a intenção de “valorizar o sentimento pátrio” entre os paulistanos e implantara o programa Nossas Bandeiras. A iniciativa visa justamente espalhar pela cidade o “lindo pendão da esperança”, o “símbolo augusto da paz”, sempre em parceria com o setor privado.

Foi assim que a EAB conseguiu instalar não só o portentoso estandarte no Largo da Batata como outro idêntico às margens do Parque Ibirapuera. Também colocou 29 lábaros menores ao longo da avenida Brasil e mais um sobre o túnel Ayrton Senna. “Agora vamos botar 260 nas pontes que cortam as Marginais”, promete o advogado. O que ganhará em troca? “Rigorosamente nada! Quantas vezes preciso enfatizar que não tenho ambições políticas ou financeiras? Me desculpe… ‘Ah, você está puxando o saco do prefeito para levar alguma vantagem lá na frente.’ Errado! Por que ninguém acredita mais em patriotas?”

Armando Antenore

Editor da piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #113: Bolsonaro fura o teto

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Agonia da Cinemateca Brasileira

Desgoverno atual da República não nos anima a ter esperanças

Vacina, pressa e propaganda

No Brasil, governos prometem vacinação em massa contra Covid-19 para logo, mas laboratórios programam terminar fase de testes entre outubro de 2021 e novembro de 2022 

Compras que desmancham no ar

Durante a pandemia, denúncias de golpes em falsos leilões virtuais aumentam nove vezes em relação ao semestre anterior

Reciclando a estrada alheia

Redes bolsonaristas usam fotos antigas para atribuir ao governo Bolsonaro obras de outras gestões

A tropa de choque de Bolsonaro

Pesquisa inédita traça perfil de policiais que, em postagens públicas nas redes, defendem ideias como fechamento do Supremo e do Congresso

Uma floresta mais perto do fim

Audiência pública virtual para discutir o autódromo que destruirá Floresta do Camboatá volta a ser permitida pela Justiça na reta final

Foro de Teresina #112: A metamorfose de Bolsonaro

podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O Minotauro da fronteira 

Como um dos chefes do PCC deixou um rastro de mortes e corrupção no Paraguai

Mais textos
4

A dupla exclusão

Como a quarentena joga luz sobre as crises do clima e das cidades

5

O jogo dos dois erros

Por que Bolsonaro se equivoca ao minimizar a pandemia e ao tentar se eximir da crise econômica

6

De braços cruzados na Guanabara

Sem renda na pandemia, guias de turismo dependem de cestas básicas para sobreviver

7

O caseiro

De como todos os poderes da República - Executivo, Legislativo, Judiciário, polícia, imprensa, governo, oposição - moeram Francenildo dos Santos Costa

9

120 batimentos por minuto, o corpo individual e coletivo em ação

Filme sobre grupo de militância contra HIV causa poderosa impressão de autenticidade documental e ganha força ao individualizar personagens

10

A voz chegou à praça…

A erupção que abalou o mundo árabe e a história dando um de seus saltos mais singulares