questões cinematográficas

O apartamento – vingança e humilhação

Filme de Asghar Farhadi tem os predicados básicos de linguagem realista, narrativa simples e personagens tratados com dignidade, independente do papel que desempenham na trama

Eduardo Escorel
12jan2017_17h26

Na primeira quinta-feira do ano, o diretor e roteirista iraniano Asghar Farhadi foi mais bem tratado, no Brasil, do que, na semana anterior, seus dois ilustres colegas Tomasz Wasileswski, roteirista e diretor de Estados Unidos Pelo Amor, e Pablo Larraín, diretor de Neruda. Credenciado pela carreira premiada em vários festivais internacionais, ao estrear no Rio O apartamento, escrito e dirigido por Farhadi, mereceu uma sala digna desse nome, com ar-condicionado funcionando e cinco sessões diárias, tratamento que os filmes polonês e chileno não tiveram, conforme comentado no post do dia 5.

Entre as láureas acumuladas, O apartamento recebeu prêmios de melhor roteiro (Asghar Farhadi) e ator (Shahab Hosseini) no Festival de Cannes, em 2016, foi pré-selecionado com outros 8 filmes para concorrer ao Oscar de melhor filme em língua estrangeira e, nessa mesma categoria, concorreu ao Globo de Ouro domingo passado, sem ter sido premiado.

À semelhança de A separação (2011), filme de Farhadi no qual um casal pleitea o divórcio, O apartamento tem os predicados básicos de linguagem realista, narrativa simples e personagens tratados com dignidade, independente do papel que desempenham na trama.

Os dois filmes guardam, porém, diferenças significativas entre si. A separação é mais despojado e a tensão inicial entre marido e mulher só se agrava – distantes um do outro, os personagens passam da eloquência verbal do princípio à mudez do encerramento. No começo de O apartamento, por sua vez, o casal Emad (Shahab Hosseini) e Rama (Taraneh Alidoosti) está em estado de aparente harmonia, mas fatores fortuitos, alheios à vontade de ambos, provocam crise profunda em seu relacionamento.

 

O apartamento se diferencia também pelo contraponto feito entre, de um lado, a encenação teatral de Morte do caixeiro viajante, de Arthur Miller, na qual Emad e Rama atuam como Willy e Linda Loman, e de outro a “imperiosa prerrogativa do real”, conforme escreveu Clément Rosset. A vida fora do palco espelha a ficção, fazendo emergir traços de caráter insuspeitados em Emad – o vizinho prestativo e professor cativante se torna o vingador obcecado.

O quid pro quo da trama, beirando a comédia de erros, somado ao apego a valores tradicionais em uma sociedade puritana, leva Emad e Rama, intérpretes dos personagens Willy e Linda Loman na encenação teatral, a se defrontarem, no terço final do filme, com um verdadeiro Willy Loman. E o ator que vive no palco a humilhação e o suicídio do caixeiro viajante de Arthur Miller, é quem, na vida real, humilha e leva o vendedor à morte.

[piaui_image alinhamento="Centralizado" imagem="203212"]

Em entrevistas dadas quando O apartamento participou do Festival de Cannes, no ano passado, Farhadi declarou estar “interessado em explorar o que as pessoas consideram ser uma vingança proporcional”. Não “a violência descontrolada, mas a que é premeditada. Algumas vezes você está convencido de que um ato violento que irá cometer é justificado”, disse. “Como terroristas. Eles acham que têm bons motivos para serem violentos. Às vezes você pode acreditar que tem o direito de ser violento e construir todo um conjunto de razões que levam ao ato. Um homem responsável e bondoso pode se tornar um ser humano potencialmente violento.”

Para quem assiste a O apartamento em pleno verão carioca, a ligação entre o personagem principal do filme e terroristas parece forçada. Mas é difícil avaliar até que ponto essa relação é mais plausível na Europa e no Oriente Médio.

Há violência e barbárie de sobra à nossa volta para indicar a necessidade de tentarmos entender o que leva homens comuns a cometerem atrocidades como as que temos visto.

Daí o impacto do sentimento trágico da vida, tema frequente do cinema iraniano retomado em O apartamento.

Eduardo Escorel

Eduardo Escorel, cineasta, diretor de Imagens do Estado Novo 1937-45

Leia também

Últimas Mais Lidas

STJ, novo ringue de Bolsonaro

Tribunal tem papel decisivo na crise entre presidente e governadores

Witzel a Jato 

Celeridade da Procuradoria da República contra governador do Rio surpreende na operação que expôs contratos da primeira-dama com um dos maiores fornecedores do estado

Esgares e sorrisos

Cinemateca Brasileira em questão

Sem prova nem lápis emprestado

Estudante brasileira em Portugal relata transformações na rotina escolar depois da epidemia de Covid-19

Na contramão do governo, brasileiros acreditam mais na ciência

Pesquisa inédita aponta que, durante a pandemia, 76% dos entrevistados se mostraram mais interessados em ouvir orientações de pesquisadores e cientistas

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

Maria vai com as outras #8: Ela voltou

Monique Lopes, atriz pornô e acompanhante, fala novamente com Branca Vianna, agora sobre seu trabalho durante a pandemia do novo coronavírus

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

Mortos que o vírus não explica

Belém tem quase 700 mortes a mais do que o esperado apenas em abril; oficialmente, Covid-19 só matou 117

Mais textos
1

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

2

Mortos que o vírus não explica

Belém tem quase 700 mortes a mais do que o esperado apenas em abril; oficialmente, Covid-19 só matou 117

3

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

4

Amazônia perto do calor máximo

Pesquisa inédita revela que, acima de 32 graus Celsius, florestas tropicais tendem a emitir mais carbono na atmosfera do que absorver

5

Nem limão, nem feijões: sem milagres contra a Covid-19

Ministério Público e polícia investigam “receitas infalíveis” contra o vírus

6

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

8

Uma biografia improvável

O que são vírus – esses parasitas que nos deram nada menos que 8% do nosso DNA

9

Lockdown à brasileira

Como estados e municípios usam estratégias de confinamento com prazos e métodos distintos contra a Covid-19

10

Foro de Teresina #101: Bolsonaro sob pressão

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana