esquina

Socialismo de mercado

Vendem-se bótons políticos

Julia Duailibi
ILUSTRAÇÃO: ANDRÉS SANDOVAL_2017

O estudante de biologia chegou atrasado à Casa de Portugal, espaço de eventos no bairro paulistano da Liberdade. A ex-presidente Dilma Rousseff e a ex-mandatária argentina Cristina Kirchner – que estavam ali para participar de uma conferência sobre a América Latina – já haviam discursado, sob aplausos entusiasmados do público. Naquela noite de dezembro, as duas denunciaram o “golpe parlamentar, judicial e midiático” que teria assaltado o Brasil.

Alheio às manifestações do auditório, João Pedro Barbosa Militão, de 24 anos, instalou-se no hall de entrada. Enquanto escutava o rock progressivo da banda inglesa Jethro Tull nos fones de ouvido, pendurou uma toalha amarela e puída numa estrutura retangular de PVC. Do tecido, pendiam cerca de 300 bótons coloridos, todos exibindo mensagens engajadas: “Por uma vida sem catraca”, “Não ao novo Código Florestal”, “Black is beautiful”, “Não à PEC” e, claro, “Fora, Temer”.

“A gente pertence a uma organização política”, disse o estudante, referindo-se a si mesmo no plural. “Vendemos os bótons como parte de uma campanha financeira que tem o objetivo de nos sustentar.” A organização é a LSR – Liberdade, Socialismo e Revolução, uma corrente do PSOL. Já a campanha atende pela sigla de BLC – Bottons, Broches e Brindes de Luta e Cultura.

A LSR prega “a necessidade da resistência” contra a “propaganda triunfalista em defesa do mercado” e ataca tanto o governo de Dilma quanto o de Lula: “As velhas direções políticas e sindicais dos trabalhadores falharam diante do seu mais importante teste histórico. Passaram-se para o lado do capital.” Por isso, Militão faz questão de frisar que a organização só comercializa bótons com slogans em que acredita. “Não tem essa de apoiar as bandeiras do PT.” Filho de um ativista do movimento negro, o rapaz ingressou na LSR em 2012.

Segundo ele, desde que a crise política brasileira recrudesceu, a demanda pelos bótons aumentou. Hoje, a organização confecciona entre 15 mil e 20 mil botõezinhos por mês. Para tanto, se utiliza de uma prensa adquirida há alguns anos. Cada bóton custa 2 ou 3 reais, dependendo do tamanho, mas o valor pode chegar a 50 centavos se a encomenda for grande.

Gentil, ainda que desconfiado, Militão falava pouco. De vez em quando, ajeitava a pochete que trazia sobre a calça cáqui. “Em nossos bótons, a gente usa um papel de 120 gramas, que aumenta a qualidade das imagens”, propagandeou, à moda dos capitalistas. Quanto aos clientes, a LSR não discrimina ninguém. Oferece seus produtos até em manifestações de coxinhas. Nelas, o bóton “Fora, Temer” costuma ser um hit, desde que não tenha fundo vermelho. “O jeito foi fazê-lo em diversas cores, né?”

 

O movimento na Casa de Portugal ainda estava fraco, mas o estudante parecia não se importar. Retirava a mercadoria de quatro sacolinhas plásticas e a ajeitava na toalha gasta. Experiente, sabia que os fregueses chegariam. E chegaram.

Mal a conferência terminou, formou-se em torno do pano uma meia-lua de interessados. Um garoto mastigando batatinhas Ruffles, moças de turbantes e brincos, rapazes de dread-locks, meninas de mãos dadas com meninas e duas mulheres ostentando imagens de Lula e Dilma em camisetas integravam o grupo. “Peguei um roxo e três vermelhos”, avisou um jovem de coque, barba e mochila Nike. Os quatro bótons exigiam a queda do presidente Michel Temer. Militão, que só aceitava pagamento em cash, caçava trocos na pochete à medida que a clientela aumentava. Moedas caíam no chão, mas o negociante, um tanto atrapalhado, não perdia a calma.

“Foi bom encontrar a militância”, comentou vinte minutos depois, quando os compradores se dispersaram. “Vendi uns 100 bótons”, calculou. Em seguida, guardou os produtos nas sacolas, dobrou a toalha e colocou novamente os fones de ouvido. Perguntei para onde iria. “Para a organização”, respondeu, salientando que havia duas sedes, uma oficial e outra clandestina. “Questão de segurança”, justificou. Antes que partisse, indaguei por que não aderia à maquininha de cartão. Poderia dar um boom nas vendas, argumentei. Ele sorriu, balançou a cabeça em sinal de desa-provação e, descartando os restos de um Burger King que acabara de devorar, seguiu rumo à célula socialista.

Julia Duailibi

Julia Duailibi trabalhou na piauí, na TV Bandeirantes, na Folha de S.Paulo, na Veja e n’O Estado de S. Paulo

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #47: Bolsonaro joga diesel na crise, deputada é ameaçada, e STF embarca na censura

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Delação financiada

Pressionada pela Lava Jato, CCR decide pagar 71 milhões de reais para demitir executivos e transformá-los em delatores; acionistas minoritários protestam

A guerra perdida de Toffoli

Embate no Supremo mostra sucessão de equívocos, avalia professor da FGV

Verbas pelo ralo

Empresa contratada com dinheiro de emenda apresentada pelo secretário de Previdência fez depósitos na conta de parente de Marinho; caso explicita descontrole na fiscalização

Foro de Teresina #46: Os 100 dias de governo, o marasmo na economia e a chuva (de tiros) no Rio

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

O Caso Hammarskjöld – persistência recompensada

Documentário tem chance de ajudar a esclarecer morte de secretário-geral da ONU

Foi atender o telefone e voltou demitido

Embaixador diz que Apex era “jardim de infância” com diretora despreparada e protegida pelo chanceler

Mourão, o avalista  

Atacado pelos radicais bolsonaristas, o vice-presidente se coloca como garantia contra solavancos do governo

Balança mas não vende

Bolsonaro prioriza relações com Israel, mas Brasil tem déficit com israelenses e superávit com Liga Árabe

Mais textos
1

Delação financiada

Pressionada pela Lava Jato, CCR decide pagar 71 milhões de reais para demitir executivos e transformá-los em delatores; acionistas minoritários protestam

3

Verbas pelo ralo

Empresa contratada com dinheiro de emenda apresentada pelo secretário de Previdência fez depósitos na conta de parente de Marinho; caso explicita descontrole na fiscalização

4

Foi atender o telefone e voltou demitido

Embaixador diz que Apex era “jardim de infância” com diretora despreparada e protegida pelo chanceler

7

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

8

“A vida, a humilhação, a gozação nas ruas”

Uma história da República chega ao fim

9

The BolsozApp Herald

A rede social mais patriótica do Brasil

10

A guerra perdida de Toffoli

Embate no Supremo mostra sucessão de equívocos, avalia professor da FGV