questões político-empresariais

O pato perde a cabeça

Fiesp fica sem presidente e dois vices por causa da eleição; sindicatos industriais criticam partidarização e uso eleitoreiro de uma das mais ricas federações empresariais do Brasil

Josette Goulart
08jun2018_17h21
ILUSTRAÇÃO: PAULA CARDOSO

A fragmentação da política brasileira nesta pré-campanha eleitoral extrapolou o ambiente dos partidos e chegou à Federação das Indústrias do Estado de São Paulo, a Fiesp, um dos mais ricos sindicatos patronais do país. Nesta semana, um fato inédito se deu na Avenida Paulista, a mesma que tantas vezes abrigou o pato inflável manifestante. Três dos principais dirigentes deixaram a cúpula da entidade, cada um com um destino partidário diferente. O presidente Paulo Skaf, sob cuja gestão ascendeu o pato, deixou o comando para ser o candidato do MDB ao governo do estado de São Paulo. O dono da Companhia Siderúrgica Nacional e primeiro vice-presidente da federação, Benjamin Steinbruch, se colocou à disposição do PP para uma possível aliança com o presidenciável Ciro Gomes, do PDT. E Josué Gomes da Silva, vice-presidente, dono da Coteminas e filiado ao PR, também saiu da entidade para ser candidato em uma aliança em chapa majoritária.

A saída do presidente e dos dois vices reforça, na visão de alguns empresários ligados à entidade, o perfil eleitoreiro que hoje se instalou na Fiesp. O caminho de cada um dos dirigentes nestas eleições, no entanto, só será definido com segurança a partir das convenções partidárias do fim de julho, quando serão oficializados os candidatos. Até lá, o ambiente será de especulações e de negociações para formação de alianças. O cenário atual, no entanto, mostra que pelo menos um racha na Fiesp é evidente: o de Paulo Skaf e Benjamin Steinbruch, dono da siderúrgica CSN. 

O primeiro atrito, segundo uma fonte próxima de Skaf, foi quando Steinbruch se filiou ao PP, em abril. A relação se deteriorou mais ainda a partir da notícia de que Steinbruch está cotado a vice na chapa de Ciro Gomes – que tem repudiado, com declarações assertivas, qualquer aliança com o MDB. O dono da CSN, no entanto, tem tido há tempos uma atuação discreta na Fiesp, desde que sua empresa começou a passar por problemas financeiros e por dificuldades para reduzir sua dívida. A relação com Skaf teria começado a azedar dois anos antes, em 2016, quando o presidente da Fiesp, na avaliação de Steinbruch, não se empenhou suficientemente com o governo Temer para ajudar a Transnordestina, empresa de ferrovias que pertence ao dono da CSN e que já teve Ciro Gomes no comando.

O clima pesou ainda mais nesta semana, quando Steinbruch insinuou em sua carta de desligamento que a sucessão de Skaf não teria sido acertada com ele, que era o primeiro vice-presidente. Na terça-feira – antes, portanto, de Steinbruch oficializar sua saída –, a imprensa já noticiava que  o segundo vice-presidente, José Roriz Coelho, seria o novo presidente, o que de fato aconteceu.

Roriz chegou à Fiesp junto com Skaf, em 2004. Dois anos depois, tornou-se vice-presidente e ocupou, ao mesmo tempo, a diretoria de competitividade, tecnologia e economia. Por trinta anos, foi presidente de empresas ligadas ao setor petroquímico, de óleo e gás, de transformação plástica e de meio ambiente. Atualmente estava como presidente da Associação Brasileira da Indústria do Plástico e do sindicato do setor. Alguns empresários acreditam que Roriz não deve ter atuação relevante no período que ficar à frente da Fiesp e criticam seu desempenho à frente do departamento de competitividade. “A indústria só perdeu competitividade nos últimos anos, e os departamentos da Fiesp viraram lugar de convescote de relacionamento, não para se discutir ideias”, disse o representante de uma associação ligada à Fiesp.

O novo presidente da federação assume o cargo apenas por quatro meses, até o fim das eleições. Depois disso, Skaf deve assumir novamente. Se for eleito governador, terá que deixar o cargo em definitivo. Ele afirma que sua única opção é ser candidato ao governo do estado, mas existe ainda a possibilidade de se lançar ao Senado. Como senador, não precisaria deixar o cargo de presidente da Fiesp.

 

Ao deixar a federação, Skaf deixou os seus cuidando da casa. Além de Roriz na presidência da entidade, indicou interinamente para seu lugar na presidência do conselho do Sebrae-SP Tirso Meirelles, vice-presidente da Federação de Agricultura e Pecuária do Estado de São Paulo.

Na base dos sindicatos filiados à Fiesp, que assistem de longe a disputa de poder, cresce um descontentamento com a forma como a federação tem atuado, privilegiando um discurso mais eleitoreiro do que de apoio efetivo à indústria, na visão de alguns industriais. Há quem diga que, com a partidarização da entidade, a Fiesp virou nos últimos dez anos uma espécie de “mini-República”. O presidente precisa administrar os interesses de 123 sindicatos, dando cargos, visibilidade, ficando refém de politicagens para garantir apoio nas eleições internas. Skaf já se reelegeu duas vezes, a última no ano passado, e tem mandato até 2021. A crítica é de que para atender a demandas de sindicatos grandes e importantes, que conseguem reunir maior número de votos, a Fiesp adota discursos que vão contra a maior parte da indústria.

Além disso, as críticas também são a de que Skaf usa o sistema Fiesp para alcançar suas ambições políticas. Desta forma, teria feito campanha para a aprovação da medida provisória do setor elétrico, ainda no governo Dilma, que baixava o preço da luz para toda a população, mas não chegava à indústria. Ou quando lançou o pato, símbolo da reivindicação de redução de impostos, mas usado politicamente durante o processo de impeachment da ex-presidente, que foi sucedida por Michel Temer, do mesmo partido de Skaf.

Uma das críticas mais recentes de alguns industriais foi quanto à demora  da federação em questionar o tabelamento do frete que foi usado para acabar com a greve dos caminhoneiros. No início da semana, a Confederação Nacional da Agricultura se posicionou contra a tabela, que afeta diretamente as empresas que dependem do transporte de cargas. A Fiesp só fez isso de maneira mais efetiva na quinta, quando já estava sob o comando de Roriz, e quando o próprio governo federal já dava sinais de que voltaria atrás no uso do dispositivo. Hoje, durante sabatina do Uol, Skaf como pré-candidato criticou o tabelamento do frete e também defendeu o sucesso do seu pato, que segundo ele atingiu o objetivo de baixar impostos.

Paulo Skaf já está em sua terceira eleição, todas elas depois de ter assumido a Fiesp. A primeira delas foi em 2010 quando conseguiu pouco mais de um milhão de votos e não chegou nem ao segundo turno. Em 2014, ele ficou em segundo lugar, com 4,5 milhões de votos. Skaf atribui o bom resultado ao quanto foi ficando conhecido. Agora está com 15% das intenções de voto ao governo do estado, atrás do candidato João Doria, do PSDB, que tem 22%, segundo pesquisa Ibope.  

Desde que assumiu, a cada eleição Skaf deixou a instituição sob comando de terceiros para se dedicar a seu próprio projeto político, e aos poucos foi desmobilizando o protagonismo da federação. Em 2010, por causa desta ausência, a Fiesp deixou de realizar seu histórico debate entre presidenciáveis. Alguns industriais dizem que desde Mario Amato (presidente entre 1986 e 1992), a Fiesp foi perdendo relevância no debate político. Foi de Amato a célebre frase de que se Lula se elegesse em 1989, ano das primeiras eleições diretas pós-ditadura, 800 mil empresários deixariam o país. Mais tarde, o industrial reconheceu o exagero. Na época, a indústria representava 35% do PIB. Hoje não chega a 15%.

Josette Goulart (siga @JosetteGoulart no Twitter)

Repórter investigativa e documentarista. Trabalhou no Valor Econômico, O Estado de S. Paulo, entre outros

Leia também

Últimas Mais Lidas

Mulheres de “facção”

Sem emprego formal, costureiras trabalham até 14 horas por dia para intermediários da indústria da moda, as chamadas “facções”

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

Foro de Teresina #30: A briga pelo Senado, os generais de Bolsonaro e a política do futebol

Podcast da piauí analisa os fatos da semana na política nacional

Maria Vai com as Outras ao vivo: Andréia Sadi e a mulher no jornalismo

O programa especial foi gravado no Festival piauí GloboNews de Jornalismo

Guedes e Itamaraty brigam por comércio exterior

Sem combinar um com o outro, futuros ministros da Economia e das Relações Exteriores incluem sob seu comando a agência de promoção de investimentos fora do país

O homem-viaduto

Sem-teto vive dentro de um buraco no elevado mais famoso de São Paulo; como o Minhocão, 73 pontes e viadutos têm problemas estruturais na cidade

Mais textos
1

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

2

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

3

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

4

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

6

O homem-viaduto

Sem-teto vive dentro de um buraco no elevado mais famoso de São Paulo; como o Minhocão, 73 pontes e viadutos têm problemas estruturais na cidade

7

Guedes e Itamaraty brigam por comércio exterior

Sem combinar um com o outro, futuros ministros da Economia e das Relações Exteriores incluem sob seu comando a agência de promoção de investimentos fora do país

8

A baleia branca de Rodolfo Landim

O ex-executivo de Eike Batista julga ser responsável por parte considerável do sucesso empresarial do homem mais rico do Brasil. Agora, com a obstinação de quem não gosta de perder nem pelada, parte para buscar o que considera seu

9

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

10

O pior está por vir

Polarização, teorias conspiratórias, ataques à imprensa – como uma democracia pode acabar