questões cinematográficas

O apartamento – vingança e humilhação

Filme de Asghar Farhadi tem os predicados básicos de linguagem realista, narrativa simples e personagens tratados com dignidade, independente do papel que desempenham na trama

Eduardo Escorel
12jan2017_17h26

Na primeira quinta-feira do ano, o diretor e roteirista iraniano Asghar Farhadi foi mais bem tratado, no Brasil, do que, na semana anterior, seus dois ilustres colegas Tomasz Wasileswski, roteirista e diretor de Estados Unidos Pelo Amor, e Pablo Larraín, diretor de Neruda. Credenciado pela carreira premiada em vários festivais internacionais, ao estrear no Rio O apartamento, escrito e dirigido por Farhadi, mereceu uma sala digna desse nome, com ar-condicionado funcionando e cinco sessões diárias, tratamento que os filmes polonês e chileno não tiveram, conforme comentado no post do dia 5.

Entre as láureas acumuladas, O apartamento recebeu prêmios de melhor roteiro (Asghar Farhadi) e ator (Shahab Hosseini) no Festival de Cannes, em 2016, foi pré-selecionado com outros 8 filmes para concorrer ao Oscar de melhor filme em língua estrangeira e, nessa mesma categoria, concorreu ao Globo de Ouro domingo passado, sem ter sido premiado.

À semelhança de A separação (2011), filme de Farhadi no qual um casal pleitea o divórcio, O apartamento tem os predicados básicos de linguagem realista, narrativa simples e personagens tratados com dignidade, independente do papel que desempenham na trama.

Os dois filmes guardam, porém, diferenças significativas entre si. A separação é mais despojado e a tensão inicial entre marido e mulher só se agrava – distantes um do outro, os personagens passam da eloquência verbal do princípio à mudez do encerramento. No começo de O apartamento, por sua vez, o casal Emad (Shahab Hosseini) e Rama (Taraneh Alidoosti) está em estado de aparente harmonia, mas fatores fortuitos, alheios à vontade de ambos, provocam crise profunda em seu relacionamento.

O apartamento se diferencia também pelo contraponto feito entre, de um lado, a encenação teatral de Morte do caixeiro viajante, de Arthur Miller, na qual Emad e Rama atuam como Willy e Linda Loman, e de outro a “imperiosa prerrogativa do real”, conforme escreveu Clément Rosset. A vida fora do palco espelha a ficção, fazendo emergir traços de caráter insuspeitados em Emad – o vizinho prestativo e professor cativante se torna o vingador obcecado.

O quid pro quo da trama, beirando a comédia de erros, somado ao apego a valores tradicionais em uma sociedade puritana, leva Emad e Rama, intérpretes dos personagens Willy e Linda Loman na encenação teatral, a se defrontarem, no terço final do filme, com um verdadeiro Willy Loman. E o ator que vive no palco a humilhação e o suicídio do caixeiro viajante de Arthur Miller, é quem, na vida real, humilha e leva o vendedor à morte.

Em entrevistas dadas quando O apartamento participou do Festival de Cannes, no ano passado, Farhadi declarou estar “interessado em explorar o que as pessoas consideram ser uma vingança proporcional”. Não “a violência descontrolada, mas a que é premeditada. Algumas vezes você está convencido de que um ato violento que irá cometer é justificado”, disse. “Como terroristas. Eles acham que têm bons motivos para serem violentos. Às vezes você pode acreditar que tem o direito de ser violento e construir todo um conjunto de razões que levam ao ato. Um homem responsável e bondoso pode se tornar um ser humano potencialmente violento.”

Para quem assiste a O apartamento em pleno verão carioca, a ligação entre o personagem principal do filme e terroristas parece forçada. Mas é difícil avaliar até que ponto essa relação é mais plausível na Europa e no Oriente Médio.

Há violência e barbárie de sobra à nossa volta para indicar a necessidade de tentarmos entender o que leva homens comuns a cometerem atrocidades como as que temos visto.

Daí o impacto do sentimento trágico da vida, tema frequente do cinema iraniano retomado em O apartamento.

Eduardo Escorel

Eduardo Escorel, cineasta, diretor de Imagens do Estado Novo 1937-45

Leia também

Últimas Mais Lidas

“Quero ver Bolsonaro se eleger só com voto de general”

Eleitorado tradicional do presidente, militares de baixa patente e pensionistas rejeitam projeto de Previdência e mostram decepção com o ex-capitão 

The world without the Amazon

A climate model predicts the effects of turning the forest into cattle pastures: 25% less rain in Brazil and higher temperatures, with “catastrophic” consequences for agriculture and energy production

Six conclusions about a model of the world without the Amazon

The price that Brazil and the world will pay if the forest continues to be cut down so that livestock can graze

Vazamento de óleo avança, plano de controle patina

Manchas se aproximam dos corais de Abrolhos; especialistas cobram do governo federal transparência em uso de programa para conter derrames de óleo

Ascensão e queda de um ex-Van Gogh

Tela do Masp atribuída ao pintor holandês tem autoria revista e inspira debate sobre valor artístico

Um bicheiro no centro do poder

A rede de assassinatos, amizades e dinheiro que cerca Jamil Name no Mato Grosso do Sul

Seis conclusões sobre o modelo do mundo sem a Amazônia 

O preço que o Brasil e o mundo pagarão caso a floresta continue a ser derrubada para dar lugar à pecuária

O mundo sem a Amazônia

Modelo climático prevê efeitos da conversão da floresta em pasto: diminuição de 25% das chuvas no Brasil e aumento da temperatura, com prejuízo "catastrófico" para agricultura e produção de energia

Foro de Teresina #73: Autofagia no governo, crise na oposição e o óleo nas praias do Nordeste

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Mais textos