questões epidemiológicas

São Paulo: se tem vacina, falta seringa

Falta de material para vacinação contra febre amarela provoca filas de 5 horas e até fecha posto de saúde

Felipe Corazza
06mar2018_19h28
ILUSTRAÇÃO: JOÃO BRIZZI

Com o dia ainda escuro, por volta das cinco horas da manhã de quarta-feira, 28 de fevereiro, Rodrigo Barreto e Camila Rodrigues chegam à Unidade Básica de Saúde Parque da Lapa, na Zona Oeste de São Paulo, para inaugurar a fila de espera da vacinação contra a febre amarela. É a segunda vez que eles tentam se imunizar naquele posto contra a doença que já matou 102 pessoas em São Paulo desde julho, com 286 outros casos confirmados. Na capital, foram sete casos e quatro mortes.

No Parque da Lapa, a campanha de vacinação contra a doença – que, no país todo, já matou pelo menos 237 pessoas – esbarra na falta de material básico para a imunização. Houve dias em que as vacinas não foram aplicadas “por falta de insumos”: seringas e material para esterilização, segundo a direção da UBS. A escassez contrasta com o aumento da demanda na unidade, causada pelo avanço da doença. Em janeiro deste ano, o número de aplicações quase quintuplicou no Parque da Lapa: foram 10 948 aplicações, ante 2 317 em dezembro passado.

Como a região oeste da cidade, onde fica essa unidade, não foi definida como prioritária para imunização, por não ficar perto de áreas de mata onde havia macacos infectados, o material destinado à UBS acabou sendo insuficiente, segundo a direção da unidade. Definida como referência em sua região, a UBS do Parque da Lapa registrou em janeiro uma média de 456 aplicações por dia. Em alguns dias, a fila chegou a 1 500 pessoas no local, segundo integrantes do Conselho Gestor da unidade ouvidos pela piauí. Nesses dias, as pessoas esperavam até cinco horas na fila, sem garantia de que conseguiriam a dose. 

Antes de tentar pela segunda vez o Parque da Lapa naquela quarta-feira, o casal de moradores do Pacaembu Camila e Rodrigo já havia procurado a vacina em outros lugares: em UBSs vizinhas, na rede particular e em Sorocaba, onde têm parentes. “Deviam fazer um sistema como o da emissão de passaporte, com hora marcada. A gente chegou aqui e ainda estava escuro. É até perigoso”, disse a produtora de eventos Camila, de 25 anos, na fila da UBS.

Eram 6h30 e eles aguardavam o início da distribuição de senhas, que começa às 7 horas, conforme a estratégia definida pela Prefeitura. Ainda antes de começar a entrega dos papeizinhos, às 6h45, já havia três filas diferentes: uma para vacinação comum, outra para idosos e deficientes físicos e uma terceira para os atendimentos não relacionados à doença.

A manhã avança e a fila cresce. Uma mãe, que preferiu não se identificar, disse que já está ali com o filho pela quarta vez. Outra mulher, atrás dela, decidiu vacinar os dois filhos depois que as crianças perderam uma excursão da escola para um clube em Itaquera. O décimo colocado na fila reclama: tentou na semana anterior, mas mesmo chegando antes do início da vacinação, já não havia senhas. “Às vezes, acaba mesmo. É que só tem essa unidade na região”, disse um dos agentes de saúde que organizam a espera, antes de interromper a conversa para orientar mais duas pessoas sobre em qual das três filas deveriam entrar. Mesmo com o aumento da procura, a unidade não recebeu reforço de pessoal, um dos fatores da sobrecarga.

A espera é tão garantida que o carpinteiro Edmilson “Melancia”, desempregado há cinco meses, reforça sua renda desde o começo do ano vendendo salgados e refrigerantes na fila. Não falha nunca, relata o ambulante, que já usa sua experiência para ajudar quem espera na frente da UBS. “Fica tranquilo que depois ela vem até aqui também”, avisou Edmilson aos que tentavam escutar, ao longe, o que uma enfermeira dizia no megafone na entrada da unidade.

Por ali, não se falava em medo de efeitos adversos da vacina – uma das versões para o fato de a imunização na capital ainda não ter terminado (começou em setembro e está em 62%). Na Zona Norte, um dos lugares que trazem mais preocupação pela proximidade com região de floresta, ainda falta imunizar 25% da população.

Enquanto a fila avançava na Lapa, em outros postos de saúde a poucos quilômetros dali sobram vacinas e força de trabalho para aplicá-las. Em bairros como Pirituba, Limão e Casa Verde, na Zona Norte da cidade, na mesma manhã, a situação era oposta. Não havia nenhuma fila em cinco unidades visitadas pela reportagem. Todas as UBSs informaram que havia vacina disponível.

Procurada, a Secretaria Municipal de Saúde afirma que não há intenção de rever a estratégia para reequilibrar a oferta e suprir a demanda em áreas como a Zona Oeste e outros lugares da cidade não definidos como prioritários na campanha. O fato de moradores de outros bairros também frequentarem regiões de mata não levou a uma extensão da cobertura e, segundo a Prefeitura, a regra de priorizar unidades que ficam nessas áreas será mantida.

 

A desorganização e o desencontro de informações afetam até uma das estratégias mais divulgadas pela Prefeitura paulistana contra a doença – as jornadas de vacinação chamadas de “Dia D”. O último, marcado para 24 de fevereiro, foi cancelado de última hora em algumas UBSs, sem explicação prévia. Quem chegou à unidade do Parque da Lapa, por exemplo, deu com a cara na porta. Mais uma vez, o motivo do cancelamento foi a falta de material básico para a vacinação. Segundo a direção da UBS, havia vacinas, mas não seringas – a compra das doses é feita separadamente da aquisição dos outros materiais necessários para a aplicação. “O gerente tinha preparado tudo. As equipes já estavam montadas porque havia essa orientação da Secretaria. De repente, um pouco antes, ele [o gerente] recebeu a informação de que a UBS não ia abrir e a ação tinha sido cancelada”, relatou uma das integrantes do Conselho Gestor da unidade.

Questionada, a Prefeitura afirmou que a unidade não abriu na data porque “não funciona aos sábados” – apesar de ela estar na lista de UBSs que fariam parte da jornada e aparecer no documento de divulgação como uma das referências para o período entre 29 de janeiro e 24 de fevereiro. Por causa de problemas como esse, a data final da campanha em todo o estado foi prorrogada duas vezes: primeiro para 2 de março, e agora para o dia 16 de março. “O mais difícil é tentar entender o que eles querem fazer, que campanha é essa”, avaliou Alexandra Swerts, integrante durante dois mandatos do Conselho Gestor da UBS do Parque da Lapa.

Outro fator que vem causando confusão é a necessidade ou não de levar comprovante de residência para a imunização. Não há uma diretriz geral para isso na capital paulista: cada local pode decidir se adota ou não essa medida. O resultado é mais desinformação e filas. Na manhã em que a reportagem visitou sete UBSs, quem quisesse se vacinar em algumas unidades teria de apresentar o comprovante, mas em outras não. Na UBS da Casa Verde Alta, por exemplo, só moradores da região podem se vacinar. Já na Vila Barbosa e na Vila Zatt, bairros também da Zona Norte, não há necessidade do documento. No Parque da Lapa é necessário o comprovante, mas só para mostrar que mora no município de São Paulo – uma medida tomada pela direção da unidade porque moradores de cidades vizinhas, como Osasco, têm comparecido à fila, o que aumenta a sobrecarga.

A falta de uma orientação direta sobre isso prejudica a campanha, afirma o infectologista Marcos Boulos, que chefia a Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. “A questão é que qualquer pessoa pode falsificar um comprovante de residência. Você também causa uma confusão na pessoa que está conferindo isso, é confundir muito mais o programa. O melhor, mesmo, é você vacinar as pessoas independentemente disso”, afirmou Boulos, que também é professor titular do Departamento de Moléstias Infecciosas e Parasitárias da Faculdade de Medicina da USP.

Em relação ao impacto do temor de efeitos colaterais da vacina na campanha de imunização, funcionários das UBSs relatam que têm a “impressão” de que isso acontece. Nos dias seguintes às mortes no estado de São Paulo por reação à vacina – três pessoas morreram nos últimos meses e seis casos estão sob investigação –, por exemplo, a procura caiu na UBS do Parque da Lapa. Segundo Maria Isabel Cotovio, integrante do conselho gestor da unidade, nos dias seguintes às mortes, o número de aplicações reduziu para cerca de 300 por dia. Ainda assim, não evitava filas e distribuição de senhas.

Para Boulos, é preciso “uma visão pragmática” para evitar que o medo prejudique a vacinação. “A incidência de efeitos colaterais graves varia de uma vacina a outra. No caso da febre amarela, é um para um milhão. A cada milhão de pessoas, é uma que vai ter os efeitos mais graves. Por isso você vai deixar de vacinar? Muito mais pessoas vão morrer se não tomarem a vacina.”

Felipe Corazza

Leia também

Relacionadas Últimas

A guerra dos cem anos

Por que o Brasil não consegue vencer o Aedes aegypti

A solução do mosquito

A engenharia genética pode acabar com a dengue?

Notícias do front

No início de fevereiro, em cadeia nacional de rádio e tevê Dilma Rousseff declarou guerra ao Aedes aegypti, mosquito que transmite a zika, a dengue e a chikungunya. À presidente, no entanto, faltou colocar a questão em perspectiva histórica:

Stan Lee explica por que “criou problemas” para os super-heróis

Assista a trechos da entrevista inédita concedida em 1988 pelo criador de personagens da Marvel, morto nesta segunda

A lição de Josefa

A grande artesã deixa um conselho para os políticos: “Não há riqueza maior do que o nosso nome”

Mulher negra (não tão) presente

Representatividade de mulheres pretas e pardas, maioria da população brasileira, cresceu 38% nas eleições; participação dos homens brancos é 15 vezes maior do que a das mulheres negras

A democracia pode ser exceção

Nada garante que o regime seja inerentemente estável

WhatsApp elege mas não governa

Outros Poderes explicam a Bolsonaro que preferem sua parte em dinheiro

Foro de Teresina #26: O gabinete de Bolsonaro, o novo papel de Moro e o Escola Sem Partido

O podcast de política da piauí discute a transição e os primeiros movimentos do governo Bolsonaro

Excelentíssimos – outro retardatário na tela

Documentário deixa a desejar ao expor, juntos, a rotina no Congresso e o processo de impeachment

PM do Rio ignora lei e expõe preso no Twitter

Polícia divulgou rosto de homem algemado e a palavra “capturado”; Defensoria entrou na Justiça para excluir imagem

Rede de intrigas agrotóxicas

Em grupo de WhatsApp de ruralistas, presidente da UDR, Nabhan Garcia, critica Onyx Lorenzoni: “Já vi muito pavão virar espanador”

Jornalismo cordial

Imprensa é oposição?

Mais textos
1

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

2

Rede de intrigas agrotóxicas

Em grupo de WhatsApp de ruralistas, presidente da UDR, Nabhan Garcia, critica Onyx Lorenzoni: “Já vi muito pavão virar espanador”

3

WhatsApp elege mas não governa

Outros Poderes explicam a Bolsonaro que preferem sua parte em dinheiro

4

Meus avós em ruínas

Por que não consigo me livrar do apartamento modernista que herdei há cinco anos?

5

O pior está por vir

Polarização, teorias conspiratórias, ataques à imprensa – como uma democracia pode acabar

6

Jornalismo cordial

Imprensa é oposição?

7

Marley e nós

Direitos caninos para caninos direitos

8

A volta do ditador

Em Porto Alegre, a avenida da Legalidade e da Democracia reassume o nome do general Castello Branco

9

Super Moro 2022

Ao nomear juiz para ministério, Bolsonaro controla a própria sucessão

10

Foro de Teresina #26: O gabinete de Bolsonaro, o novo papel de Moro e o Escola Sem Partido

O podcast de política da piauí discute a transição e os primeiros movimentos do governo Bolsonaro