questões da sucessão

PSB veta apoio a Alckmin

Resolução contra tucanos aprovada pelo partido aposta em Joaquim Barbosa, mas deixa brecha para Ciro Gomes

Allan de Abreu e José Roberto de Toledo
09mar2018_13h15
ILUSTRAÇÃO: JOÃO BRIZZI

O PSB fechou as portas para o presidenciável do PSDB, Geraldo Alckmin, contra a vontade do maior aliado do tucano entre os socialistas, o vice-governador paulista Márcio França. Com o veto do partido a uma aliança com Alckmin e sem o apoio do PSDB à sua pré-candidatura a governador, França namora outros presidenciáveis, entre eles o senador Álvaro Dias, do Podemos. Ele nega que as articulações indiquem uma traição ao “padrinho” tucano, mas admite o desconforto. “Vamos fazer de um jeito que diminua o constrangimento”, disse França à piauí.

O primeiro revés para o vice-governador veio no último fim de semana, quando o congresso nacional do PSB aprovou uma resolução antitucanos: a sigla não apoiará candidato a presidente que defenda as reformas da Previdência e trabalhista ou que pregue as privatizações da Eletrobras e da Petrobras. Apesar de não explicitar o nome do governador paulista, o texto mirou as pretensões de França em levar o PSB a apoiar o PSDB.

A resolução aprovada durante o congresso que ocorreu em Brasília previu três rumos possíveis para a sigla tomar na eleição presidencial: 1) ter candidatura própria, 2) não apoiar ninguém ou 3) aliar-se apenas a candidatos ditos “progressistas”, definidos por não defenderem as reformas do governo Temer e se oporem à privatização de quaisquer empresas estatais federais.

A primeira opção foi redigida para permitir – primordialmente – a candidatura do ex-presidente do Supremo Tribunal Federal Joaquim Barbosa. A segunda é para a eventualidade de o magistrado não se filiar ao PSB. A terceira, para garantir que o partido não acabe na coligação do tucano – sem descartar a possibilidade de vir a apoiar a candidatura de Ciro Gomes (PDT).

França defende abertamente a segunda opção. “[Ter um candidato] atrapalha muito os arranjos estaduais”, afirmou. O vice-governador disse ter recebido o apoio formal do Podemos e do PSC e já iniciou conversas com os presidenciáveis dos dois partidos, Álvaro Dias e Paulo Rabello de Castro, respectivamente.

França não terá o apoio formal dos tucanos, já que o prefeito de São Paulo, João Doria, deve anunciar na segunda-feira, dia 12, sua pré-candidatura ao governo paulista. “Com 23 anos governando o estado, não dá para o partido abrir mão de um candidato próprio”, afirma um aliado do prefeito. Assim, Alckmin deverá dispor de dois palanques em São Paulo – o tucano defendia o apoio do partido a França.

Na disputa com Doria pelo apoio do presidenciável tucano, França garante contar com a preferência de Alckmin. “Eu me sinto escolhido [por ele] para sucedê-lo”, afirmou. O atual vice-governador, que assume o cargo no próximo mês, também diz ter o apoio de parte do PSDB paulista, incluindo o ex-presidente da Assembleia Legislativa Barros Munhoz e o prefeito de Santos, sua terra natal, Paulo Alexandre Barbosa. E alfineta Doria. “Ajudamos a construir a candidatura dele na promessa de que cumpriria na íntegra o seu mandato [de prefeito]. Certamente vai haver frustração no eleitorado paulistano.”

 

O socialista procura enaltecer os aspectos favoráveis de sua pré-candidatura, mas o fato é que perdeu poder dentro do seu partido. No congresso nacional do PSB, a sigla ampliou a presença do grupo ligado ao ex-governador Eduardo Campos na executiva nacional, em uma manobra capitaneada pelo presidente nacional do partido, Carlos Siqueira, reconduzido ao posto. A estratégia passou pelo aumento de nove assentos na executiva, de 34 para 43 integrantes. Isso possibilitou ampliar a participação da ala pernambucana de cinco para sete representantes, incluindo o filho de Campos, João Henrique, pré-candidato a deputado federal.

França, que chegou a cogitar uma disputa à presidência nacional do partido, permaneceu no mesmo posto na executiva, o de secretário de Finanças, e manteve seus dois aliados, ambos paulistas: o prefeito de Campinas, Jonas Donizette, e o ex-prefeito de São José do Rio Preto, Valdomiro Lopes. A influência de França na Executiva, porém, acabou diluída diante do aumento de seus integrantes.

Apesar do embate interno de forças, o congresso do PSB, que começou na quinta-feira, dia 1º, e foi até o sábado passado, pareceu transcorrer sem imprevistos, com França ovacionado ao chegar. Mas tudo indica que a manobra de Siqueira deu certo: o pernambucano venceu o confronto antes mesmo de começar a partida, como lembrou um integrante da executiva à piauí. E o vice-governador paulista não pareceu contrariado, longe disso. Hoje prevalece a tendência entre os socialistas de não ter candidato à presidência e liberar os diretórios estaduais para acordos locais, como deseja França.

Mesmo assim, de acordo com integrantes da executiva do PSB ouvidos pela piauí, não se pode descartar a hipótese de candidatura própria. Seriam três as opções: além de Barbosa, os ex-deputados Beto Albuquerque (RS) e Aldo Rebelo (SP), com larga vantagem para o primeiro. Siqueira tem mantido conversas reservadas com Barbosa, mas o ex-ministro ainda não decidiu se será ou não candidato pelo partido. “Ele só diz que está acompanhando o cenário”, afirma o deputado federal Júlio Delgado (MG), o maior entusiasta da candidatura de Barbosa na sigla. “Há um claro sentimento pró-Joaquim nas bases do partido. Ele teria condição de atrair muitas doações de pessoas físicas na campanha, porque é um nome conhecido. Quem doaria para o Beto ou o Aldo?”, compara o mineiro. O prazo para a filiação de Barbosa se encerra dia 7 de abril. A assessoria do ex-ministro diz que ele não tem concedido entrevistas.

 

A consolidação do grupo político de Campos no comando do PSB e o entusiasmo com a candidatura de Joaquim Barbosa são o epílogo de um processo de expurgo promovido pela direção da sigla contra deputados da ala temerista que se filiaram no embalo do impeachment da presidente Dilma Rousseff, em 2016. Desde o ano passado, sete deputados federais e três senadores deixaram o partido. A maior parte optou por trocar de sigla antes de uma provável expulsão, após votarem a favor da reforma trabalhista e contra as denúncias do Ministério Público Federal contra Temer, contrariando deliberação do diretório nacional do partido. Entre os que deixaram a sigla estão os deputados Heráclito Fortes (PI), Danilo Forte (CE) e Fábio Garcia (MT), que foram para o DEM, assim como os senadores Fernando Bezerra Coelho, que migrou para o PMDB, e Romário, atualmente no Podemos. Como senadores, Coelho e Romário também tinham assento na executiva. Dos seus 34 antigos integrantes, cinco desistiram de tentar a reeleição no congresso socialista da última semana, entre eles Mauro Mendes Ferreira, ex-prefeito de Cuiabá e aliado de Fábio Garcia.

Com 32 deputados e quatro senadores, o PSB tem a sétima maior bancada no Congresso Nacional. A expectativa dos socialistas é manter essa bancada na atual janela de trocas partidárias, que também termina dia 7 de abril, e superar a bancada petista nas eleições de outubro e tornar-se o maior partido de esquerda no Legislativo.

P.S.: Após a publicação desta reportagem, o vice-governador paulista Márcio França enviou a seguinte nota: “Não perdi espaço no PSB, ao contrário: acrescentei mais dois nomes, o prefeito de Guarulhos, Gustavo Costa, e o deputado Aldo Rebelo.”

Allan de Abreu (siga @allandeabreu1 no Twitter)

Repórter da piauí, é autor do livro Cocaína: a Rota Caipira, da editora Record

José Roberto de Toledo (siga @zerotoledo no Twitter)

Jornalista da piauí, foi repórter e colunista de política na Folha e no Estado de S. Paulo e presidente da Abraji

Leia também

Relacionadas Últimas

O paulista Ge-ral-do

Quem é o político católico e caipira que assume pela quarta vez o governo de São Paulo

Um estudante contra o presidente

Garoto de 20 anos fala na cara de Daniel Ortega que ele é o responsável por 58 mortos na repressão aos protestos na Nicarágua e discurso viraliza. À piauí, o estudante se diz ameaçado

A Batalha de Argel, Um Filme Dentro da História – interessante e excessivo

Realização tardia e bem-sucedida do neorrealismo parece um documentário, mas é encenado do primeiro ao último plano

Foro de Teresina #1: justiçamento, abraço de gambá e túnel do tempo

Confira a estreia do podcast de política da rádio piauí com Fernando de Barros e Silva, Malu Gaspar e José Roberto de Toledo. A partir de hoje, o Foro vai ao ar toda quinta-feira, às 17h

O racismo como razão de voto

Um roteiro para entender a pesquisa mais reveladora feita sobre a eleição de Trump – e o que ela diz sobre o pleito no Brasil em 2018

Com candidato preso, PT deixa de aparecer para 400 mil eleitores na tevê e internet

Partido já perdeu mais de quatro horas de exposição em debates e entrevistas na televisão aberta desde a prisão de Lula

Vem aí a rádio piauí

Plataforma estreia nesta quinta-feira, 17 de maio, com o podcast de política Foro de Teresina. Confira nosso guia para ouvir os episódios em casa ou na rua

Saiba como foi cada mesa da Maratona Piauí Serrapilheira

Vida, vulcões, clima, água e gestão da ciência: cinco grandes cientistas falaram sobre suas áreas de pesquisa

AO VIVO: assista à Maratona Piauí Serrapilheira

Evento reúne grandes cientistas para falar sobre o futuro próximo da ciência brasileira

De Sanctis, de proscrito a guru

Depois de sete anos na geladeira, o juiz Fausto De Sanctis está de volta à área criminal – e é procurado para conselhos por colegas como Bretas

Saiba como acompanhar a Maratona

Haverá cobertura e transmissão ao vivo pela internet

Mais textos