cena brasileira

Quase todos presos

Uma ópera político-policial ambientada em Foz do Iguaçu, em três atos

Roberto Kaz
No dia 18 de janeiro, cinco vereadores deixaram a cadeia ─ algemados, sob escolta, e com uniforme de presidiário ─ para serem empossados. Vestiram terno, fizeram o juramento, assinaram o livro de posse e em seguida fizeram o caminho de volta da Câmara ao cárcere
No dia 18 de janeiro, cinco vereadores deixaram a cadeia ─ algemados, sob escolta, e com uniforme de presidiário ─ para serem empossados. Vestiram terno, fizeram o juramento, assinaram o livro de posse e em seguida fizeram o caminho de volta da Câmara ao cárcere FOTO: PAULO LISBOA_BRAZIL PHOTO PRESS

Essa é uma história brasileira. E, por ser uma história brasileira, é uma história que mistura dinheiro público e privado. Essa é a história de uma cidade – Foz do Iguaçu – em que um prefeito, acusado de corrupção, acaba afastado do cargo. Mas é também a história de outro prefeito, ficha suja, que concorre ao terceiro mandato, é eleito e tem a candidatura indeferida antes de ser empossado. Essa é uma história brasileira e, por ser uma história brasileira, é uma história que mistura Polícia Federal, produtos Mary Kay e o cartunista Ziraldo.

Essa história poderia começar em dezembro do ano passado, quando doze vereadores – dos quinze que compõem a Câmara Municipal – são presos de uma só tacada. Ou em janeiro deste ano, quando cinco vereadores – dos doze levados ao xilindró – voltam à Câmara, conduzidos em viaturas policiais, para assumir um novo mandato. Essa história poderia começar com um grampo telefônico, com uma licitação fraudada ou com a prisão de um empreiteiro em caráter provisório. Mas, por brasileira que é, essa história começa de forma prosaica, três anos atrás, com o suborno de um servidor da Justiça Federal.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES
Roberto Kaz

Roberto Kaz

Repórter da piauí, é autor do Livro dos Bichos, pela Companhia das Letras

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #113: Bolsonaro fura o teto

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Agonia da Cinemateca Brasileira

Desgoverno atual da República não nos anima a ter esperanças

Vacina, pressa e propaganda

No Brasil, governos prometem vacinação em massa contra Covid-19 para logo, mas laboratórios programam terminar fase de testes entre outubro de 2021 e novembro de 2022 

Compras que desmancham no ar

Durante a pandemia, denúncias de golpes em falsos leilões virtuais aumentam nove vezes em relação ao semestre anterior

Reciclando a estrada alheia

Redes bolsonaristas usam fotos antigas para atribuir ao governo Bolsonaro obras de outras gestões

A tropa de choque de Bolsonaro

Pesquisa inédita traça perfil de policiais que, em postagens públicas nas redes, defendem ideias como fechamento do Supremo e do Congresso

Uma floresta mais perto do fim

Audiência pública virtual para discutir o autódromo que destruirá Floresta do Camboatá volta a ser permitida pela Justiça na reta final

Foro de Teresina #112: A metamorfose de Bolsonaro

podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O Minotauro da fronteira 

Como um dos chefes do PCC deixou um rastro de mortes e corrupção no Paraguai

Mais textos
4

Deus e o Diabo estão nos detalhes

Notas sobre a importância do desimportante

6

A Terra é redonda: O mundo dá voltas

Os terraplanistas estão se aproximando do poder: chegou a hora de falar deles

7

Depois do atentado

Como a morte de Marielle Franco mudou nossas vidas

9

O bigode da modernidade ataca novamente

As peripécias manhosas do brônzeo estadista que veio do Maranhão e não largou a rapadura

10

Uma biografia improvável

O que são vírus – esses parasitas que nos deram nada menos que 8% do nosso DNA