esquina

Quem canta os males reclama

Do que se queixam os moradores da capital brasileira do canto coral

Marcela Donini 
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL

Passava pouco das duas da tarde quando os 33 cantores se puseram em meia-lua ao redor de um piano elétrico. Sopranos à direita, contraltos no meio e tenores à esquerda do regente. Estavam diante de uma imagem de Jesus crucificado, no auditório de uma igreja luterana. Cordas vocais aquecidas, músculos intercostais relaxados, começaram a cantoria: “Chucrute dá gases./ Não gosto de cercas/ E o arroio Boa Vista está tão poluíííído.”

Os versos não eram um primor de métrica e rima, mas tinham o mérito de sintetizar o descontentamento dos cidadãos da pequenina Teutônia. A cidade gaúcha se orgulha de ser a Capital Nacional do Canto Coral – abriga quarenta grupos, número espantoso para uma população que não chega a 30 mil habitantes. Por isso foi escolhida para ser a primeira cidade da América Latina a ter seu coro de queixas, com direito à récita filmada na Bienal do Mercosul, que começa este mês em Porto Alegre.

O ensaio dos cantores resmungões de Teutônia era dirigido pelo artista e músico alemão Oliver Kochta-Kalleinen, que já organizou chororôs orfeônicos em 24 cidades da Europa, Ásia, América do Norte e Oceania. Muito oportunamente, o idealizador do projeto começou o ensaio reclamando. Seu relógio marcava 14h05 quando chamou num canto o maestro do grupo e fez pressão: “Vamos começar? É horário germânico!” O músico Lucas Brolese, a quem caberia conduzir as vozes do coral, contemporizou, alegando desfalque nas vozes femininas. “Faltam alguns contraltos”, ponderou. Kochta-Kalleinen varreu com os olhos o ambiente. Por pouco não sobrou para a repórter.

O ensaio transcorreu quase sem interrupções. A carpidura correu bela, solta: “Eu não sei falar alemão, por isso sempre sou excluído./ Quero estar cheirosa, mas tá frio pra tomar banho./ Eu odeio desenho japonês./ Não tenho a barba grande aiiiinda.”

Naquela tarde, Kochta-Kalleinen vestia um jeans de corte modernoso, dois casacos e boné azul. Estava satisfeito por encenar o coral naquele ambiente litúrgico. “Gosto da ironia. Estamos numa igreja fazendo algo aparentemente sério, mas com essa letra absurda”, comentou.
Pedir a indivíduos de todas as cores e crenças que cantem suas lamúrias é o que move Oliver Kochta-Kalleinen, um homem alto de 39 anos. O projeto é tocado em parceria com sua mulher, a também artista Tellervo Kalleinen, nascida na Finlândia (ela não veio ao Brasil). Nas cidades para as quais levam o projeto, o casal escolhe músicos locais para dar forma sonora às queixas registradas por escrito pelos moradores. O coral é montado com gente comum, que não precisa sequer cultivar o hábito de cantar no chuveiro. Basta o desejo de dar ritmo e harmonia a um dos instintos mais universais da humanidade: reclamar da vida. “Todo mundo se queixa, mas ninguém faz nada para mudar”, explicou o alemão. Ele ao menos transforma este vale de lágrimas numa adorável bobajada.

A ideia nasceu há alguns anos, num dia de frio atroz do longo inverno de Helsinque. Em vez de maldizer o termômetro, Kochta-Kalleinen e a esposa se perguntaram se não haveria um jeito de canalizar toda a energia que as pessoas despendem falando mal da vida e dos outros. A língua finlandesa tem um substantivo – Valituskuoro – que significa literalmente “coro de queixas”. Deve ser empregado quando há reclamação coletiva. Pareceu natural ao casal de artistas dar sentido literal à expressão e criar, de fato, um coro de descontentes. A première mundial aconteceu em 2005, em Birmingham. A partir daí, o casal começou a ser convidado para armar sua tenda de reclamações pelos quatro cantos do mundo.

Após ouvir mais de 30 mil queixas ao redor do planeta, Kochta-Kalleinen acredita que é muito mais fácil e divertido conhecer uma cidade pelas suas queixas do que por suas atrações turísticas. Se para os ingleses de Birmingham o preço da cerveja está muito alto, é a qualidade da bebida que caiu na avaliação dos gaúchos. Enquanto os japoneses reclamam de quem fuma nos parques, a queixa em Teutônia é sobre quem gosta do bate-estaca da música eletrônica – “os chatos que ouvem tuntz lá na lagoa da Harmonia”. De fato, há coisas que nem o Tinhoso faz com seus desafetos.
As lamúrias gaúchas vão do local ao universal. Na longa sequência de chorumelas compiladas por Oliver Kochta-Kalleinen, há cachorros bravos, chefes insensíveis e vizinhos desafinados. Agruras da sociedade brasileira, tais como hospitais lotados e o preço dos estádios da Copa também foram lembrados. E houve quem mencionasse questões morais que afligem a humanidade, como a ditadura da magreza ou os maus-tratos aos animais.

Inevitavelmente, as queixas dos teutonienses repetiram insatisfações registradas em outras urbes – não há fronteiras para amores não correspondidos ou pais que pegam no pé dos filhos. Mas a gente local também manifestou a sua singularidade, registrando dissabores ímpares e intransferíveis. Em nenhum outro lugar do planeta, por exemplo, o artista alemão apontou o desejo de que um narrador de futebol engolisse a própria língua. Outro dado que intrigou Kochta-Kalleinen foi a ausência de queixas sobre spam, lentidão nas conexões de internet e agruras tecnológicas assemelhadas. Sinal de exclusão digital? Ou andará larga a banda dos gaúchos?

É certo que em Teutônia o povo tem muito com o que se preocupar. Como iriam se incomodar com o acesso à rede se as nuvens no céu mudam a todo instante e provocam tanta discussão entre os que veem um camelo e os que insistem numa bicicleta? Também há quem se queixe dos alcoviteiros de plantão, do barulho das motos e dos atendentes de telemarketing que ligam bem na hora da novela.

Diante do cardápio quase incontável de lamúrias, a palavra final sobre o libreto é de Kochta-Kalleinen, que não esconde sua predileção por peculiaridades locais, como o caminhão de bombeiros de Teutônia, “Presente da Alemanha, mas, que pena!, anda só a 40 quilômetros por hora”. Definida a letra, a turma é instada a cantar com o mesmo entusiasmo tanto as próprias queixas como as dos outros. Quem não gostar, que se queixe ao bispo, pois ao artista não adianta. Kochta-Kalleinen ainda não está disposto a enveredar pelo arriscado caminho da metalinguagem.

Marcela Donini 

Marcela Donini é jornalista gaúcha.

Leia também

Últimas Mais Lidas

A marca de Roth

Influência do autor de O Complexo de Portnoy, que morreu aos 85 anos em Nova York, é cada vez mais poderosa

“Me deixe fora desse balaio”

Conheça a rotina e o pensamento de Muniky Moura, a eleitora “nem nem” – que, como 43% do eleitorado, rejeita Lula e Bolsonaro e costuma decidir a eleição

Político mais popular no Facebook não fala de política na rede

Deputado federal baiano Irmão Lázaro atribui seus 8,5 milhões de seguidores a não postar sobre o que faz no Congresso: “É uma gritaria”

Um estudante contra o presidente

Garoto de 20 anos fala na cara de Daniel Ortega que ele é o responsável por 58 mortos na repressão aos protestos na Nicarágua e discurso viraliza. À piauí, o estudante se diz ameaçado

A Batalha de Argel, Um Filme Dentro da História – interessante e excessivo

Realização tardia e bem-sucedida do neorrealismo parece um documentário, mas é encenado do primeiro ao último plano

Foro de Teresina #1: justiçamento, abraço de gambá e túnel do tempo

Confira a estreia do podcast de política da rádio piauí com Fernando de Barros e Silva, Malu Gaspar e José Roberto de Toledo. A partir de hoje, o Foro vai ao ar toda quinta-feira, às 17h

O racismo como razão de voto

Um roteiro para entender a pesquisa mais reveladora feita sobre a eleição de Trump – e o que ela diz sobre o pleito no Brasil em 2018

Com candidato preso, PT deixa de aparecer para 400 mil eleitores na tevê e internet

Partido já perdeu mais de quatro horas de exposição em debates e entrevistas na televisão aberta desde a prisão de Lula

Vem aí a rádio piauí

Plataforma estreia nesta quinta-feira, 17 de maio, com o podcast de política Foro de Teresina. Confira nosso guia para ouvir os episódios em casa ou na rua

Saiba como foi cada mesa da Maratona Piauí Serrapilheira

Vida, vulcões, clima, água e gestão da ciência: cinco grandes cientistas falaram sobre suas áreas de pesquisa

Mais textos