anais da luxúria

Santo Agostinho, inventor do sexo

Como o autor das Confissões concebeu a doutrina do pecado original

Stephen Greenblatt
Antes de Agostinho, a história de Adão e Eva parecia uma alegoria confusa para muitos cristãos: por que Deus impediria os homens de conhecer o bem e o mal?
Antes de Agostinho, a história de Adão e Eva parecia uma alegoria confusa para muitos cristãos: por que Deus impediria os homens de conhecer o bem e o mal? ILUSTRAÇÃO: ADÃO E EVA, O PECADO ORIGINAL_ILUMINURA DO LIVRO COMENTÁRIOS AO APOCALIPSE, PUBLICADO NO ANO 776 PELO BEATO DE LIÉBANA_FOTO DE ERICH LESSING_LESSINGIMAGES.COM

Num dia qualquer do ano 370 da era comum, um rapaz de 16 anos e seu pai foram juntos aos banhos públicos da cidade provincial romana de Tagaste, onde hoje fica a Argélia. Em certo momento da visita, o pai talvez tenha percebido que o menino experimentava uma ereção involuntária; ou simplesmente observou, no filho, a floração recente de pelos pubianos. Algo que dificilmente poderia ser considerado um grande acontecimento, com repercussões na história mundial, não fosse pelo fato de que o rapaz se chamava Agostinho, e que mais tarde ele viria a dar forma à teologia cristã, tanto para os católicos quanto para os protestantes, explorando recessos ocultos de nossa vida interior, legando a todos nós a convicção de que há algo de profundamente errado com a espécie humana. É provável que não tenha existido pensador ocidental mais importante nos últimos 1 500 anos.

Em suas Confissões, escritas em torno de 397, Agostinho descreveu o que havia acontecido tantos anos antes, na casa de banhos. Naquele dia, Patrício, seu pai, viu nele os sinais de uma jovem masculinidade indócil, inquieta adulescentia, e ficou encantado com a ideia de poder vir a ter netos em breve. É fácil, mesmo tantos anos mais tarde, imaginar o profundo embaraço do adolescente em questão. O que ficou fixado na memória de Agostinho, porém, foi algo que aconteceu depois que ele e o pai já tinham voltado para casa: “[Meu pai] o anunciou feliz a minha mãe, como se já imaginasse seus netos, feliz da ebriedade pela qual este mundo se esqueceu de Ti, seu criador, e amou em Teu lugar Tua criatura” (nas Confissões[1] Agostinho se dirige o tempo todo a Deus). Ocorre que sua mãe, Mônica, era uma cristã devota – e reagiu de maneira muito diversa. Como Deus já havia começado a construir Seu tempo no peito dela, ela “estremeceu de trepidação e tremor”, e a maturidade sexual do adolescente pagão foi oportunidade – não a primeira e nem certamente a última – para um sério desentendimento entre seus pais.

MATÉRIA FECHADA PARA ASSINANTES
Para acessar, assine a piauí

Stephen Greenblatt

Escritor e historiador norte-americano, é autor de A Virada – O Nascimento do Mundo Moderno e Como Shakespeare Se Tornou Shakespeare.

Leia também

Últimas Mais Lidas

Fraturas no antipetismo

Bolsonaro não consegue unificar eleitorado que é contra Lula

Marina Silva, sem voto e sem dinheiro

Doações de pessoas físicas e crowdfunding para candidatura da Rede fracassam e campanha corta custos na reta final da disputa

Hungria, França e Brasil

Por que são críveis os acenos de Haddad ao centro

“São particulares”, diz Exército sobre caminhões usados em campanha

Veículos flagrados com propaganda de Bolsonaro e que viralizaram nas redes foram vendidos pela União, mas continuam com aparência militar

Plata o plomo

Bolsonaro depende de fisiologismo ou de autogolpe para governar

Maria vai com as outras #9: Sexo como ganha-pão

A prostituta de luxo Livia Rodrigues, a dona de uma sex shop para lésbicas e bissexuais Marcia Soares e a atriz pornô Monique Lopes falam sobre os prazeres e agruras que envolvem suas profissões

E se Bolsonaro ganhar?

A violência como plataforma de governo

Os mascates do Rio

A periferia sem crédito mantém a tradição do vendedor de porta em porta

EUA devolvem fortuna à família Hawilla

Com a morte do delator do escândalo Fifa, Justiça restitui à viúva e aos filhos patrimônio de R$ 59 milhões em dinheiro e apartamento em condomínio em ilha de Miami

Merval e a democracinha*

A polarização política, os cidadãos de bem e os inimigos da vida civilizada no país

Mais textos
1

Não foi você

Uma interpretação do bolsonarismo

2

Merval e a democracinha*

A polarização política, os cidadãos de bem e os inimigos da vida civilizada no país

3

A janela de Haddad

A vulnerabilidade de Bolsonaro e a chance do candidato do PT

4

Marcos Lisboa: “Me comparar a Paulo Guedes é demais”

Cotado como ministro da Fazenda em um governo do PT, economista responde a Ciro Gomes, que o chamou de “ultrarreacionário”

5

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

6

Paulo Guedes contra o liberalismo

A história mostra que uma onda de ódio só chega ao poder quando normalizada

7

Sem a elite, sem (quase) nada

Em doze anos, Alckmin sai de 45% para 6% das intenções de voto no eleitorado que cursou universidade; eleitores migram principalmente para Bolsonaro

8

Bolsonaro não queria sair da Santa Casa

A história de como a família do presidenciável dispensou o Sírio-Libanês, contrariou a vontade do candidato de ficar em Juiz de Fora e aceitou a proposta do tesoureiro do PSL de levá-lo para o Einstein

9

Antipetismo e democracia

O candidato do PT e o candidato do PSL não são dois lados da mesma moeda

10

Ciro, a vela e o dane-se

Só ele impede segundo turno antecipado entre Bolsonaro e Haddad