questões epidemiológicas

São Paulo: se tem vacina, falta seringa

Falta de material para vacinação contra febre amarela provoca filas de 5 horas e até fecha posto de saúde

Felipe Corazza
06mar2018_19h28
ILUSTRAÇÃO: JOÃO BRIZZI

Com o dia ainda escuro, por volta das cinco horas da manhã de quarta-feira, 28 de fevereiro, Rodrigo Barreto e Camila Rodrigues chegam à Unidade Básica de Saúde Parque da Lapa, na Zona Oeste de São Paulo, para inaugurar a fila de espera da vacinação contra a febre amarela. É a segunda vez que eles tentam se imunizar naquele posto contra a doença que já matou 102 pessoas em São Paulo desde julho, com 286 outros casos confirmados. Na capital, foram sete casos e quatro mortes.

No Parque da Lapa, a campanha de vacinação contra a doença – que, no país todo, já matou pelo menos 237 pessoas – esbarra na falta de material básico para a imunização. Houve dias em que as vacinas não foram aplicadas “por falta de insumos”: seringas e material para esterilização, segundo a direção da UBS. A escassez contrasta com o aumento da demanda na unidade, causada pelo avanço da doença. Em janeiro deste ano, o número de aplicações quase quintuplicou no Parque da Lapa: foram 10 948 aplicações, ante 2 317 em dezembro passado.

Como a região oeste da cidade, onde fica essa unidade, não foi definida como prioritária para imunização, por não ficar perto de áreas de mata onde havia macacos infectados, o material destinado à UBS acabou sendo insuficiente, segundo a direção da unidade. Definida como referência em sua região, a UBS do Parque da Lapa registrou em janeiro uma média de 456 aplicações por dia. Em alguns dias, a fila chegou a 1 500 pessoas no local, segundo integrantes do Conselho Gestor da unidade ouvidos pela piauí. Nesses dias, as pessoas esperavam até cinco horas na fila, sem garantia de que conseguiriam a dose. 

Antes de tentar pela segunda vez o Parque da Lapa naquela quarta-feira, o casal de moradores do Pacaembu Camila e Rodrigo já havia procurado a vacina em outros lugares: em UBSs vizinhas, na rede particular e em Sorocaba, onde têm parentes. “Deviam fazer um sistema como o da emissão de passaporte, com hora marcada. A gente chegou aqui e ainda estava escuro. É até perigoso”, disse a produtora de eventos Camila, de 25 anos, na fila da UBS.

Eram 6h30 e eles aguardavam o início da distribuição de senhas, que começa às 7 horas, conforme a estratégia definida pela Prefeitura. Ainda antes de começar a entrega dos papeizinhos, às 6h45, já havia três filas diferentes: uma para vacinação comum, outra para idosos e deficientes físicos e uma terceira para os atendimentos não relacionados à doença.

A manhã avança e a fila cresce. Uma mãe, que preferiu não se identificar, disse que já está ali com o filho pela quarta vez. Outra mulher, atrás dela, decidiu vacinar os dois filhos depois que as crianças perderam uma excursão da escola para um clube em Itaquera. O décimo colocado na fila reclama: tentou na semana anterior, mas mesmo chegando antes do início da vacinação, já não havia senhas. “Às vezes, acaba mesmo. É que só tem essa unidade na região”, disse um dos agentes de saúde que organizam a espera, antes de interromper a conversa para orientar mais duas pessoas sobre em qual das três filas deveriam entrar. Mesmo com o aumento da procura, a unidade não recebeu reforço de pessoal, um dos fatores da sobrecarga.

A espera é tão garantida que o carpinteiro Edmilson “Melancia”, desempregado há cinco meses, reforça sua renda desde o começo do ano vendendo salgados e refrigerantes na fila. Não falha nunca, relata o ambulante, que já usa sua experiência para ajudar quem espera na frente da UBS. “Fica tranquilo que depois ela vem até aqui também”, avisou Edmilson aos que tentavam escutar, ao longe, o que uma enfermeira dizia no megafone na entrada da unidade.

Por ali, não se falava em medo de efeitos adversos da vacina – uma das versões para o fato de a imunização na capital ainda não ter terminado (começou em setembro e está em 62%). Na Zona Norte, um dos lugares que trazem mais preocupação pela proximidade com região de floresta, ainda falta imunizar 25% da população.

Enquanto a fila avançava na Lapa, em outros postos de saúde a poucos quilômetros dali sobram vacinas e força de trabalho para aplicá-las. Em bairros como Pirituba, Limão e Casa Verde, na Zona Norte da cidade, na mesma manhã, a situação era oposta. Não havia nenhuma fila em cinco unidades visitadas pela reportagem. Todas as UBSs informaram que havia vacina disponível.

Procurada, a Secretaria Municipal de Saúde afirma que não há intenção de rever a estratégia para reequilibrar a oferta e suprir a demanda em áreas como a Zona Oeste e outros lugares da cidade não definidos como prioritários na campanha. O fato de moradores de outros bairros também frequentarem regiões de mata não levou a uma extensão da cobertura e, segundo a Prefeitura, a regra de priorizar unidades que ficam nessas áreas será mantida.

 

A desorganização e o desencontro de informações afetam até uma das estratégias mais divulgadas pela Prefeitura paulistana contra a doença – as jornadas de vacinação chamadas de “Dia D”. O último, marcado para 24 de fevereiro, foi cancelado de última hora em algumas UBSs, sem explicação prévia. Quem chegou à unidade do Parque da Lapa, por exemplo, deu com a cara na porta. Mais uma vez, o motivo do cancelamento foi a falta de material básico para a vacinação. Segundo a direção da UBS, havia vacinas, mas não seringas – a compra das doses é feita separadamente da aquisição dos outros materiais necessários para a aplicação. “O gerente tinha preparado tudo. As equipes já estavam montadas porque havia essa orientação da Secretaria. De repente, um pouco antes, ele [o gerente] recebeu a informação de que a UBS não ia abrir e a ação tinha sido cancelada”, relatou uma das integrantes do Conselho Gestor da unidade.

Questionada, a Prefeitura afirmou que a unidade não abriu na data porque “não funciona aos sábados” – apesar de ela estar na lista de UBSs que fariam parte da jornada e aparecer no documento de divulgação como uma das referências para o período entre 29 de janeiro e 24 de fevereiro. Por causa de problemas como esse, a data final da campanha em todo o estado foi prorrogada duas vezes: primeiro para 2 de março, e agora para o dia 16 de março. “O mais difícil é tentar entender o que eles querem fazer, que campanha é essa”, avaliou Alexandra Swerts, integrante durante dois mandatos do Conselho Gestor da UBS do Parque da Lapa.

Outro fator que vem causando confusão é a necessidade ou não de levar comprovante de residência para a imunização. Não há uma diretriz geral para isso na capital paulista: cada local pode decidir se adota ou não essa medida. O resultado é mais desinformação e filas. Na manhã em que a reportagem visitou sete UBSs, quem quisesse se vacinar em algumas unidades teria de apresentar o comprovante, mas em outras não. Na UBS da Casa Verde Alta, por exemplo, só moradores da região podem se vacinar. Já na Vila Barbosa e na Vila Zatt, bairros também da Zona Norte, não há necessidade do documento. No Parque da Lapa é necessário o comprovante, mas só para mostrar que mora no município de São Paulo – uma medida tomada pela direção da unidade porque moradores de cidades vizinhas, como Osasco, têm comparecido à fila, o que aumenta a sobrecarga.

A falta de uma orientação direta sobre isso prejudica a campanha, afirma o infectologista Marcos Boulos, que chefia a Coordenadoria de Controle de Doenças do Estado de São Paulo. “A questão é que qualquer pessoa pode falsificar um comprovante de residência. Você também causa uma confusão na pessoa que está conferindo isso, é confundir muito mais o programa. O melhor, mesmo, é você vacinar as pessoas independentemente disso”, afirmou Boulos, que também é professor titular do Departamento de Moléstias Infecciosas e Parasitárias da Faculdade de Medicina da USP.

Em relação ao impacto do temor de efeitos colaterais da vacina na campanha de imunização, funcionários das UBSs relatam que têm a “impressão” de que isso acontece. Nos dias seguintes às mortes no estado de São Paulo por reação à vacina – três pessoas morreram nos últimos meses e seis casos estão sob investigação –, por exemplo, a procura caiu na UBS do Parque da Lapa. Segundo Maria Isabel Cotovio, integrante do conselho gestor da unidade, nos dias seguintes às mortes, o número de aplicações reduziu para cerca de 300 por dia. Ainda assim, não evitava filas e distribuição de senhas.

Para Boulos, é preciso “uma visão pragmática” para evitar que o medo prejudique a vacinação. “A incidência de efeitos colaterais graves varia de uma vacina a outra. No caso da febre amarela, é um para um milhão. A cada milhão de pessoas, é uma que vai ter os efeitos mais graves. Por isso você vai deixar de vacinar? Muito mais pessoas vão morrer se não tomarem a vacina.”

Felipe Corazza

Leia também

Relacionadas Últimas

A guerra dos cem anos

Por que o Brasil não consegue vencer o Aedes aegypti

A solução do mosquito

A engenharia genética pode acabar com a dengue?

Notícias do front

No início de fevereiro, em cadeia nacional de rádio e tevê Dilma Rousseff declarou guerra ao Aedes aegypti, mosquito que transmite a zika, a dengue e a chikungunya. À presidente, no entanto, faltou colocar a questão em perspectiva histórica:

Um estudante contra o presidente

Garoto de 20 anos fala na cara de Daniel Ortega que ele é o responsável por 58 mortos na repressão aos protestos na Nicarágua e discurso viraliza. À piauí, o estudante se diz ameaçado

A Batalha de Argel, Um Filme Dentro da História – interessante e excessivo

Realização tardia e bem-sucedida do neorrealismo parece um documentário, mas é encenado do primeiro ao último plano

Foro de Teresina #1: justiçamento, abraço de gambá e túnel do tempo

Confira a estreia do podcast de política da rádio piauí com Fernando de Barros e Silva, Malu Gaspar e José Roberto de Toledo. A partir de hoje, o Foro vai ao ar toda quinta-feira, às 17h

O racismo como razão de voto

Um roteiro para entender a pesquisa mais reveladora feita sobre a eleição de Trump – e o que ela diz sobre o pleito no Brasil em 2018

Com candidato preso, PT deixa de aparecer para 400 mil eleitores na tevê e internet

Partido já perdeu mais de quatro horas de exposição em debates e entrevistas na televisão aberta desde a prisão de Lula

Vem aí a rádio piauí

Plataforma estreia nesta quinta-feira, 17 de maio, com o podcast de política Foro de Teresina. Confira nosso guia para ouvir os episódios em casa ou na rua

Saiba como foi cada mesa da Maratona Piauí Serrapilheira

Vida, vulcões, clima, água e gestão da ciência: cinco grandes cientistas falaram sobre suas áreas de pesquisa

AO VIVO: assista à Maratona Piauí Serrapilheira

Evento reúne grandes cientistas para falar sobre o futuro próximo da ciência brasileira

De Sanctis, de proscrito a guru

Depois de sete anos na geladeira, o juiz Fausto De Sanctis está de volta à área criminal – e é procurado para conselhos por colegas como Bretas

Saiba como acompanhar a Maratona

Haverá cobertura e transmissão ao vivo pela internet

Mais textos