poesia

Sonetos impotentes

Gregorio Duvivier
IMAGEM: AMANDA JENDERBÄCK

Ser traído não é um grande drama.
Se o amor de vocês estiver morno,
É bom que outra pessoa esquente a cama
Pra você se deitar no seu retorno.

A mulher que te trai também te ama
E lamenta demais esse transtorno.
O problema do chifre é só a fama:
Não há sorte maior do que ser corno.

A tarefa do sexo todo dia
É um fardo que o amante te alivia
Como alguém que te ajuda no trabalho.

Generoso, durante tuas viagens
Ensina à tua mulher mil sacanagens
Que ela vai aplicar no seu caralho.

*

Você diz que encontrou o grande amor
Mas é sempre importante um plano B.
Seu rapaz pode ter algum tumor,
Ou então, de repente, um AVC.

Não que eu torça pra isso, que horror!
Mas se o cara infartar do coração
Eu entendo e respeito a sua dor,
Só te peço pra ser a outra opção.

Se o bonitão tiver câncer de próstata
Ou morrer de alguma outra bosta, tá
Combinado que eu sou o seu backup.

Toda vida, mi’a amada, acaba um dia.
Ninguém está imune à leucemia.
Anota, por favor, o meu WhatsApp.

*

Sexo livre não tem lá muita graça
É coisa de criança. Não é sério.
Tesão sem compromisso dá e passa.
Adulto gosta mesmo é de adultério.

Quando tudo é perfeito e cor-de-rosa,
Nessa altura, certeza: ninguém fode.
Quando alguém sofre é quando você goza.
Trepase muito mais quando não pode.

Se já não for tão forte sua libido
Invente uma mulher ou um marido:
Alguém que irá fazer papel de otário.

Imagina uma esposa ou um esposo
Que o sexo logo fica mais gostoso
Nada melhor que um corno imaginário.

Adolescente fui um mar de espinha
Que nunca tinha visto uma só teta
Nem sequer avistado uma calcinha:
Passava os dias a bater punheta.

Esperava a velhice que não vinha
Não fumava ou bebia, era careta.
Até que resolvi perder a linha
E eis que a vida passou como um cometa.

Não que haja algo errado em masturbar-se
Mas a droga oferece-te a catarse
E a trégua das dores que te afligem.

Se não fossem o álcool e a maconha
Teria continuado só na bronha.
O que me fez crescer foi a vertigem.

*

Não sei fotografar bem o meu pau,
As fotos que tirei já não espalho.
Mandar-te-ei, então, um nu verbal
Pra não viralizar o meu caralho.

O comprimento do garoto é bom.
Não é pequeno nem tampouco é grande,
Feito um desodorante de roll-on
Mas com a veia roxa e uma glande.

Levanta com preguiça de manhã
Mas à noite trabalha com afã.
Vez ou nunca acontece de estar duro.

Não querer conhecê-lo é uma perda.
Como o seu dono, tende para a esquerda
Sensata: mais Mujica que Maduro.

Desculpa se pareço muito afoito
Assim que a gente acaba de transar,
Mas logo após molharmos o biscoito
Só penso em qual veneno vou tomar.

O distúrbio surgiu em dois mil e oito
E desde então o mal só faz piorar.
Chama “vontade-de-morrer-pós-coito”:
Após foder, só penso em me matar.

Não posso ter remédios na gaveta.
Quero morrer assim que morre o pau.
Não pense por favor que é pessoal:

Acontece também quando é punheta.
Sabe o que ajuda: Algum carboidrato.
Pede uma pizza e esconde o mata-rato.

*

Filha minha querida e tão esperada
Peço perdão por toda a putaria
Que compõe essa obra desgraçada
– um pornô travestido de poesia.

Que seu pai é uma alma depravada
Imagino que isso já sabia,
Mas não tanto, já que não sobra nada
Se tirarmos a parte doentia.

Poderia dizer: “Tudo é ficção,
Inventar putaria é um ganha-pão.”
Mentira, seu pai fala porque gosta.

Poderia alegar que era a idade,
“Melhorei com a tal paternidade!”
Mentira, seu pai tá a mesma bosta.

Gregorio Duvivier

Gregorio Duvivier é humorista, ator, escritor, poeta e um dos criadores do canal Porta dos Fundos

Leia também

Últimas Mais Lidas

O Paciente e O Banquete – frutos da tragédia

Vistos em conjunto, os dois filmes tornam-se reflexo do cenário político atual

Ciro, a vela e o dane-se

Só ele impede segundo turno antecipado entre Bolsonaro e Haddad

Marcos Lisboa: “Me comparar a Paulo Guedes é demais”

Cotado como ministro da Fazenda em um governo do PT, economista responde a Ciro Gomes, que o chamou de “ultrarreacionário”

A janela de Haddad

A vulnerabilidade de Bolsonaro e a chance do candidato do PT

Sem a elite, sem (quase) nada

Em doze anos, Alckmin sai de 45% para 6% das intenções de voto no eleitorado que cursou universidade; eleitores migram principalmente para Bolsonaro

Lacrou: não entra mais nome novo na urna

Se um candidato morrer ou desistir, sua cara e seu número continuarão aparecendo na tela; TSE fechou os registros e diz que não muda mais

A nossa hora mais escura

O legado de trinta anos de democracia está em jogo nesta eleição

Bolsonaro e Haddad vão ao JN, bombam no Twitter e crescem

Jornal Nacional foi evento mais tuitado das campanhas dos candidatos do PSL e do PT; apresentadores viraram o assunto após as entrevistas

Por que mulheres trocaram Marina por Haddad, Ciro e Bolsonaro

De líder no voto feminino, candidata despencou para o quarto lugar; seu discurso é “sincero”, mas falta clareza, dizem ex-eleitoras

Bolsonaro não queria sair da Santa Casa

A história de como a família do presidenciável dispensou o Sírio-Libanês, contrariou a vontade do candidato de ficar em Juiz de Fora e aceitou a proposta do tesoureiro do PSL de levá-lo para o Einstein

Mais textos