questões cinematográficas

A quem faz cinema no Brasil

Reflexões sobre os impasses da profissão, nas palavras de Dziga Vertov

Eduardo Escorel
24maio2018_12h07
Imagem do filme <i>Um Homem com uma Câmera</i> (1928-29), de Vertov
Imagem do filme Um Homem com uma Câmera (1928-29), de Vertov / REPRODUÇÃO

“Eu faço uma proposta de filme depois da outra. Enquanto o estúdio nada propõe. É como se eu estivesse em um palco, enquanto a administração e o departamento de roteiros estivesse na plateia.

Eu canso minhas pernas, propondo uma coisa, depois outra. E os espectadores observam e ouvem. E ficam em silêncio.

E sinto como se eu estivesse lá embaixo. De frente para o primeiro degrau de uma escadaria longa e íngreme. […]

Você quer fazer um filme a partir de um roteiro.

Mas lhe dizem: ‘Bem, quem pode escrever o roteiro para você?’

Você quer fazer um filme sem roteiro.

Mas lhe dizem: ‘Isto não tem um plano. Um filme precisa necessariamente ser feito conforme um roteiro.’

Você quer fazer um filme sobre pessoas reais.

Dizem: ‘Estou firmemente convencido que pessoas reais não podem ser filmadas de maneira documental; não podemos permitir isso.’

[…] Aí, lhe dizem: ‘Nós não podemos ter você fazendo isso. Você tem um nome e uma identidade criativa. Nosso estúdio não pode correr esse risco. Nós precisamos mantê-lo do modo que sua reputação no cinema exige.’

Aonde, eu pergunto, está a saída desse impasse?”

*

Não fui eu quem escreveu o texto acima, apenas o traduzi do inglês, de um original em russo. O autor é Dziga Vertov, pseudônimo de Denis Abramovich Kaufman (1896-1954), diretor, entre vários filmes menos famosos, de Um Homem com uma Câmera (1928-29). Foi ele quem fez essa anotação em seu diário, no dia 24 de outubro de 1939.

As circunstâncias da União Soviética de então e as do Brasil de hoje são, naturalmente, muito diversas. Mas, ao menos para mim, ao reler por acaso essas anotações de Vertov, senti certa familiaridade com a sua tragédia. Para ele, “não haveria saída”, escreve Annette Michelson na introdução aos escritos de Vertov (Kino-Eye: The Writings of Dziga Vertov, 1984, sem edição brasileira).

“A enorme burocracia do regime stalinista estava agora inteiramente reproduzida na indústria soviética de cinema”, escreve Michelson. E completa: “A apresentação incessante de projetos, as antecâmaras assombradas e as infindáveis solicitações de autorização oficial eram a única resposta possível para a situação.”

No mesmo dia em que fez a anotação reproduzida acima, Vertov escreveu também que “ele escreveria de acordo com todas as regras, se tão somente eles lhe derem seu violino o mais brevemente possível. Afinal, se as coisas continuarem deste modo, ele esquecerá como tocar. […] Ele se arrasta pelas ruas, maldizendo a si mesmo por sua inabilidade para dar-se bem; sua inabilidade para oferecer seu trabalho, para ser astuto, e para manobrar; sua inabilidade para obter um trabalho criativo por qualquer meio, como qualquer cortador de filme comum sabe fazer”.

Deixo aqui essas palavras de Vertov e dou início a um período de férias. Voltarei à lide em 28 de junho. Até lá.

Eduardo Escorel

Eduardo Escorel, cineasta, diretor de Imagens do Estado Novo 1937-45

outras questões cinematográficas

Últimas Mais Lidas

A Batalha de Argel, Um Filme Dentro da História – interessante e excessivo

Realização tardia e bem-sucedida do neorrealismo parece um documentário, mas é encenado do primeiro ao último plano

O Distante Latido dos Cães – apelo à boa consciência

Melhor documentário internacional no É Tudo Verdade mostra rotina de menino órfão em zona de guerra entre governo e separatistas na Ucrânia

Arábia – quando o excesso de elogios pode ser contraproducente

Recebido como um dos filmes do ano, longa não repercute junto ao público, um paradoxo do cinema brasileiro

O Processo – observação em crise

Como todo observador intransigente, diretora Maria Augusta mais constata do que revela no documentário sobre o impeachment de Rousseff

A Melhor Escolha – jornada para redimir o passado

Filme de Richard Linklater tenta repetir fórmula de outros longas do cineasta, mas falha do ponto de vista comercial e artístico

Mais textos
1

Tudo o que você não quer e não precisa saber sobre a Copa #1

O podcast que não vai falar sobre o quinto metatarso do Neymar

2

Série da piauí traz vídeos inéditos de craques das Copas

Em “Diz aí, mestre”, jogadores como Nilton Santos, Didi, Vavá e Bellini recuperam histórias de seus mundiais para iluminar a Copa de 2018

3

Deu zika no caixa

PCC transmite técnica de explodir caixas eletrônicos sem inutilizar as cédulas e detona epidemia de ataques a bomba no Rio

4

Nilton Santos e Didi contam como driblavam o medo antes da estreia

Até o fim da Copa, a série “Diz aí, mestre” recupera histórias de jogadores das principais seleções brasileiras em mundiais

5

Didi ensina a arte do meia-armador, aquele que Tite não tem

Série “Diz aí, mestre” recupera entrevistas com os grandes da seleção brasileira

6

Sobe balão de filho de José Alencar para o lugar de Lula

Empresário que deixou a vice-presidência da Fiesp para ser candidato em outubro agora é cotado para o papel do vice que pode chegar a titular em chapa PT-PR

7

O raro êxodo do Bolsa Família

Cada vez menos voluntários como Toninho pedem para sair do programa de ajuda: número de famílias que abre mão do benefício caiu à metade desde 2013

8

Uma finta na idade

Zizinho e Ademir da Guia falam da dor de deixar os gramados e das artimanhas do craque para adiar o fim da carreira