anais da medicina

O que significa morrer?

Os esforços de uma mãe para provar que sua filha ainda está viva – e como isso colocou em questão a definição de morte cerebral

Rachel Aviv
Um dos médicos que examinou Jahi concluiu que de fato seu caso justificara o diagnóstico de morte cerebral, mas que com o tempo ela havia recuperado a capacidade de “responder a comandos”
Um dos médicos que examinou Jahi concluiu que de fato seu caso justificara o diagnóstico de morte cerebral, mas que com o tempo ela havia recuperado a capacidade de “responder a comandos” ILUSTRAÇÃO: CAIO BORGES_2018

Antes de se submeter a uma cirurgia de amígdalas, Jahi McMath, uma garota negra de 13 anos, moradora de Oakland, na Califórnia, perguntou ao dr. Frederick Rosen quais eram suas qualificações. “Quantas vezes o senhor já fez essa cirurgia?” Centenas de vezes, o médico respondeu. “E dormiu bem essa noite?” Sim, tinha dormido bem. Nailah Winkfield, a mãe de Jahi, deu corda para ela continuar sua pesquisa. “É seu corpo”, disse. “Fique à vontade para perguntar o que quiser.”

Jahi não queria ser operada de jeito nenhum, mas a mãe jurou que a cirurgia melhoraria sua qualidade de vida. A adolescente, que sofria de apneia do sono, ficava cada vez mais exausta e dispersiva na escola. Roncava tão alto que sentia vergonha de dormir na casa de alguma amiga. Nailah havia criado quatro filhos sozinha, e Jahi, a segunda, era a mais atormentada. Quando via alguma notícia na televisão sobre guerras em outros países, perguntava baixinho: “Vai chegar aqui?” As colegas caçoavam por ela ser “troncudinha”. Jahi não protestava. Uma ou outra vez, Nailah foi até a escola pedir aos professores que controlassem os demais alunos.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES
Para acessar, assine a piauí

Rachel Aviv

Rachel Aviv é repórter da revista The New Yorker

Leia também

Últimas Mais Lidas

Plata o plomo

Bolsonaro depende de fisiologismo ou de autogolpe para governar

Maria vai com as outras #9: Sexo como ganha-pão

A prostituta de luxo Livia Rodrigues, a dona de uma sex shop Marcia Soares e a atriz pornô Monique Lopes falam sobre os prazeres e agruras que envolvem suas profissões

E se Bolsonaro ganhar?

A violência como plataforma de governo

Os mascates do Rio

A periferia sem crédito mantém a tradição do vendedor de porta em porta

EUA devolvem fortuna à família Hawilla

Com a morte do delator do escândalo Fifa, Justiça restitui à viúva e aos filhos patrimônio de R$ 59 milhões em dinheiro e apartamento em condomínio em ilha de Miami

Merval e a democracinha*

A polarização política, os cidadãos de bem e os inimigos da vida civilizada no país

O Paciente e O Banquete – frutos da tragédia

Vistos em conjunto, os dois filmes tornam-se reflexo do cenário político atual

Ciro, a vela e o dane-se

Só ele impede segundo turno antecipado entre Bolsonaro e Haddad

Marcos Lisboa: “Me comparar a Paulo Guedes é demais”

Cotado como ministro da Fazenda em um governo do PT, economista responde a Ciro Gomes, que o chamou de “ultrarreacionário”

A janela de Haddad

A vulnerabilidade de Bolsonaro e a chance do candidato do PT

Mais textos
1

Paulo Guedes contra o liberalismo

A história mostra que uma onda de ódio só chega ao poder quando normalizada

2

Bolsonaro não queria sair da Santa Casa

A história de como a família do presidenciável dispensou o Sírio-Libanês, contrariou a vontade do candidato de ficar em Juiz de Fora e aceitou a proposta do tesoureiro do PSL de levá-lo para o Einstein

3

A janela de Haddad

A vulnerabilidade de Bolsonaro e a chance do candidato do PT

4

Não foi você

Uma interpretação do bolsonarismo

5

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

6

Merval e a democracinha*

A polarização política, os cidadãos de bem e os inimigos da vida civilizada no país

7

Antipetismo e democracia

O candidato do PT e o candidato do PSL não são dois lados da mesma moeda

8

Marcos Lisboa: “Me comparar a Paulo Guedes é demais”

Cotado como ministro da Fazenda em um governo do PT, economista responde a Ciro Gomes, que o chamou de “ultrarreacionário”

9

Sem a elite, sem (quase) nada

Em doze anos, Alckmin sai de 45% para 6% das intenções de voto no eleitorado que cursou universidade; eleitores migram principalmente para Bolsonaro

10

Por que mulheres trocaram Marina por Haddad, Ciro e Bolsonaro

De líder no voto feminino, candidata despencou para o quarto lugar; seu discurso é “sincero”, mas falta clareza, dizem ex-eleitoras