despedida

O quilo não é mais aquele

A definição da unidade de massa vai mudar

Bernardo Esteves
Em novembro, o quilo passa a ser definido em função de uma constante física, tornando obsoleto o cilindro metálico que lhe serve como padrão desde 1889 e está num cofre em Paris
Em novembro, o quilo passa a ser definido em função de uma constante física, tornando obsoleto o cilindro metálico que lhe serve como padrão desde 1889 e está num cofre em Paris FOTO: NATIONAL INSTITUTE OF STANDARDS

Oprato de 400 gramas do self-service, os 2 quilos que você quer perder, a meia tonelada de cocaína no helicóptero do filho do senador: todas as medidas de massa, reais ou imaginárias, remetem a um pequeno cilindro de metal escondido nos arredores de Paris. Guardado num cofre localizado dentro de uma cripta no subterrâneo de um palácio do século XVII, esse objeto é a referência que determina o peso de cada átomo do universo. Esses valores são o que são porque, em 1889, representantes de dezenas de países convencionaram que 1 quilo seria definido como a massa daquele cilindro.

Chamado de Protótipo Internacional do Quilograma, ele é conhecido também como “Le Grand K” e fica armazenado no BIPM – o Escritório Internacional de Pesos e Medidas –, sediado no alto de uma colina no município de Sèvres. Com 3,9 centímetros de altura e outros 3,9 de diâmetro, tem o tamanho aproximado de uma xícara de café. É composto de uma liga metálica com 90% de platina e 10% de irídio. “São metais muito tenazes”, disse Richard Davis, um físico americano radicado em Paris. “Era a melhor tecnologia da época.”

Davis – um homem de 72 anos com cabelos grisalhos e bigode escuro – chefiou por quinze anos o departamento de massa do BIPM e hoje trabalha como consultor do escritório. Ele já transportou o Grand K, mas não encostou nele – carregou a bandeja com os dois grandes sinos de vidro que protegem o protótipo, como se fossem queijeiras montadas uma sobre a outra. “Você não vai querer ser a pessoa que deixou ele cair”, brincou o físico quando recebeu a piauí no ano passado no BIPM.

São necessárias três chaves para abrir o cofre. “Uma fica com o presidente do Comitê Internacional de Pesos e Medidas, outra com o diretor do BIPM e a terceira com o diretor dos Arquivos Nacionais da França”, explicou Davis. O americano mudou de assunto quando perguntei sobre a localização da passagem subterrânea que leva ao objeto. “Não estamos longe.”

O protótipo internacional foi retirado do cofre pela última vez em 2014, para um ritual de lavagem e pesagem que só tinha acontecido três vezes até então. “Usamos uma mistura de álcool e éter, e depois vapor d’água”, explicou Davis. Ele e seus colegas pesaram o Grand K e as seis cópias idênticas conservadas junto com o protótipo. A massa se mantinha estável desde a última medição, em 1991 – na estimativa anterior, porém, as cópias haviam ganhado 50 microgramas em média em relação ao original, para surpresa dos cientistas. “Não sabemos o que explicava a divergência e não sabemos por que ela foi interrompida”, afirmou.

 

Aorigem desse objeto remonta à Revolução Francesa, quando a República recém-instituída decidiu reformar o sistema de pesos e medidas com a ajuda de cientistas. O grama foi então definido como a massa de 1 centímetro cúbico de água pura a 4ºC – por extensão, o quilo seria a massa de um cubo de água com 10 centímetros de lado. Um objeto de referência foi forjado em 1799 e substituído pelo Grand K quase um século depois.

O quilograma é a última unidade a depender de um objeto concreto, que pode sumir, ser roubado ou destruído. As demais vêm sendo redefinidas desde os anos 60 em função de constantes físicas. “Era o ponto fraco do sistema internacional de unidades”, disse Davis. A primeira a se modernizar foi o segundo: antes definido como uma fração do dia solar e dependente da rotação da Terra, em 1967 ele passou a ser descrito em função da frequência de transição de um átomo de césio-133. O metro também mudou. Outrora correspondente a uma fração da circunferência terrestre, que acabou cristalizado em outro protótipo de platina e irídio, igualmente guardado no BIPM, ele equivale desde 1983 à distância que a luz percorre no vácuo num determinado intervalo de tempo.

Os especialistas discutiam a mudança do quilo desde 2005. Em 2011, decidiram que a massa passaria a ser definida em função da constante de Planck, que relaciona a frequência de radiação de uma determinada partícula com a sua energia. Um quilo será definido a partir de uma equação que envolve essa constante. Outras unidades que derivam da massa também estarão automaticamente vinculadas à constante de Planck, como o volt, o watt, o newton, o pascal ou o tesla, entre outras.

Faltava, porém, determinar com precisão o valor exato da constante. “É preciso que três equipes independentes cheguem a um mesmo valor usando ao menos dois métodos experimentais diferentes”, explicou Davis. Isso não havia sido possível até a última Conferência Geral de Pesos e Medidas, em 2014. Mas avanços foram feitos desde então, e a expectativa é que a nova definição seja aprovada na conferência que acontece em novembro deste ano. Na ocasião, também serão votadas novas definições para o ampère (unidade de corrente elétrica), o kelvin (temperatura) e o mol (quantidade de matéria).

 

Para o cidadão comum, o dia seguinte à entrada em vigor da nova definição será como outro qualquer. As balanças não serão recalibradas e nada vai mudar de peso. A alteração terá implicações práticas para cientistas e técnicos que trabalham nos institutos de metrologia espalhados pelo mundo. Do dia para a noite, as pouco mais de 100 cópias autenticadas do protótipo internacional produzidas no BIPM e distribuídas para esses institutos ficarão obsoletas, junto com o Grand K.

O Brasil detém uma dessas cópias: ela fica armazenada no campus do Inmetro, o Instituto Nacional de Metrologia, em Xerém, na Baixada Fluminense, sob cuidados semelhantes aos dedicados ao protótipo internacional. “O que muda é que agora você pode reproduzir o quilograma-padrão a qualquer momento e em qualquer lugar”, resumiu numa entrevista recente o físico carioca Carlos Augusto de Azevedo, presidente do instituto. Se por um lado a nova definição dá autonomia ao país, por outro exige equipamentos caros e sofisticados. “Se o Brasil não tiver um laboratório capaz de produzir um protótipo, para o comércio exterior teremos que validar nossas medidas em outro país”, continuou o físico. “É um problema de soberania nacional.” Azevedo disse que o Inmetro tem planos de construir uma balança de Watt, que permitirá obter um quilo-padrão com base na constante de Planck.

Se a nova definição do quilograma for adotada em novembro, a medida passará a tomar efeito em 20 de maio do ano que vem.

Bernardo Esteves

Repórter da piauí desde 2010, é autor do livro Domingo é dia de ciência, da Azougue Editorial

Leia também

Últimas Mais Lidas

Marielle inspira ativismo cotidiano de mulheres anônimas

“Tem um legado que explodiu depois da morte. Ela já tinha história, mas virou um símbolo”

Brutalidade que os laudos não contam

Na reconstituição da ação policial mais letal da década no Rio de Janeiro, vísceras à mostra e suspeitas de tortura

Um ano, dois atos e a mesma dúvida

Manifestação em memória de Marielle Franco no aniversário de sua morte tem mais música e dança que há um ano, mas a mesma pergunta sem resposta: quem mandou matá-la?

Foro de Teresina #42: O caso Marielle avança, Bolsonaro tuíta e olavetes brigam por espaço

O podcast da piauí comenta os fatos da semana na política nacional

Green Book: O Guia – conto de fadas infantil para adultos

Filme vencedor do Oscar é engodo baseado em estereótipos

Uma investigação, duas narrativas

Fato incomum, delegado e promotoras dão entrevistas separadas sobre prisão de acusados de matar Marielle; governador pega carona

Maria vai com as outras #4: Às vezes não gosto da minha cara

Uma modelo, uma estudante de medicina e uma tradutora falam sobre padrões de beleza, beleza como capital de trabalho e a obrigação social de ser bonita

Uma bolsonarista contra Trump

Uma visita à brasileira que os Estados Unidos tentam deportar após ela ter arrancado boné de um trumpista

Mais textos
1

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

2

Uma investigação, duas narrativas

Fato incomum, delegado e promotoras dão entrevistas separadas sobre prisão de acusados de matar Marielle; governador pega carona

3

Brutalidade que os laudos não contam

Na reconstituição da ação policial mais letal da década no Rio de Janeiro, vísceras à mostra e suspeitas de tortura

4

O cabeleireiro do Cascão

Um trabalho digital de ponta

5

Green Book: O Guia – conto de fadas infantil para adultos

Filme vencedor do Oscar é engodo baseado em estereótipos

6

Foro de Teresina #42: O caso Marielle avança, Bolsonaro tuíta e olavetes brigam por espaço

O podcast da piauí comenta os fatos da semana na política nacional

7

Minha dor não sai no jornal

Eu era fotógrafo de O Dia, em 2008, quando fui morar numa favela para fazer uma reportagem sobre as milícias. Fui descoberto, torturado e humilhado. Perdi minha mulher, meus filhos, os amigos, a casa, o Rio, o sol, a praia, o futebol, tudo

8

O silêncio do vereador

Uma semana com Carlos Bolsonaro na Câmara do Rio

9

Uma bolsonarista contra Trump

Uma visita à brasileira que os Estados Unidos tentam deportar após ela ter arrancado boné de um trumpista