questões político-religiosas

Rabino pede desculpas por participar de ato ecumênico no ABC

Em vídeo, Alexandre Leone disse que participação em evento inter-religioso em favor de Lula foi “desacertada”

Camila Zarur
10abr2018_17h47

O

rabino Alexandre Leone se arrependeu de ter participado do ato inter-religioso no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC durante evento contra a ordem de prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na sexta-feira, 6 de abril. O religioso publicou um vídeo no Facebook pedindo desculpas aos membros de sua comunidade. Na gravação, Leone afirma que foi um erro ter ido ao evento sem avisar a comunidade Bnei Chalutzim de Alphaville, da qual é rabino. “Minha participação foi desacertada.”

Para a câmera, Leone leu um comunicado: “Aprendi que as coisas facilmente saem do controle. Lamento que tenha exposto, envolvido e atingido pessoas da nossa comunidade. Daqui para a frente, só voltarei a participar de eventos inter-religiosos na condição que hajam garantias expressas de espaço para eu manifestar que represento apenas a minha instituição. E que eu tenha alinhado previamente a minha participação com a minha comunidade.” Publicou e pediu que espalhassem a mensagem.

Ao lado de representantes de outras religiões, Leone esteve no carro de som em frente ao sindicato, em São Bernardo do Campo, que serviu de palanque para que sindicalistas, militantes e lideranças do PT, PC do B e PSOL protestassem contra a prisão de Lula.

Segundo Nelson Nisenbaum, membro da Frente Inter-religiosa do ABC, e que discursou no mesmo evento, o rabino foi pressionado por sua comunidade tanto por causa da exibição de uma bandeira da Palestina durante a cerimônia quanto por ela ter sido um ato político em favor de Lula.

As pressões contra o rabino se multiplicaram nas redes sociais. Usuários capturaram imagem do evento em que Leone aparece próximo a um militante que balança uma bandeira da Palestina. A cena serviu de pretexto para que pessoas acusassem Leone de ser anti-Israel. “‘Rabino’ Alexandre Leone no carro de som. Pró-Lula. Anti-Israel. Não nos representa. Aliás não representa ninguém”, escreveu o usuário Henri Schipper.

Em seu vídeo de desculpas, Leone diz se identificar intelectualmente com ideais humanistas e que atendeu a um pedido para participar de um ato inter-religioso, com ideias de paz e democracia. Ele disse que não tinha a intenção de ofender a comunidade israelita.

Procurados, Leone e a comunidade Bnei Chalutzim não responderam aos pedidos de entrevista. O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC afirmou que não vai se manifestar sobre o caso.

Camila Zarur (siga @camilazarur no Twitter)

Camila Zarur é estagiária da piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

Médicos de menos, as doenças de sempre

A história de quatro pacientes crônicos do sertão do Ceará que estão há um mês sem os tratamentos que precisam, após a saída dos profissionais cubanos do país

Foro de Teresina #31: O escândalo do motorista, o antiministro do Meio Ambiente e o barraco do PSL

O podcast da piauí analisa os fatos mais recentes da política nacional

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

Mulheres de “facção”

Sem emprego formal, costureiras trabalham até 14 horas por dia para intermediários da indústria da moda, as chamadas “facções”

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

Mais textos
1

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

2

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

3

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

6

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

7

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

8

Rakudianai

A política, a prisão, o encontro com o crocodilo, o julgamento e meu pai: lembranças de quarenta anos atrás

9

Xô, esquerda!

Pastores da Universal agora livram os fiéis de possessões comunistas?

10

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty