portfólio imaginário

O progresso avança pelo asfalto

O modelo brasileiro de pavimentação fluvial é adotado nos quatro cantos do planeta

Roberto Andrés
A reforma do rio Sena beneficia toda a população motorizada de Paris
A reforma do rio Sena beneficia toda a população motorizada de Paris MONTAGENS DE ROBERTO ANDRÉS_2009_COLABORAÇÃO DE PAULO MARCELO OZ

Foi-se o tempo em que a imagem do Brasil no exterior era associada a futebol, favelas, lambança, tiroteios e turismo sexual. O país progrediu, distribuiu renda, deixou o estágio degradante de produtor de matéria-prima e hoje é uma referência no combate à dengue e aos desdentados, exportando design, tecnologia, sandálias e pré-sal sem perder a malemolência.

Na gestão das cidades, a proeminência brasileira salta aos olhos. Uma solução urbana bem-sucedida em São Paulo e Belo Horizonte, por exemplo, vem sendo replicada nos quatro cantos do planeta: a cobertura dos rios urbanos com pistas de tráfego, um ovo de Colombo asfáltico que só poderia ter sido achado por conterrâneos de Santos Dumont. Superando preconceitos, a proposta inova ao conciliar a melhoria do trânsito com a requalificação da paisagem urbana, ao mesmo tempo em que faz a alegria de empreiteiros.

Mesmo na Europa, onde o peso nefasto da tradição costuma atravancar o avanço civilizatório, perceberam-se as vantagens da pavimentação fluvial. Paris, Londres, Roma, Veneza e Amsterdã renderam-se ao modelo brasileiro e hoje estão mais limpas e fluidas. As metrópoles de referência evitaram dispendiosos tratamentos dos rios e ampliaram a infraestrutura viária para atender ao aumento constante da frota de veículos – cerca de 900 carros são emplacados por dia em Londres e 600 em Paris. Vale lembrar que políticas de redução de impostos sobre automóveis, em boa hora implantadas com consultoria da equipe econômica do governo Lula, salvaram a grande indústria e garantiram a normalidade das vendas em diversos países europeus.

Adaptar as cidades à realidade hodierna não custa barato. Em Paris, a revitalização de pouco mais de 3 quilômetros do rio Sena custou 350 milhões de euros e levou dois anos para ser executada. Mas abriu dezoito novas pistas de tráfego, o que trará uma melhoria de 35% na velocidade do trânsito. O prefeito Dertrand Belanoe comemorou o sucesso do projeto já pensando no futuro: “A obra trouxe melhorias evidentes, mas não podemos nos acomodar. Temos uma perspectiva continuada de adaptação da infraestrutura urbana para as demandas contemporâneas.” O prefeito estuda agora transformar as Tulherias num camelódromo.



Os eternos insatisfeitos de Paris, cidade de protestos e revoluções sanguinolentas, não aceitaram passivamente o avanço. Brandindo o surrado argumento passadista da “importância natural, simbólica e de lazer” do Sena, um grupo de manifestantes desenhou peixes sobre as novas pistas. Em texto divulgado na internet, os neoluditas atacaram: “Falta imaginação aos governantes, que poderiam investir em transporte público, sistemas de bicicletas e veículos compartilhados. O rio limpo se tornaria um atrativo turístico, com barcos, locais para caminhadas e piqueniques.”

Para além dos idealismos bucólicos, vê-se que os grandes centros urbanos possuem dinâmicas complexas que demandam soluções arrojadas como as que aqui se apresentam. As novas cidades oferecem ao cidadão conforto, higiene, segurança e privacidade – tudo dentro de seu carro novo. O leitor verá em cada imagem das próximas páginas resíduos da modernidade contemporânea brasileira, e, sentindo o cheiro de asfalto, desenvolvimento, ordem, progresso e gás carbônico, dificilmente conterá o orgulho e a vibração cívica.


Jovens parisienses desfrutam da obra recém-inaugurada, curtindo o inebriante cheiro de asfalto novo e gás carbônico


Em Veneza, a cobertura dos canais ampliou as atividades turísticas eacabou de vez com o problema das enchentes


A cobertura dos canais em Amsterdã valoriza o transporte verde


Em tempos de globalização, mesmo a Índia adotou a solução sem prejuízo dos rituais tradicionais. Aos domingos, a nova avenida sobre o rio Ganges é fechada para o trânsito de vacas sagradas


Um novo atrativo turístico, a obra de revitalização asfáltica do Tâmisa dialoga de igual para igual com o London Eye


Ao se modernizar, o Rio consolidou a vocação de polo de grandes eventos internacionais, como as Olimpíadas, a Copa do Mundo e o torneio internacional de cuspe a distância de 2022

Roberto Andrés

É urbanista, professor da UFMG e editor da revista Piseagrama. Coorganizou o livro Guia Morador Belo Horizonte, pela editora Piseagrama

Leia também

Últimas Mais Lidas

Cercados pelas chamas

Uma família encurralada em casa por um incêndio no Cerrado

Roupa suja lavada a jato

Como lavajatistas e bolsonaristas se aproximaram, se afastaram, romperam ao longo do governo - e publicaram tudo nas redes

Foro de Teresina #118: O presidente no meio do fogo

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

A mão que acende o fogo

Aquecimento global e desmatamento aumentam o material combustível para os incêndios, mas, sem ação de pessoas, o Pantanal e a Amazônia não queimariam assim

“O fogo acabou com tudo”

Líder indígena em Mato Grosso relata como as queimadas avançam sobre sua aldeia, destruindo casas, árvores, animais e memórias

Mais textos
2

R$ 0,46 no tanque dos outros

Agora, caminhoneiros grevistas usam WhatsApp para defender queda da gasolina, de Temer e da democracia

3

A vida e a morte de uma voz inconformada

Os últimos momentos de Marielle Franco, a vereadora do PSOL executada no meio da rua no Rio de Janeiro sob intervenção

6

Qu4tro figuras (e mais 2)

Agora só tem o Homem de Ferro em Blu-ray, a privada virou "poltrono", a moça penteia o bigode e Stálin está no armário