obituário

Pivô do escândalo Fifa, J. Hawilla morre em São Paulo

Em acordo de delação em 2013, o empresário confessou crimes e teve de pagar 151 milhões de dólares ao governo norte-americano

Allan de Abreu
25maio2018_11h39
FOTO: Leticia Moreira/Folhapress

Oempresário José Hawilla, 74 anos, pivô do escândalo Fifa, morreu na manhã desta sexta-feira, 25 de maio, em São Paulo, em decorrência de problemas pulmonares. Ele estava internado desde a última segunda-feira no Hospital Sírio-Libanês, na capital paulista.

J. Hawilla, como era conhecido, retornara ao Brasil em fevereiro deste ano, após quase cinco anos de exílio forçado nos Estados Unidos, onde foi preso em maio de 2013 pelo FBI, acusado pelo crime de obstrução de Justiça. Desde então, tornou-se delator a serviço da polícia norte-americana, implodindo um grande esquema de corrupção no futebol das Américas.

A volta ao Brasil ocorreu antes mesmo da sentença contra o empresário, marcada para outubro deste ano. “Voltei de vez”, disse à piauí na ocasião. “Estava [proibido de voltar], mas acabou o processo.”

No acordo de delação, denominado “plea bargain”, Hawilla confessou a prática dos crimes de formação de quadrilha, fraude eletrônica, lavagem de dinheiro e obstrução de Justiça, e teve de pagar 151 milhões de dólares de multa ao governo norte-americano.

Nascido em São José do Rio Preto, Hawilla começou ainda adolescente a trabalhar no rádio. Tornou-se repórter de campo em transmissões de partidas de futebol em emissoras do interior paulista e, a partir de 1968, em São Paulo, primeiro na rádio Bandeirantes, e, depois, na Rede Globo.

Demitido durante a greve dos jornalistas em 1979, comprou no ano seguinte a Traffic, empresa de marketing em pontos de ônibus da capital. Mudou o foco de atuação da firma e passou a instalar placas de publicidade na beira do gramado. Nos fim dos anos 90, ampliou o ramo de atuação e começou a negociar com a Confederação Brasileira de Futebol, a CBF, e a Confederação Sul-Americana de Futebol, a Conmebol, a compra de direitos de transmissão no rádio e na tevê de partidas das seleções do Brasil e da América do Sul. Quase sempre à base de propinas milionárias.

Em 1996, ele e o então presidente da CBF, Ricardo Teixeira, assinaram um contrato de 160 milhões de reais com a Nike para o fornecimento de material esportivo para a Seleção. O acordo foi alvo de duas CPIs no Congresso em 2000, das quais Hawilla foi inocentado. Somente na delação ao FBI ele confessou ter dividido propina da Nike com Teixeira.

Em 2003, o empresário anunciou a compra de quatro afiliadas da Rede Globo no interior paulista, formando a rede TV TEM. Hawilla também era proprietário de uma construtora, de uma produtora de tevê e de fazendas no interior de São Paulo e em Mato Grosso. Seu patrimônio é estimado em 500 milhões de dólares. Entre 2005 e 2013, foi dono da rede de jornais Bom Dia, no interior paulista.

Em dezembro de 2014, ao oficializar a sua delação à Justiça norte-americana, Hawilla havia sido curado recentemente de um câncer na garganta e sofria com os sintomas iniciais de uma doença grave nos pulmões, denominada DPOC (doença pulmonar obstrutiva crônica), decorrente do cigarro – Hawilla foi fumante nas décadas de 70 e 80.

A doença evoluiu ao ponto de, no fim de 2017, o empresário prestar depoimento com o uso de um balão de oxigênio como testemunha no julgamento de José Maria Marin, ex-presidente da CBF que sucedeu Teixeira. Durante muitos momentos, diante da juíza e dos jurados, aparentou extremo cansaço.

No retorno ao Brasil em fevereiro, Hawilla passou mal no voo entre Miami e São Paulo. Desde então, levava uma vida reclusa, entre São Paulo e São José do Rio Preto. Ele deixa a mulher Eliani, os filhos Stefano, Renata e Rafael e netos. O sepultamento está marcado para esta sexta-feira, às 17 horas, no cemitério Gethsêmani, em São Paulo.

Allan de Abreu (siga @allandeabreu1 no Twitter)

Repórter da piauí, é autor dos livros O Delator e Cocaína: a Rota Caipira, ambos publicados pela Record

Leia também

Relacionadas Últimas

Pivo de escândalo Fifa volta ao Brasil “de vez”

J. Hawilla disse à piauí que foi liberado para voltar dos Estados Unidos, onde confessou crimes como lavagem de dinheiro e obstrução de Justiça; preso em 2013, fez acordo para delatar cartolas

No submundo do marketing político

Como funciona o mercado ilegal de santinhos virtuais via zap

Bolsonaro traz o futuro prometido

O Brasil será o primeiro do mundo a entrar na hiper-história

Subordinação e rebeldia

Nem todos irão bater continência para o capitão

Exclusão de perfil irregular no WhatsApp não bloqueia rede de desinformação

Mesmo que aplicativo suspenda contas com acesso indevido a bases de usuários, grupos continuam ativos

Eleição explode no YouTube após 1º turno

Volume de vídeos produzidos sobre Bolsonaro e Haddad em uma semana após a votação supera os três meses anteriores; petista é maior alvo

Tempos assombrosos

O que assusta mais: o futuro político do país ou um ente sobrenatural?

Pelo porto de Santos, duas décadas de propinas

Relatório da Polícia Federal revela como Temer, um coronel aposentado, um arquiteto e um economista forjaram um esquema de desvios milionários que começou em 1995

Sergei Loznitsa – decadência e degradação onipresentes

A Rússia filmada pelo cineasta ucraniano mostra ao resto do mundo qual caminho não seguir

Deu no celular

Fim do lulismo, campanha via smartphone e a era da desinformação

No Brasil, passeata passa antes pela escola

Pesquisa da Pew Research mostra que 29% dos brasileiros mais escolarizados dizem participar de protestos, contra 8% dos que têm menos anos de estudo – a maior diferença entre 14 países

Mais textos
1

Os formadores da onda

SuperPop, comunismo e Lava Jato: sete eleitores de uma mesma família no Rio de Janeiro enumeram as razões por que votam em Bolsonaro

2

O candidato do colapso

Poder de Bolsonaro nasceu da devastação social e dela dependerá

3

E se o Brasil sair do Acordo de Paris?

O que Bolsonaro precisa fazer para abandonar o tratado climático, e como o recuo ameaça a parceria comercial bilionária com a União Europeia

4

Vivi na pele o que aprendi nos livros

Um encontro com o patrimonialismo brasileiro*

5

A imprensa precisa fazer autocrítica

Foram anos tratando o inaceitável como controverso ou mesmo engraçado

6

Dois empresários paulistas contam por que estimulam Bolsonaro

Fundador da Tecnisa e dono de empresa de monitoramento de mídia marcam encontros entre pré-candidato e comunidade judaica de São Paulo. “Apoio quem seja contra a esquerda”, resume incorporador

7

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

8

Deu no celular

Fim do lulismo, campanha via smartphone e a era da desinformação

9

Pelo porto de Santos, duas décadas de propinas

Relatório da Polícia Federal revela como Temer, um coronel aposentado, um arquiteto e um economista forjaram um esquema de desvios milionários que começou em 1995

10

Correndo riscos

Eficiente na campanha, o medo não serve a Bolsonaro para governar o país