questões político-empresariais

O pato perde a cabeça

Fiesp fica sem presidente e dois vices por causa da eleição; sindicatos industriais criticam partidarização e uso eleitoreiro de uma das mais ricas federações empresariais do Brasil

Josette Goulart
08jun2018_17h21
ILUSTRAÇÃO: PAULA CARDOSO

A fragmentação da política brasileira nesta pré-campanha eleitoral extrapolou o ambiente dos partidos e chegou à Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, a Fiesp, um dos mais ricos sindicatos patronais do país. Nesta semana, um fato inédito se deu na Avenida Paulista, a mesma que tantas vezes abrigou o pato inflável manifestante. Três dos principais dirigentes deixaram a cúpula da entidade, cada um com um destino partidário diferente. O presidente Paulo Skaf, sob cuja gestão ascendeu o pato, deixou o comando para ser o candidato do MDB ao governo do estado de São Paulo. O dono da Companhia Siderúrgica Nacional e primeiro vice-presidente da federação, Benjamin Steinbruch, se colocou à disposição do PP para uma possível aliança com o presidenciável Ciro Gomes, do PDT. E Josué Gomes da Silva, vice-presidente, dono da Coteminas e filiado ao PR, também saiu da entidade para ser candidato em uma aliança em chapa majoritária.

A saída do presidente e dos dois vices reforça, na visão de alguns empresários ligados à entidade, o perfil eleitoreiro que hoje se instalou na Fiesp. O caminho de cada um dos dirigentes nestas eleições, no entanto, só será definido com segurança a partir das convenções partidárias do fim de julho, quando serão oficializados os candidatos. Até lá, o ambiente será de especulações e de negociações para formação de alianças. O cenário atual, no entanto, mostra que pelo menos um racha na Fiesp é evidente: o de Paulo Skaf e Benjamin Steinbruch, dono da siderúrgica CSN. 

O primeiro atrito, segundo uma fonte próxima de Skaf, foi quando Steinbruch se filiou ao PP, em abril. A relação se deteriorou mais ainda a partir da notícia de que Steinbruch está cotado a vice na chapa de Ciro Gomes – que tem repudiado, com declarações assertivas, qualquer aliança com o MDB. O dono da CSN, no entanto, tem tido há tempos uma atuação discreta na Fiesp, desde que sua empresa começou a passar por problemas financeiros e por dificuldades para reduzir sua dívida. A relação com Skaf teria começado a azedar dois anos antes, em 2016, quando o presidente da Fiesp, na avaliação de Steinbruch, não se empenhou suficientemente com o governo Temer para ajudar a Transnordestina, empresa de ferrovias que pertence ao dono da CSN e que já teve Ciro Gomes no comando.

O clima pesou ainda mais nesta semana, quando Steinbruch insinuou em sua carta de desligamento que a sucessão de Skaf não teria sido acertada com ele, que era o primeiro vice-presidente. Na terça-feira – antes, portanto, de Steinbruch oficializar sua saída –, a imprensa já noticiava que  o segundo vice-presidente, José Roriz Coelho, seria o novo presidente, o que de fato aconteceu.

Roriz chegou à Fiesp junto com Skaf, em 2004. Dois anos depois, tornou-se vice-presidente e ocupou, ao mesmo tempo, a diretoria de competitividade, tecnologia e economia. Por trinta anos, foi presidente de empresas ligadas ao setor petroquímico, de óleo e gás, de transformação plástica e de meio ambiente. Atualmente estava como presidente da Associação Brasileira da Indústria do Plástico e do sindicato do setor. Alguns empresários acreditam que Roriz não deve ter atuação relevante no período que ficar à frente da Fiesp e criticam seu desempenho à frente do departamento de competitividade. “A indústria só perdeu competitividade nos últimos anos, e os departamentos da Fiesp viraram lugar de convescote de relacionamento, não para se discutir ideias”, disse o representante de uma associação ligada à Fiesp.

O novo presidente da federação assume o cargo apenas por quatro meses, até o fim das eleições. Depois disso, Skaf deve assumir novamente. Se for eleito governador, terá que deixar o cargo em definitivo. Ele afirma que sua única opção é ser candidato ao governo do estado, mas existe ainda a possibilidade de se lançar ao Senado. Como senador, não precisaria deixar o cargo de presidente da Fiesp.

 

Ao deixar a federação, Skaf deixou os seus cuidando da casa. Além de Roriz na presidência da entidade, indicou interinamente para seu lugar na presidência do conselho do Sebrae-SP Tirso Meirelles, vice-presidente da Federação de Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo.

Na base dos sindicatos filiados à Fiesp, que assistem de longe a disputa de poder, cresce um descontentamento com a forma como a federação tem atuado, privilegiando um discurso mais eleitoreiro do que de apoio efetivo à indústria, na visão de alguns industriais. Há quem diga que, com a partidarização da entidade, a Fiesp virou nos últimos dez anos uma espécie de “mini-República”. O presidente precisa administrar os interesses de 123 sindicatos, dando cargos, visibilidade, ficando refém de politicagens para garantir apoio nas eleições internas. Skaf já se reelegeu duas vezes, a última no ano passado, e tem mandato até 2021. A crítica é de que para atender a demandas de sindicatos grandes e importantes, que conseguem reunir maior número de votos, a Fiesp adota discursos que vão contra a maior parte da indústria.

Além disso, as críticas também são a de que Skaf usa o sistema Fiesp para alcançar suas ambições políticas. Desta forma, teria feito campanha para a aprovação da medida provisória do setor elétrico, ainda no governo Dilma, que baixava o preço da luz para toda a população, mas não chegava à indústria. Ou quando lançou o pato, símbolo da reivindicação de redução de impostos, mas usado politicamente durante o processo de impeachment da ex-presidente, que foi sucedida por Michel Temer, do mesmo partido de Skaf.

Uma das críticas mais recentes de alguns industriais foi quanto à demora  da federação em questionar o tabelamento do frete que foi usado para acabar com a greve dos caminhoneiros. No início da semana, a Confederação Nacional da Agricultura se posicionou contra a tabela, que afeta diretamente as empresas que dependem do transporte de cargas. A Fiesp só fez isso de maneira mais efetiva na quinta, quando já estava sob o comando de Roriz, e quando o próprio governo federal já dava sinais de que voltaria atrás no uso do dispositivo. Hoje, durante sabatina do Uol, Skaf como pré-candidato criticou o tabelamento do frete e também defendeu o sucesso do seu pato, que segundo ele atingiu o objetivo de baixar impostos.

Paulo Skaf já está em sua terceira eleição, todas elas depois de ter assumido a Fiesp. A primeira delas foi em 2010 quando conseguiu pouco mais de um milhão de votos e não chegou nem ao segundo turno. Em 2014, ele ficou em segundo lugar, com 4,5 milhões de votos. Skaf atribui o bom resultado ao quanto foi ficando conhecido. Agora está com 15% das intenções de voto ao governo do estado, atrás do candidato João Doria, do PSDB, que tem 22%, segundo pesquisa Ibope.  

Desde que assumiu, a cada eleição Skaf deixou a instituição sob comando de terceiros para se dedicar a seu próprio projeto político, e aos poucos foi desmobilizando o protagonismo da federação. Em 2010, por causa desta ausência, a Fiesp deixou de realizar seu histórico debate entre presidenciáveis. Alguns industriais dizem que desde Mario Amato (presidente entre 1986 e 1992), a Fiesp foi perdendo relevância no debate político. Foi de Amato a célebre frase de que se Lula se elegesse em 1989, ano das primeiras eleições diretas pós-ditadura, 800 mil empresários deixariam o país. Mais tarde, o industrial reconheceu o exagero. Na época, a indústria representava 35% do PIB. Hoje não chega a 15%.

Josette Goulart (siga @JosetteGoulart no Twitter)

Repórter investigativa e documentarista. Trabalhou no Valor Econômico, O Estado de S. Paulo, entre outros

Leia também

Últimas Mais Lidas

O amigo oculto de Temer

Dono de empreiteira é apontado nas investigações como operador do ex-presidente

Um infográfico interativo sobre a avaliação do governo Bolsonaro

Clique nas setas para selecionar um grupo específico e conhecer os números

A vingança da Lava Jato

Após contra-ataque do Supremo, operação responde com prisão de Temer e recado a tribunal

Foro de Teresina extra: A prisão de Michel Temer

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Foro de Teresina #43: Viagem à Trumplândia e o troca-troca pela Previdência

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Aposta de alto risco

Bolsonaro deposita todas as fichas em “relação monogâmica” com Trump, com implicações para a autonomia do Brasil; cabe às alas mais moderadas do governo tentar reduzir danos dessa decisão

Bolsonaro desce a ladeira

Presidente perdeu 15 pontos de popularidade desde janeiro; segundo o Ibope, novo governo só tem 34% de ótimo e bom

Trilogia do Luto – filme como instrumento de vingança

Cristiano Burlan expõe memórias, culpa e busca por justiça no terceiro documentário sobre mortes na família

Marielle inspira ativismo cotidiano de mulheres anônimas

“Tem um legado que explodiu depois da morte. Ela já tinha história, mas virou um símbolo”

Mais textos
1

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

2

Bolsonaro desce a ladeira

Presidente perdeu 15 pontos de popularidade desde janeiro; segundo o Ibope, novo governo só tem 34% de ótimo e bom

3

Brutalidade que os laudos não contam

Na reconstituição da ação policial mais letal da década no Rio de Janeiro, vísceras à mostra e suspeitas de tortura

4

Foro de Teresina extra: A prisão de Michel Temer

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

5

Foro de Teresina #42: O caso Marielle avança, Bolsonaro tuíta e olavetes brigam por espaço

O podcast da piauí comenta os fatos da semana na política nacional

6

Uma investigação, duas narrativas

Fato incomum, delegado e promotoras dão entrevistas separadas sobre prisão de acusados de matar Marielle; governador pega carona

8

Minhas casas, minha vida

Patrimônio imobiliário da família Temer cresce quase cinco vezes em vinte anos e chega a 33 milhões de reais

9

Bolsonaro fala outra língua

O ex-capitão é o único presidenciável da era da conectividade

10

Aposta de alto risco

Bolsonaro deposita todas as fichas em “relação monogâmica” com Trump, com implicações para a autonomia do Brasil; cabe às alas mais moderadas do governo tentar reduzir danos dessa decisão