questões político-religiosas

Rabino pede desculpas por participar de ato ecumênico no ABC

Em vídeo, Alexandre Leone disse que participação em evento inter-religioso em favor de Lula foi “desacertada”

Camila Zarur
10abr2018_17h47

O

rabino Alexandre Leone se arrependeu de ter participado do ato inter-religioso no Sindicato dos Metalúrgicos do ABC durante evento contra a ordem de prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva na sexta-feira, 6 de abril. O religioso publicou um vídeo no Facebook pedindo desculpas aos membros de sua comunidade. Na gravação, Leone afirma que foi um erro ter ido ao evento sem avisar a comunidade Bnei Chalutzim de Alphaville, da qual é rabino. “Minha participação foi desacertada.”

Para a câmera, Leone leu um comunicado: “Aprendi que as coisas facilmente saem do controle. Lamento que tenha exposto, envolvido e atingido pessoas da nossa comunidade. Daqui para a frente, só voltarei a participar de eventos inter-religiosos na condição que hajam garantias expressas de espaço para eu manifestar que represento apenas a minha instituição. E que eu tenha alinhado previamente a minha participação com a minha comunidade.” Publicou e pediu que espalhassem a mensagem.

Ao lado de representantes de outras religiões, Leone esteve no carro de som em frente ao sindicato, em São Bernardo do Campo, que serviu de palanque para que sindicalistas, militantes e lideranças do PT, PC do B e PSOL protestassem contra a prisão de Lula.

Segundo Nelson Nisenbaum, membro da Frente Inter-religiosa do ABC, e que discursou no mesmo evento, o rabino foi pressionado por sua comunidade tanto por causa da exibição de uma bandeira da Palestina durante a cerimônia quanto por ela ter sido um ato político em favor de Lula.

As pressões contra o rabino se multiplicaram nas redes sociais. Usuários capturaram imagem do evento em que Leone aparece próximo a um militante que balança uma bandeira da Palestina. A cena serviu de pretexto para que pessoas acusassem Leone de ser anti-Israel. “‘Rabino’ Alexandre Leone no carro de som. Pró-Lula. Anti-Israel. Não nos representa. Aliás não representa ninguém”, escreveu o usuário Henri Schipper.

Em seu vídeo de desculpas, Leone diz se identificar intelectualmente com ideais humanistas e que atendeu a um pedido para participar de um ato inter-religioso, com ideias de paz e democracia. Ele disse que não tinha a intenção de ofender a comunidade israelita.

Procurados, Leone e a comunidade Bnei Chalutzim não responderam aos pedidos de entrevista. O Sindicato dos Metalúrgicos do ABC afirmou que não vai se manifestar sobre o caso.

Camila Zarur (siga @camilazarur no Twitter)

Camila Zarur é estagiária da piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

Plata o plomo

Bolsonaro depende de fisiologismo ou de autogolpe para governar

Maria vai com as outras #9: Sexo como ganha-pão

A prostituta de luxo Livia Rodrigues, a dona de uma sex shop Marcia Soares e a atriz pornô Monique Lopes falam sobre os prazeres e agruras que envolvem suas profissões

E se Bolsonaro ganhar?

A violência como plataforma de governo

Os mascates do Rio

A periferia sem crédito mantém a tradição do vendedor de porta em porta

EUA devolvem fortuna à família Hawilla

Com a morte do delator do escândalo Fifa, Justiça restitui à viúva e aos filhos patrimônio de R$ 59 milhões em dinheiro e apartamento em condomínio em ilha de Miami

Merval e a democracinha*

A polarização política, os cidadãos de bem e os inimigos da vida civilizada no país

O Paciente e O Banquete – frutos da tragédia

Vistos em conjunto, os dois filmes tornam-se reflexo do cenário político atual

Ciro, a vela e o dane-se

Só ele impede segundo turno antecipado entre Bolsonaro e Haddad

Marcos Lisboa: “Me comparar a Paulo Guedes é demais”

Cotado como ministro da Fazenda em um governo do PT, economista responde a Ciro Gomes, que o chamou de “ultrarreacionário”

A janela de Haddad

A vulnerabilidade de Bolsonaro e a chance do candidato do PT

Mais textos
1

Paulo Guedes contra o liberalismo

A história mostra que uma onda de ódio só chega ao poder quando normalizada

2

Bolsonaro não queria sair da Santa Casa

A história de como a família do presidenciável dispensou o Sírio-Libanês, contrariou a vontade do candidato de ficar em Juiz de Fora e aceitou a proposta do tesoureiro do PSL de levá-lo para o Einstein

3

A janela de Haddad

A vulnerabilidade de Bolsonaro e a chance do candidato do PT

4

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

5

Não foi você

Uma interpretação do bolsonarismo

6

Merval e a democracinha*

A polarização política, os cidadãos de bem e os inimigos da vida civilizada no país

7

Antipetismo e democracia

O candidato do PT e o candidato do PSL não são dois lados da mesma moeda

8

Marcos Lisboa: “Me comparar a Paulo Guedes é demais”

Cotado como ministro da Fazenda em um governo do PT, economista responde a Ciro Gomes, que o chamou de “ultrarreacionário”

9

Sem a elite, sem (quase) nada

Em doze anos, Alckmin sai de 45% para 6% das intenções de voto no eleitorado que cursou universidade; eleitores migram principalmente para Bolsonaro

10

Por que mulheres trocaram Marina por Haddad, Ciro e Bolsonaro

De líder no voto feminino, candidata despencou para o quarto lugar; seu discurso é “sincero”, mas falta clareza, dizem ex-eleitoras