anais das redes

O dia em que a história não aconteceu

A sexta-feira se anunciava como o dia em que Lula seria preso, faria um discurso histórico ou fugiria: no fim, nem recorde de curiosidade bateu

Camila Zarur
06abr2018_22h59
Lula acena para apoiadores no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, após ordem de prisão expedida pelo juiz Sergio Moro
Lula acena para apoiadores no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, após ordem de prisão expedida pelo juiz Sergio Moro FOTO: AVENER PRADO/FOLHAPRESS

Quanto mais as negociações para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva se entregar à Polícia Federal se arrastavam, mais a curiosidade pelo que aconteceria arrefecia. Quem esperava o clímax da trama iniciada na véspera com a ordem de prisão emitida pelo juiz Moro contra o ex-presidente frustrou-se. Triplamente: Lula não se entregou à polícia, não discursou para a multidão de militantes que o aguardava em frente ao Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, e, diferentemente da expectativa de milhares de internautas antipetistas que buscaram a expressão “Lula foragido” no Google, ele não fugiu. Quando o impasse se impôs, ficou claro que a sexta-feira 6 de abril seria conhecida como o dia em que a história não aconteceu – ou, ao menos, como um dia que não acabou.

O sentimento de frustração é perceptível ao analisar a evolução do volume de buscas no Google pelo termo “Lula”. Enquanto pareceu que o ex-presidente se entregaria ou faria alguma declaração, a sensação foi de que os internautas fariam o termo bater recordes no sistema de busca. No meio da tarde, “Lula” foi a segunda palavra mais procurada no Google em todo o país e os tópicos “Lula se entregou”, “Lula ao vivo”, “Lula se entrega e “prisão de Lula” foram os que tiveram a maior alta entre os usuários brasileiros. Entre 14 e 18 horas, o interesse pelo ex-presidente foi quatro vezes maior na comparação com o mesmo horário do dia anterior, quando ainda não havia a ordem de prisão. O pico de interesse foi às 17h06, como mostra o gráfico de volume de buscas no site na comparação entre os dois períodos. Como nada aconteceu, às 17h48, uma queda nas pesquisas já era visível. Entre esse horário e 20h36, a procura havia caído 40%.

O sentimento de anticlímax fez com que, na comparação com outras datas marcantes no passado recente do ex-presidente, o dia da não prisão ficasse para trás no interesse. Considerando um período de dois anos, entre janeiro de 2016 até hoje, a ordem de prisão frustrada ficou em segundo lugar entre os episódios mais buscados sobre o ex-presidente. Ficou atrás da condenação do petista pelo TRF-4, em 24 de janeiro deste ano, por exemplo, como mostra o gráfico de buscas no Google.

A divulgação do grampo de uma conversa entre o petista e Dilma Rousseff pelo juiz Moro, em 16 de março de 2016, aparece em terceiro lugar no número de buscas. Em quarto lugar no interesse dos internautas por Lula está a condução coercitiva do ex-presidente, em 4 de março de 2016.

As palavras associadas ao termo “Lula” nas buscas detalham quais foram os interesses dos usuários do Google pela situação do ex-presidente.  Após a notícia do despacho de Moro, as principais consultas feitas nas buscas do Google eram combinações do nome de Lula com a palavra “prisão”. Uma associação de palavras semelhante ocorreu quando o ex-presidente foi levado para depor coercitivamente para depor nas investigações da Lava Jato nessa ocasião, além de “prisão”, aparece nas buscas o termo “preso”.

A palavra aparece também nas consultas relacionadas à condenação de Lula em segunda instância, em janeiro deste ano. Junto com “preso”, também aparecia a palavra “julgamento”. Já na terceira semana de março de 2016, quando o telefonema entre Lula e Dilma foi divulgado, os termos que aparecem associados ao ex-presidente são “posse”, “ministro” e “áudio”, em referência aos grampos nos momentos anteriores à nomeação do petista pela então presidente para assumir o Ministério da Casa Civil, que acabou não acontecendo.

Quando analisamos em um período de tempo maior, de 2004 até hoje, um outro pico de busca semelhante aos já citados foi a eleição de 2006, quando Lula era reeleito à Presidência. Ainda assim, o fato não chamou tanta atenção quanto a condenação em segunda instância e os grampos, de acordo com os interesses dos usuários no Google.

A plataforma do site faz a conta analisando o número de pesquisas feitas sobre determinado termo em relação ao total de pesquisas feitas naquele momento. Dessa forma, é possível dizer se um assunto é “quente” ou não pela quantidade de vezes que é buscado. No caso de Lula nesta sexta-feira, começou quente, mas, como a expectativa dos internautas, em algumas horas esfriou.

Camila Zarur (siga @camilazarur no Twitter)

Camila Zarur é estagiária da piauí

Leia também

Relacionadas Últimas

Noite em claro no sindicato

Melancolia e euforia durante a vigília nos Metalúrgicos do ABC contra prisão de Lula

A caserna como última instância

Poder militar cresce, Temer ruma para a irrelevância, e Lula fica mais perto da cadeia

Deus e o diabo na volta das camisas amarelas

Manifestantes vão às ruas de 17 capitais na véspera do julgamento do habeas corpus de Lula pelo STF

A sua melhor tradução

Um glossário para entender a fala dos morros cariocas, segundo a prosa do escritor Geovani Martins

O Processo – observação em crise

Como todo observador intransigente, diretora Maria Augusta mais constata do que revela no documentário sobre o impeachment de Rousseff

Lula pode estar na cadeia e na urna ao mesmo tempo?

A rara combinação de chances que permitiria uma candidatura do ex-presidente conduzida de dentro da prisão

Febre cede, mas epidemia ainda mata

Desinformação e corte de verbas sustentam mortes por febre amarela; busca pela doença no Google cai 80%

Incomum, decisão pró-Bretas envolveu falha judiciária

Ao menos 19 juízes não conseguiram da Justiça duplo auxílio-moradia; AGU levou 29 meses para recorrer de sentença a favor de Bretas

A Melhor Escolha – jornada para redimir o passado

Filme de Richard Linklater tenta repetir fórmula de outros longas do cineasta, mas falha do ponto de vista comercial e artístico

Rabino pede desculpas por participar de ato ecumênico no ABC

Em vídeo, Alexandre Leone disse que participação em evento inter-religioso em favor de Lula foi “desacertada”

Intervenção no Rio cancela missão militar do Brasil na África

Governo Temer havia se comprometido a enviar 1 mil soldados à República Centro-Africana, mas desistiu

Noite em claro no sindicato

Melancolia e euforia durante a vigília nos Metalúrgicos do ABC contra prisão de Lula

Zama – espera e identidade

A adaptação para o cinema do livro homônimo pela diretora Lucrecia Martel

Mais textos
1

Como o PCC superou a polícia para matar um dos seus

Reportagem da piauí reconstitui os últimos dias de “Gegê do Mangue”

2

Dois empresários paulistas contam por que estimulam Bolsonaro

Fundador da Tecnisa e dono de empresa de monitoramento de mídia marcam encontros entre pré-candidato e comunidade judaica de São Paulo. “Apoio quem seja contra a esquerda”, resume incorporador

3

General Mourão anuncia frente de candidatos militares nas eleições

Ao passar para a reserva, comandante que defendeu golpe militar diz à piauí que vai articular candidaturas fardadas ao Congresso, assembleias e Executivo

4

Uma arma, dois assassinatos e uma só tragédia no Rio

Como uma mesma pistola 9 mm de uso restrito está diretamente ligada às mortes de um sniper e de um PM em menos de 24 horas na capital carioca

5

No Twitter, vampiro cola mais em Temer do que intervenção

Até agora, desfile da Tuiuti teve 26% mais repercussão do que ação militar no Rio; intervenção faz diminuir polarização Lula-Bolsonaro nas redes

6

Empresários rebatem defensores de Bolsonaro

Publicada pela piauí, entrevista com fundador da Tecnisa provocou reação da comunidade judaica. “Ele não tem legitimidade para falar em nosso nome”, disse ex-presidente da Confederação Israelita do Brasil

7

Conflito com Rede Globo é chave para candidatura de Huck

Apresentador tem até sexta para responder ultimato da emissora; disputa contratual pode ser usada contra pecha de “candidato da Globo”

8

Delegado da Polícia Federal quer mandados de busca coletivos em favelas cariocas

Para chefe antinarcóticos da PF no Rio, armas escondidas justificariam autorização judicial para busca indiscriminada em casas nos morros; defensoria diz que isso é “ilegal” e reforça “seletividade do sistema penal”

9

Temer vence 1ª batalha da longa guerra que começou no Rio

Dizendo-se contrário a como intervenção foi feita, Bolsonaro se posiciona para lucrar com sucesso ou fracasso da operação

10

Presos vigiam e ameaçam carcereiros no WhatsApp

Em cadeia sob o domínio da facção acusada pela maior chacina do Ceará, detentos "proíbem" agentes penitenciários de circular após as 22 horas