anais da antropologia

O povo que fez do pinhão uma floresta

Pesquisa inédita revela que as matas de araucária do sul do Brasil foram plantadas por tribos Jês há mil anos; espécie está ameaçada de extinção

Reinaldo José Lopes
01jun2018_08h30
FOTO: DIVULGAÇÃO/JE LANDSCAPES PROJECT/ UNIVERSIDADE DE EXETER

Quando os europeus começaram a chegar às áreas montanhosas da região Sul do Brasil, encontraram majestosas florestas nas quais predominava a araucária ou pinheiro-do-paraná (Araucaria angustifolia), espécie dizimada nos séculos seguintes por causa da excelência de sua madeira, e ainda hoje sob risco de extinção. Uma nova análise arqueológica fortalece a ideia de que a vastidão das matas de araucária do sul pré-cabralino também foi, em grande parte, causada pela ação humana: a floresta se expandiu justamente numa época em que o clima era desfavorável ao seu crescimento e tem associação estreita com os assentamentos das principais sociedades indígenas dos planaltos sulinos.

A descoberta faz parte de um grande esforço de arqueólogos do Brasil e do Reino Unido para mudar a compreensão sobre o passado indígena dessas regiões. Tais áreas elevadas eram o domínio de grupos conhecidos coletivamente como Proto-Jê, cujos descendentes atuais são as etnias Kaingang e Xokleng. Em tempos recentes, eles eram vistos como grupos relativamente pouco organizados e sem grande produção agrícola. Mas os dados arqueológicos levantados nos últimos anos sugerem a existência de sociedades populosas, produtivas, dedicadas à construção de monumentos funerários com terra batida e em processo de consolidação política, com a formação das chamadas chefias de escala regional, nas quais várias aldeias ficavam sob a hegemonia de um único líder.

“Não há dúvida de que eles tinham absoluta consciência do que estavam fazendo [ao estimular a expansão das araucárias]”, disse o arqueólogo brasileiro Jonas Gregorio de Souza, da Universidade de Exeter (oeste da Inglaterra), um dos autores do novo estudo na revista especializada Scientific Reports. Souza citou o conceito de “landesque capital”, usado para definir a criação, pela mão humana, de ambientes de larga escala que favorecem a subsistência de uma sociedade no longo prazo. “Você modifica a paisagem não só para o seu benefício, mas também para o de várias gerações seguintes. No caso da araucária, uma árvore que demora uns quarenta anos para chegar à maturidade, isso é muito claro, porque você não vai ter um aproveitamento imediato daquilo.”

 

O primeiro passo da equipe, que inclui também pesquisadores da USP e da Universidade Federal de Pelotas, foi examinar a distribuição geográfica moderna das matas de araucária e compará-la com os dados paleoclimáticos e paleoecológicos, ou seja, como teriam variado o clima e os ambientes sulinos ao longo dos últimos milênios.

Eles verificaram, em primeiro lugar, que esse tipo de floresta, que abriga ainda espécies como a Ilex paraguariensis, a célebre erva-mate, passou por uma fase inicial de expansão entre 4 500 e 3 000 anos atrás, época em que ainda havia poucos sinais de atividade agrícola e sedentarismo na região. Nessa fase, o crescimento das araucárias se concentrou principalmente à beira de rios do planalto. Depois disso, há um longo período de estagnação desse avanço, que retorna, de modo rápido e amplo, entre 1 500 e 1 000 anos atrás, coincidindo com uma fase de expansão e aumento da complexidade e tamanho dos assentamentos Proto-Jê.

Mas, como sabe qualquer um que conheça os rudimentos da metodologia científica, correlação não significa causa – mesmo que o crescimento dos Proto-Jê e o das matas de araucária coincidam, isso não significa, necessariamente, que o primeiro teria causado o segundo (ou vice-versa). Um primeiro elemento que ajuda a quebrar esse impasse vem dos dados paleoclimáticos. Araucárias se dão melhor em ambientes mais úmidos e, de fato, a região Sul passou por um aumento da umidade na primeira fase de expansão das matas, por volta de 4 000 anos atrás – mas não na segunda fase. Aliás, enquanto assentamentos indígenas e florestas cresciam cerca de 1 000 anos atrás, a região estava ficando mais seca. Ou seja, se dependessem apenas de causas naturais, as araucárias deveriam ter se retraído, sendo substituídas por gramíneas.

O passo seguinte foi tentar comparar o que acontecia com a mata em regiões com alta concentração de sítios arqueológicos e outras em que não existiam assentamentos pré-cabralinos. A ideia era produzir um modelo do habitat “100% natural” das araucárias e ver se ele batia com a distribuição das árvores em todos os lugares. Para isso, os pesquisadores compararam Campo Belo do Sul, em Santa Catarina, habitado pelos Proto-Jê, com Lages, 60 quilômetros a leste, sem a presença de aldeias pré-históricas. Para minimizar a possível influência das derrubadas mais recentes na interpretação dos dados, a equipe teve ainda o cuidado de usar imagens de satélite dos anos 60 na análise.

Resultado: os dois cenários simplesmente não batem. A distribuição da floresta em Lages, teoricamente mais “natural”, concentra-se em áreas um pouco mais baixas e encostas voltadas para o sul, enquanto as araucárias de Campo Belo do Sul são comuns também em áreas mais altas e encostas voltadas para o norte. “Essa preferência pelo sul das araucárias é bem conhecida na literatura botânica”, conta Souza. “Parece ter a ver com a direção predominante dos ventos e com a iluminação que as plantas recebem, o que favorece seu crescimento.” Então, como elas chegaram às encostas ao norte?

A última peça do quebra-cabeça veio da análise e da datação dos solos onde as árvores crescem. Ocorre que diferentes tipos de vegetais incorporam proporções ligeiramente distintas de isótopos (variantes) do elemento químico carbono em seu organismo conforme fazem fotossíntese e crescem. Desse ponto de vista, árvores como as araucárias são classificadas como plantas C3 e usam menos o isótopo chamado de carbono-13 em seu metabolismo do que as gramíneas tropicais, chamadas de plantas C4. Conforme as plantas vão morrendo, essas diferentes proporções de carbono-13 vão sendo incorporadas ao solo, deixando um registro das mudanças de vegetação em cada lugar. De quebra, é possível datar essa variação ao longo do tempo.

O que os pesquisadores viram é que, enquanto locais desabitados como Lages possuem um perfil estável de isótopos de carbono ao longo de milênios, áreas com sítios arqueológicos que antes tinham gramíneas passam por uma mudança nas variantes do elemento químico em seu solo que só podem significar a chegada de araucárias em massa à paisagem – e isso justamente no período que coincide com a ocupação indígena. Os ancestrais dos Kaingang e Xokleng, portanto, de alguma forma estavam atuando como semeadores da floresta, levando-a para locais onde não cresceria naturalmente e usufruindo dos muitos recursos que ela oferece, como os saborosos e nutritivos pinhões.

Pinhão analisado pelos pesquisadores em Santa Catarina

 

É importante frisar a expressão “de alguma forma” porque não há indícios claros de plantio em grande escala de araucárias nos dados etnográficos sobre essas populações. O processo pode ter sido mais passivo, pondera Souza: coletando grandes quantidades de pinhão e carregando-as consigo quando fundavam novos assentamentos, os indígenas fatalmente deixariam de consumir algumas das sementes, que acabariam germinando. Processos desse tipo continuam acontecendo ainda hoje em comunidades tradicionais da região.

Seja como for, a simbiose com as araucárias, bem como lavouras de mandioca, feijão e abóbora, levou à construção de grandes aldeias com centenas de casas semissubterrâneas e monumentos funerários como montículos de terra no alto dos morros ou grandes anéis de terra batida, com dezenas de metros de diâmetro e até 1 metro de altura. Nesses montes podiam ser depositados os ossos de defuntos da “nobreza” Proto-Jê depois de cerimônias de cremação.

A grandiosidade desses monumentos, aliás, fica mais marcada com o aparecimento dos grupos Guarani na região, vindos do oeste e do norte, talvez como sinalização simbólica dos chefes dos grupos Proto-Jê contra a ameaça representada pelos forasteiros. Desse ponto de vista, as matas de araucária e as aldeias ligadas a elas podem ser consideradas fortalezas desse povo nos planaltos sulinos.

Reinaldo José Lopes (siga @reinaldojlopes no Twitter)

Reinaldo José Lopes é jornalista de ciência, colunista da Folha de S.Paulo e autor do livro 1499: O Brasil Antes de Cabral (2017)

Leia também

Relacionadas Últimas

Tupi or not Tupi… a questão é climática

Novo estudo mostra como a maior incidência de chuvas expandiu a floresta tropical e ajudou os Tupis-Guaranis a conquistarem boa parte da América do Sul

O lobby como antídoto

O grupo de pressão da indústria perdeu a sétima batalha seguida para o lobby dos artistas e ambientalistas na votação do “PL do Veneno” – mas a guerra continua

Do inferno ao céu, de chuteiras

Em vídeo da série "Diz aí, mestre", os campeões mundiais Nilton Santos e Tostão e o técnico do time de 82 e 86, Telê Santana, investigam o caso de amor e ódio do torcedor brasileiro com a sua seleção

Foro de Teresina #6: O aborto na eleição, os paradoxos de Marina e a absolvição de Gleisi

O podcast de política da piauí debate o impacto da descriminalização do aborto na Argentina sobre as eleições brasileiras, as contradições de Marina Silva e o revés da Lava Jato no caso Gleisi Hoffmann

Uma finta na idade

Zizinho e Ademir da Guia falam da dor de deixar os gramados e das artimanhas do craque para adiar o fim da carreira

Tudo o que você não quer e não precisa saber sobre a Copa #2

Em seu segundo episódio, o podcast que não tem compromisso com a eternidade debate o talento da equipe do Marrocos e o potencial sísmico dos torcedores mexicanos

45 anos de pena por um palpite errado

Titular da seleção de 50, Barbosa lembra o quanto custa o erro de um goleiro numa Copa do Mundo; De Gea é candidato a descobrir

Didi ensina a arte do meia-armador, aquele que Tite não tem

Série “Diz aí, mestre” recupera entrevistas com os grandes da seleção brasileira

Tudo o que você não quer e não precisa saber sobre a Copa #1

O podcast que não vai falar sobre o quinto metatarso do Neymar

Nilton Santos e Didi contam como driblavam o medo antes da estreia

Até o fim da Copa, a série “Diz aí, mestre” recupera histórias de jogadores das principais seleções brasileiras em mundiais

Sobe balão de filho de José Alencar para o lugar de Lula

Empresário que deixou a vice-presidência da Fiesp para ser candidato em outubro agora é cotado para o papel do vice que pode chegar a titular em chapa PT-PR

Mais textos
1

Tudo o que você não quer e não precisa saber sobre a Copa #1

O podcast que não vai falar sobre o quinto metatarso do Neymar

2

Série da piauí traz vídeos inéditos de craques das Copas

Em “Diz aí, mestre”, jogadores como Nilton Santos, Didi, Vavá e Bellini recuperam histórias de seus mundiais para iluminar a Copa de 2018

3

Deu zika no caixa

PCC transmite técnica de explodir caixas eletrônicos sem inutilizar as cédulas e detona epidemia de ataques a bomba no Rio

4

Nilton Santos e Didi contam como driblavam o medo antes da estreia

Até o fim da Copa, a série “Diz aí, mestre” recupera histórias de jogadores das principais seleções brasileiras em mundiais

5

Didi ensina a arte do meia-armador, aquele que Tite não tem

Série “Diz aí, mestre” recupera entrevistas com os grandes da seleção brasileira

6

Sobe balão de filho de José Alencar para o lugar de Lula

Empresário que deixou a vice-presidência da Fiesp para ser candidato em outubro agora é cotado para o papel do vice que pode chegar a titular em chapa PT-PR

7

O raro êxodo do Bolsa Família

Cada vez menos voluntários como Toninho pedem para sair do programa de ajuda: número de famílias que abre mão do benefício caiu à metade desde 2013

8

Uma finta na idade

Zizinho e Ademir da Guia falam da dor de deixar os gramados e das artimanhas do craque para adiar o fim da carreira