anais do esporte

Ouro de tolo

As promessas e a realidade do projeto para o Brasil alcançar o topo do quadro de medalhas na Rio 2016

Cristina Tardáguila, Juliana Dal Piva e Raphael Kapa
O Complexo de Formação Olímpica do Nordeste, em Fortaleza, é um dos 22 centros de preparação para a Rio 2016 que o governo Dilma tinha prometido entregar até dezembro de 2015. Só cinco ficaram prontos a tempo. Praticamente concluído há mais de um ano, o complexo do Ceará segue sem uso
O Complexo de Formação Olímpica do Nordeste, em Fortaleza, é um dos 22 centros de preparação para a Rio 2016 que o governo Dilma tinha prometido entregar até dezembro de 2015. Só cinco ficaram prontos a tempo. Praticamente concluído há mais de um ano, o complexo do Ceará segue sem uso FOTO: CLAUDIO PEDROSO_2016

No dia 13 de setembro de 2012, uma quinta-feira, o Palácio do Planalto abriu as portas de seu salão mais nobre para receber os atletas vindos dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos de Londres. Além de aproveitar a oportunidade de posar ao lado da elite do esporte nacional, a presidente Dilma Rousseff e o então ministro dos Esportes, Aldo Rebelo, pretendiam fazer naquela cerimônia o anúncio de um plano arrojado: algo capaz de dar ao Brasil as condições para figurar entre os dez primeiros lugares nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016. Um feito inédito na história do esporte nacional, e ainda mais significativo porque, semanas antes, os brasileiros haviam partido de Londres em 22º lugar. Na história das Olimpíadas, nossas melhores colocações tinham sido a 15ª posição, em Antuérpia, em 1920, e o 16º lugar em Atenas, em 2004.

No palco montado no palácio, o cerimonial enfileirou seis cadeiras bem abaixo de um gigantesco telão. Dilma sentou-se na terceira delas, tendo a sua direita o presidente do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Carlos Arthur Nuzman, e Aldo Rebelo. A então ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, o então presidente da Autoridade Pública Olímpica, Márcio Fortes, e o presidente do Comitê Paralímpico Brasileiro, Andrew Parsons, ficaram a sua esquerda.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES
Para acessar, assine a piauí

Cristina Tardáguila

Cristina Tardáguila é diretora da Agência Lupa e autora do livro A arte do descaso (Intrínseca)

Juliana Dal Piva

Juliana Dal Piva foi subeditora da Agência Lupa e autora do livro Em luta pela terra sem mal (Multifoco)

Raphael Kapa

Raphael Kapa é jornalista e professor. Foi repórter da Lupa entre 2015 e 2016. Hoje, ministra as oficinas de checagem do projeto LupaEducação.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Utoya – 22 de Julho – enigma persistente

Filme ousa ao retratar atentado na Noruega sem pretender explicar suas razões

Nos tribunais, o lobby das bombas de insulina

Em cinco anos, a Justiça paulista favoreceu a fabricante Medtronic em 76% das decisões que deram o aparelho a diabéticos; conselho condena "relação antiética" entre médicos e empresa

Médicos de menos, as doenças de sempre

A história de quatro pacientes crônicos do sertão do Ceará que estão há um mês sem os tratamentos que precisam, após a saída dos profissionais cubanos do país

Foro de Teresina #31: O escândalo do motorista, o antiministro do Meio Ambiente e o barraco do PSL

O podcast da piauí analisa os fatos mais recentes da política nacional

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

Mulheres de “facção”

Sem emprego formal, costureiras trabalham até 14 horas por dia para intermediários da indústria da moda, as chamadas “facções”

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

Mais textos
2

Rakudianai

A política, a prisão, o encontro com o crocodilo, o julgamento e meu pai: lembranças de quarenta anos atrás

3

A revolta conservadora

Bolsonaro será o líder de um governo antiestablishment

4

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

6

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

7

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

8

Foro de Teresina #31: O escândalo do motorista, o antiministro do Meio Ambiente e o barraco do PSL

O podcast da piauí analisa os fatos mais recentes da política nacional

9

Nos tribunais, o lobby das bombas de insulina

Em cinco anos, a Justiça paulista favoreceu a fabricante Medtronic em 76% das decisões que deram o aparelho a diabéticos; conselho condena "relação antiética" entre médicos e empresa

10

Médicos de menos, as doenças de sempre

A história de quatro pacientes crônicos do sertão do Ceará que estão há um mês sem os tratamentos que precisam, após a saída dos profissionais cubanos do país