anais da educação

Pátria iletrada

As razões políticas para o atraso educacional do Brasil

Rafael Cariello e Tiago Coelho
Não é tão fácil explicar o fracasso educacional do Brasil. Por que um país que foi capaz, ainda no século XIX, de criar faculdades e organizar um Exército não conseguiu abrir escolas?
Não é tão fácil explicar o fracasso educacional do Brasil. Por que um país que foi capaz, ainda no século XIX, de criar faculdades e organizar um Exército não conseguiu abrir escolas? FOTO: KIM-IR-SEN PIRES LEAL_WWW.KIMAGE.COM.BR

Lá pelo início de 2014, alguns dos amigos e colegas mais próximos do pesquisador Renato Perim Colistete começaram a ficar preocupados. Já fazia então mais de três anos que o professor da FEA – a Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade da Universidade de São Paulo – se dedicava à preparação de sua tese de livre-docência, etapa importante da vida acadêmica na USP, onde, desde 2007, Colistete dá aulas de história econômica.

O projeto, uma espécie de segundo doutorado, era ambicioso. Pretendia explicar as razões históricas para o fracasso educacional brasileiro – a patente incapacidade do país, ao longo da maior parte de sua história, de colocar crianças na escola e ensiná-las a ler, escrever e fazer conta. Mas o trabalho, que acumulava centenas de horas de pesquisa e dezenas de páginas escritas, tardava a ser apresentado ao departamento.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES
Para acessar, assine a piauí

Rafael Cariello

Repórter da piauí. Foi editorialista da Folha de S.Paulo e correspondente do jornal em Nova York

Tiago Coelho

Tiago Coelho é repórter da piauí e roteirista

Leia também

Últimas Mais Lidas

O amigo oculto de Temer

Dono de empreiteira é apontado nas investigações como operador do ex-presidente

Um infográfico interativo sobre a avaliação do governo Bolsonaro

Clique nas setas para selecionar um grupo específico e conhecer os números

A vingança da Lava Jato

Após contra-ataque do Supremo, operação responde com prisão de Temer e recado a tribunal

Foro de Teresina extra: A prisão de Michel Temer

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Foro de Teresina #43: Viagem à Trumplândia e o troca-troca pela Previdência

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Aposta de alto risco

Bolsonaro deposita todas as fichas em “relação monogâmica” com Trump, com implicações para a autonomia do Brasil; cabe às alas mais moderadas do governo tentar reduzir danos dessa decisão

Bolsonaro desce a ladeira

Presidente perdeu 15 pontos de popularidade desde janeiro; segundo o Ibope, novo governo só tem 34% de ótimo e bom

Trilogia do Luto – filme como instrumento de vingança

Cristiano Burlan expõe memórias, culpa e busca por justiça no terceiro documentário sobre mortes na família

Marielle inspira ativismo cotidiano de mulheres anônimas

“Tem um legado que explodiu depois da morte. Ela já tinha história, mas virou um símbolo”

Mais textos
1

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

2

Bolsonaro desce a ladeira

Presidente perdeu 15 pontos de popularidade desde janeiro; segundo o Ibope, novo governo só tem 34% de ótimo e bom

3

Brutalidade que os laudos não contam

Na reconstituição da ação policial mais letal da década no Rio de Janeiro, vísceras à mostra e suspeitas de tortura

4

Foro de Teresina extra: A prisão de Michel Temer

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

5

Foro de Teresina #42: O caso Marielle avança, Bolsonaro tuíta e olavetes brigam por espaço

O podcast da piauí comenta os fatos da semana na política nacional

6

Uma investigação, duas narrativas

Fato incomum, delegado e promotoras dão entrevistas separadas sobre prisão de acusados de matar Marielle; governador pega carona

8

Minhas casas, minha vida

Patrimônio imobiliário da família Temer cresce quase cinco vezes em vinte anos e chega a 33 milhões de reais

9

Bolsonaro fala outra língua

O ex-capitão é o único presidenciável da era da conectividade

10

Aposta de alto risco

Bolsonaro deposita todas as fichas em “relação monogâmica” com Trump, com implicações para a autonomia do Brasil; cabe às alas mais moderadas do governo tentar reduzir danos dessa decisão