obituário

Pivô do escândalo Fifa, J. Hawilla morre em São Paulo

Em acordo de delação em 2013, o empresário confessou crimes e teve de pagar 151 milhões de dólares ao governo norte-americano

Allan de Abreu
25maio2018_11h39
FOTO: Leticia Moreira/Folhapress

Oempresário José Hawilla, 74 anos, pivô do escândalo Fifa, morreu na manhã desta sexta-feira, 25 de maio, em São Paulo, em decorrência de problemas pulmonares. Ele estava internado desde a última segunda-feira no Hospital Sírio-Libanês, na capital paulista.

J. Hawilla, como era conhecido, retornara ao Brasil em fevereiro deste ano, após quase cinco anos de exílio forçado nos Estados Unidos, onde foi preso em maio de 2013 pelo FBI, acusado pelo crime de obstrução de Justiça. Desde então, tornou-se delator a serviço da polícia norte-americana, implodindo um grande esquema de corrupção no futebol das Américas.

A volta ao Brasil ocorreu antes mesmo da sentença contra o empresário, marcada para outubro deste ano. “Voltei de vez”, disse à piauí na ocasião. “Estava [proibido de voltar], mas acabou o processo.”

No acordo de delação, denominado “plea bargain”, Hawilla confessou a prática dos crimes de formação de quadrilha, fraude eletrônica, lavagem de dinheiro e obstrução de Justiça, e teve de pagar 151 milhões de dólares de multa ao governo norte-americano.

Nascido em São José do Rio Preto, Hawilla começou ainda adolescente a trabalhar no rádio. Tornou-se repórter de campo em transmissões de partidas de futebol em emissoras do interior paulista e, a partir de 1968, em São Paulo, primeiro na rádio Bandeirantes, e, depois, na Rede Globo.

Demitido durante a greve dos jornalistas em 1979, comprou no ano seguinte a Traffic, empresa de marketing em pontos de ônibus da capital. Mudou o foco de atuação da firma e passou a instalar placas de publicidade na beira do gramado. Nos fim dos anos 90, ampliou o ramo de atuação e começou a negociar com a Confederação Brasileira de Futebol, a CBF, e a Confederação Sul-Americana de Futebol, a Conmebol, a compra de direitos de transmissão no rádio e na tevê de partidas das seleções do Brasil e da América do Sul. Quase sempre à base de propinas milionárias.

Em 1996, ele e o então presidente da CBF, Ricardo Teixeira, assinaram um contrato de 160 milhões de reais com a Nike para o fornecimento de material esportivo para a Seleção. O acordo foi alvo de duas CPIs no Congresso em 2000, das quais Hawilla foi inocentado. Somente na delação ao FBI ele confessou ter dividido propina da Nike com Teixeira.

Em 2003, o empresário anunciou a compra de quatro afiliadas da Rede Globo no interior paulista, formando a rede TV TEM. Hawilla também era proprietário de uma construtora, de uma produtora de tevê e de fazendas no interior de São Paulo e em Mato Grosso. Seu patrimônio é estimado em 500 milhões de dólares. Entre 2005 e 2013, foi dono da rede de jornais Bom Dia, no interior paulista.

Em dezembro de 2014, ao oficializar a sua delação à Justiça norte-americana, Hawilla havia sido curado recentemente de um câncer na garganta e sofria com os sintomas iniciais de uma doença grave nos pulmões, denominada DPOC (doença pulmonar obstrutiva crônica), decorrente do cigarro – Hawilla foi fumante nas décadas de 70 e 80.

A doença evoluiu ao ponto de, no fim de 2017, o empresário prestar depoimento com o uso de um balão de oxigênio como testemunha no julgamento de José Maria Marin, ex-presidente da CBF que sucedeu Teixeira. Durante muitos momentos, diante da juíza e dos jurados, aparentou extremo cansaço.

No retorno ao Brasil em fevereiro, Hawilla passou mal no voo entre Miami e São Paulo. Desde então, levava uma vida reclusa, entre São Paulo e São José do Rio Preto. Ele deixa a mulher Eliani, os filhos Stefano, Renata e Rafael e netos. O sepultamento está marcado para esta sexta-feira, às 17 horas, no cemitério Gethsêmani, em São Paulo.

Allan de Abreu (siga @allandeabreu1 no Twitter)

Repórter da piauí, é autor dos livros O Delator e Cocaína: a Rota Caipira, ambos publicados pela Record

Leia também

Relacionadas Últimas

Pivo de escândalo Fifa volta ao Brasil “de vez”

J. Hawilla disse à piauí que foi liberado para voltar dos Estados Unidos, onde confessou crimes como lavagem de dinheiro e obstrução de Justiça; preso em 2013, fez acordo para delatar cartolas

Do porto de Santos à marina em Miami

Afilhado político de Temer que comandou Codesp acumula patrimônio milionário e offshore no Caribe

O Brasil dos debates e o Brasil real

Temos apenas 45 dias para falar sobre os reais problemas do país

Foro de Teresina #14: O ventríloquo de Haddad, a sucessão no Rio e o primeiro-ministro de Bolsonaro

O podcast de política da piauí debate os desdobramentos mais recentes da corrida eleitoral

O Animal Cordial – horas de desespero em noite de cão

Para crítico, a violência extrema anula os propósitos libertários almejados pelo longa

Muito Deus, pouca mulher

Uma análise visual dos programas de governo dos candidatos a presidente

Tempo eleitoral: modos de usar

Os dilemas do PSDB e do PT numa disputa atípica

Produtor de soja do MS é autor de “outdoor rural” pró-Bolsonaro

Projeto Comprova descobriu quem é o responsável pela imagem que viralizou e circula na internet desde o ano passado

A culpa do alto clero

Arranjo institucional do país aumenta a influência do dinheiro na política

O Grenal das vices

20 perguntas para mostrar as muitas diferenças e os poucos pontos em comum entre as gaúchas Manuela D’Ávila e Ana Amélia

Bolsonaro fala outra língua

O ex-capitão é o único presidenciável da era da conectividade

Mais textos
1

O debate traduzido para o mercado financeiro

Em pesquisa para bancos, Ciro foi apontado como o candidato mais simpático, e Bolsonaro, o mais alvejado; piauí acompanhou o programa em consultoria que monitora redes sociais para as instituições

2

A guerra do PCC

Facção se internacionaliza com tráfico de cocaína, e pela primeira vez Marcola vê seu poder ameaçado

3

Alexandre, o Grande

Lembranças de uma vida inimitável

4

Bolsonaro fala outra língua

O ex-capitão é o único presidenciável da era da conectividade

5

A morte de um “X-9” ameaça a paz de Marcola no PCC

Galo Cego era considerado um traidor por parte da facção; foi a quinta morte na guerra interna do “partido”

6

O Grenal das vices

20 perguntas para mostrar as muitas diferenças e os poucos pontos em comum entre as gaúchas Manuela D’Ávila e Ana Amélia

7

Muito Deus, pouca mulher

Uma análise visual dos programas de governo dos candidatos a presidente

8

No sofá, com a crise

Desempregados passam a lavar carros em ruas do Rio e serviço conta até com sofá para os clientes. Um deles pergunta: “Prefere que eu assalte?”

9

Dívida milionária, tortura psicológica e chacina sem tiros intrigam polícia

Em Santa Catarina, família é assassinada com uso de técnica de asfixia química até então desconhecida por investigadores

10

Minhas casas, minha vida

Patrimônio imobiliário da família Temer cresce quase cinco vezes em vinte anos e chega a 33 milhões de reais