despedida

Rio em obras

Milan Alram fotografou a modernização da cidade entre os anos 50 e 60

Joaquim Marçal Ferreira de Andrade
O francês fundou em 1982, com o filho, um dos principais laboratórios cariocas de revelação, o Kronokroma
O francês fundou em 1982, com o filho, um dos principais laboratórios cariocas de revelação, o Kronokroma FOTO: JEAN-MARC FERRIÈRE_2014

Em abril de 1939, a família Alram desembarcava da França no porto do Rio de Janeiro. Com os filhos Claude e Milan, o casal Joseph e Irma fugia da guerra iminente. Três meses antes, o poeta Paul Valéry proferira um discurso na Sorbonne em homenagem ao centenário do daguerreótipo, processo fotográfico criado e patenteado  pelos franceses. Na época, Milan tinha 13 anos incompletos e jamais havia tirado uma foto, à diferença de outros estrangeiros que já dominavam o ofício quando vieram para cá.

No começo da década de 40, empregado como contínuo da Livraria do Globo, o jovem recebeu a incumbência de acompanhar por uma semana o fotógrafo alemão Ed Keffel. Quando visitaram Paquetá, Keffel fotografou a ilha pela manhã e repetiu o percurso à tarde, colhendo as mesmas imagens, mas com a luz contrária. Naquele dia, Alram descobriu sua vocação.

Autodidata e cliente da livraria Freitas Bastos, formou-se pelas leituras e por suas relações com José Oiticica Filho e Chakib Jabôr, entre outros membros do célebre Photo Club Brasileiro. Em 1949, já havia aberto seu próprio estúdio, dividindo com um alfaiate o aluguel de uma sala na avenida Presidente Vargas. Foi nesse período que desenvolveu as habilidades que fizeram dele um profissional extremamente versátil. Seu legado visual abarca tanto as reportagens sociais e a street photography quanto a arquitetura, a fotografia industrial e a publicitária. Ao longo de toda a carreira, Alram também manteve laboratório próprio para a revelação de seus filmes.

Sempre que estava sem serviço, uma de suas ocupações era fotografar os edifícios e as obras do Rio, para depois oferecer os registros aos escritórios de arquitetura. Construiu, assim, um acervo com imagens da cidade que se tornaram históricas.

O francês enveredou pela publicidade num período em que a prática ainda estava se consolidando no mercado brasileiro.  Gostava de lembrar que, em 1960, fotografou a jovem Heloísa Pinheiro, então com 15 anos, para uma campanha de bronzeador. Pouco depois, ela seria imortalizada por Tom Jobim e Vinicius de Moraes na canção Garota de Ipanema.

Em 1982, Alram encerrou as atividades de fotógrafo e abriu seu laboratório ao público, estabelecendo com o filho Marcelo o Kronokroma, que chegou a ter uma filial em São Paulo. Na matriz carioca, situada na rua do Russel, implantou um sistema de coleta que funcionava a qualquer hora do dia ou da noite: clientes especiais, munidos de uma chave, depositavam seus filmes numa caixa disposta na fachada da loja. Sabiam de antemão a que horas poderiam buscar as fotos, já que os proprietários realizavam várias revelações manuais em horários preestabelecidos. Templo da cor e da fotografia analógica, o Kronokroma concluiu suas atividades no final de 2014. Ano e meio antes de seu fundador – que morreu no mês passado, à beira dos 90 – se aposentar para sempre.

Jardim de Alah e Lagoa Rodrigo de Freitas, Leblon, 1960_O conjunto habitacional Cruzada de São Sebastião (em primeiro plano) visava abrigar famílias removidas da favela do Pinto, cujos resquícios podem ser vistos à esquerda da saída do canal, criado na década de 20 para sanear a Lagoa. À direita do canal, na Lagoa, está o Clube dos Caiçaras. Ao fundo, também à direita, a favela da CatacumbaAvenida Presidente Vargas, Centro, 1953_Foi construída a partir de 1944. Sua criação desapropriou casas e edifícios entre as ruas Visconde de Itaúna e Senador EuzébioEsquina da rua Uruguaiana com a do Ouvidor, Centro, 1957_Os pedestres disputavam espaço com os ônibus cada vez mais numerosos nas ruas comerciais da cidadeAvenida Rio Branco, Centro, 1949_Integrando o projeto de modernização urbana do prefeito Pereira Passos, a via foi inaugurada em 1905, com o nome de avenida CentralAterro do Flamengo, 1960_Os sucessivos aterramentos na região começaram no início do século XIX, com a abertura de avenidas e a construção da Praça Paris. Na foto, vista panorâmica das obras, antes da implantação do grande parque projetado pelo arquiteto Affonso Eduardo Reidy, com a colaboração de Burle Marx, e terminado em 1965 .
Botafogo, entre 1951 e 53_A orla, cujo aterramento se deu para tornar mais fácil o acesso do Centro a CopacabanaAvenidas das Nações UnidasAvenida Lauro Sodré

Joaquim Marçal Ferreira de Andrade

Leia também

Últimas Mais Lidas

A sua melhor tradução

Um glossário para entender a fala dos morros cariocas, segundo a prosa do escritor Geovani Martins

O Processo – observação em crise

Como todo observador intransigente, diretora Maria Augusta mais constata do que revela no documentário sobre o impeachment de Rousseff

Lula pode estar na cadeia e na urna ao mesmo tempo?

A rara combinação de chances que permitiria uma candidatura do ex-presidente conduzida de dentro da prisão

Febre cede, mas epidemia ainda mata

Desinformação e corte de verbas sustentam mortes por febre amarela; busca pela doença no Google cai 80%

Incomum, decisão pró-Bretas envolveu falha judiciária

Ao menos 19 juízes não conseguiram da Justiça duplo auxílio-moradia; AGU levou 29 meses para recorrer de sentença a favor de Bretas

A Melhor Escolha – jornada para redimir o passado

Filme de Richard Linklater tenta repetir fórmula de outros longas do cineasta, mas falha do ponto de vista comercial e artístico

Rabino pede desculpas por participar de ato ecumênico no ABC

Em vídeo, Alexandre Leone disse que participação em evento inter-religioso em favor de Lula foi “desacertada”

Intervenção no Rio cancela missão militar do Brasil na África

Governo Temer havia se comprometido a enviar 1 mil soldados à República Centro-Africana, mas desistiu

O dia em que a história não aconteceu

A sexta-feira se anunciava como o dia em que Lula seria preso, faria um discurso histórico ou fugiria: no fim, nem recorde de curiosidade bateu

Noite em claro no sindicato

Melancolia e euforia durante a vigília nos Metalúrgicos do ABC contra prisão de Lula

Mais textos