questões da sucessão

Com candidato preso, PT deixa de aparecer para 400 mil eleitores na tevê e internet

Partido já perdeu mais de quatro horas de exposição em debates e entrevistas na televisão aberta desde a prisão de Lula

Luigi Mazza
15maio2018_21h26
IMAGEM: PAULA CARDOSO

Com a indefinição sobre a candidatura do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência, o PT desapareceu dos programas de tevê e na internet neste período de pré-campanha. Desde a prisão de Lula, em 7 de abril, o partido já perdeu mais de quatro horas de exposição em debates – o que custou à candidatura petista a audiência de pelo menos 310 mil eleitores na tevê aberta só na Grande São Paulo, segundo levantamento com base no Ibope. A conta considera a audiência média dos programas que começaram a sabatinar candidatos, o Band Eleições e o Roda Viva. Nesse mesmo período, o PT deixou de participar de sabatinas na internet com público médio de 100 mil pessoas.

Nas próximas semanas, o PT ainda vai perder a chance de aparecer em pelo menos três edições desses programas. Ciro Gomes, do PDT, e João Amoêdo, do Novo, serão sabatinados no Roda Viva até o fim do mês, e, na próxima segunda-feira, Marina Silva, da Rede, será entrevistada no Band Eleições.

A três meses do início da campanha oficial, ainda não se sabe se a candidatura do ex-presidente será possível. Questionado pela piauí sobre sua representação na agenda pública, o PT afirmou que “pode ser representado por nossa presidente nacional, a senadora Gleisi Hoffmann, ou pelos companheiros Celso Amorim, Fernando Haddad ou Jaques Wagner.” As produções dos programas de tevê e internet têm alternado entre consultar o PT e esperar uma definição oficial para a candidatura.

Os pré-candidatos de outros partidos, enquanto isso, intensificam as aparições em debates e sabatinas. Geraldo Alckmin, do PSDB, Ciro Gomes, do PDT, Álvaro Dias, do Podemos, Rodrigo Maia, do DEM, e Flávio Rocha, do PRB, por exemplo, já participaram do Band Eleições desde 9 de abril, quando o programa foi lançado. A média de audiência tem sido de 1 ponto no Ibope, ou 201 mil pessoas só na Grande São Paulo, segundo estimativa da empresa.

Na TV Cultura, o Roda Viva recebeu nas últimas semanas os pré-candidatos Marina Silva, da Rede, e Guilherme Boulos, do PSOL, em programas vistos por pelo menos 220 mil espectadores apenas na Grande São Paulo – cerca de 120 mil pessoas (ou 0,6 ponto de audiência) para Marina, em 30 de abril, e 100 mil (0,5 ponto) para Boulos, em 7 de maio. A direção do programa afirmou à piauí que, enquanto o PT não se define, vai convidar outros pré-candidatos.

Em sabatinas na internet, oito deles participaram de entrevistas em vídeo desde meados de abril. A TV Folha ouviu Flávio Rocha, Marina Silva, João Amoêdo, Manuela D’Ávila, Rodrigo Maia, Ciro Gomes, Henrique Meirelles e Guilherme Boulos em programas assistidos, em média, por 100 mil pessoas. O UOL, em parceria com a Folha de S. Paulo, também lançou uma série de sabatinas, da qual participou, até o momento, Álvaro Dias. Após o PT reivindicar inclusão de um representante no programa, a Folha publicou uma nota afirmando considerar que “a candidatura é pessoal, e o nome apontado pelo partido como seu candidato não pode participar da sabatina porque está preso”.

O jornal O Globo seguiu essa mesma postura em duas reportagens, em 23 de abril e 13 de maio, que questionaram os presidenciáveis sobre propostas relacionadas à Previdência e a segurança pública. O veículo abriu espaço para as manifestações de Bolsonaro, Marina, Ciro e Alckmin, os quatro candidatos mais bem colocados nas pesquisas em um cenário sem Lula. Segundo a reportagem, o ex-presidente não foi procurado porque está preso em decorrência de decisão de segunda instância que deve torná-lo inelegível.

 

A chapa petista ainda se ausentou de cinco debates presenciais com outros candidatos em pouco mais de um mês. Nesta quarta-feira, 16 de maio, Marina Silva, Manuela D’Ávila e Levy Fidelix participarão de uma sabatina promovida pela faculdade particular Unicuritiba a pouco mais de 10 quilômetros da sede da Polícia Federal, onde Lula está preso. O PT não participará do debate. Sem representantes para os encontros ao vivo realizados desde a prisão e contando com o evento desta quarta, o partido abriu mão de, ao menos, 17 horas de exposição junto a entidades empresariais, sindicatos e organizações políticas.

Reafirmado pela presidente do PT, Gleisi Hoffmann, como alternativa única do partido para as eleições presidenciais, Lula tem liderado pesquisas de intenção de voto e embargou, até o momento, a indicação de substitutos petistas ou a composição com um candidato a presidente de outra legenda. O partido, enquanto isso, vem buscando formas de participar da pré-campanha mesmo com Lula preso em Curitiba.

Em 8 de maio, em evento da Frente Nacional de Prefeitos com onze presidenciáveis, a solução encontrada foi intermediária: o ex-presidente enviou uma carta aos integrantes da Frente para ser lida no encontro. O PT estuda adotar a mesma estratégia na próxima semana, durante uma sabatina com outros pré-candidatos promovida pela Confederação Nacional dos Municípios.

Enquanto o partido não define uma alternativa à candidatura de Lula, outros tentam definir: a página oficial do Unica Fórum 2018, um evento do setor sucroenergético, a ser realizado em 18 de junho com a participação de presidenciáveis, incluiu o petista Fernando Haddad no rol de 12 pré-candidatos ao Planalto. Não há menção ao ex-presidente.

Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Luigi Mazza é estagiário de jornalismo da piauí e produtor da rádio piauí

Leia também

Relacionadas Últimas

Lula pode estar na cadeia e na urna ao mesmo tempo?

A rara combinação de chances que permitiria uma candidatura do ex-presidente conduzida de dentro da prisão

Lula supera Bolsonaro no Facebook após prisão

Petista soma 7,8 milhões de interações desde 7 de abril e se torna o presidenciável mais popular na mídia social, mesmo preso em Curitiba

“Substituir Lula seria como roubar a namorada do melhor amigo”, diz Jaques Wagner

Antes de julgamento no TRF-4, ex-governador da Bahia nega ser “plano B” do PT à Presidência, mas deixa brecha: “Se Lula for impedido, aí teremos um plano E, de emergencial”

No vale-tudo pré-campanha, milionários saem na frente

Lacuna nas regras eleitorais permite gastos ilimitados sem prestação de contas e acentua disparidade entre candidatos ricos e pobres

Marielle inspira ativismo cotidiano de mulheres anônimas

“Tem um legado que explodiu depois da morte. Ela já tinha história, mas virou um símbolo”

Brutalidade que os laudos não contam

Na reconstituição da ação policial mais letal da década no Rio de Janeiro, vísceras à mostra e suspeitas de tortura

Um ano, dois atos e a mesma dúvida

Manifestação em memória de Marielle Franco no aniversário de sua morte tem mais música e dança que há um ano, mas a mesma pergunta sem resposta: quem mandou matá-la?

Foro de Teresina #42: O caso Marielle avança, Bolsonaro tuíta e olavetes brigam por espaço

O podcast da piauí comenta os fatos da semana na política nacional

Green Book: O Guia – conto de fadas infantil para adultos

Filme vencedor do Oscar é engodo baseado em estereótipos

Uma investigação, duas narrativas

Fato incomum, delegado e promotoras dão entrevistas separadas sobre prisão de acusados de matar Marielle; governador pega carona

Maria vai com as outras #4: Às vezes não gosto da minha cara

Uma modelo, uma estudante de medicina e uma tradutora falam sobre padrões de beleza, beleza como capital de trabalho e a obrigação social de ser bonita

Uma bolsonarista contra Trump

Uma visita à brasileira que os Estados Unidos tentam deportar após ela ter arrancado boné de um trumpista

Mais textos
1

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

2

Uma investigação, duas narrativas

Fato incomum, delegado e promotoras dão entrevistas separadas sobre prisão de acusados de matar Marielle; governador pega carona

3

Brutalidade que os laudos não contam

Na reconstituição da ação policial mais letal da década no Rio de Janeiro, vísceras à mostra e suspeitas de tortura

4

O cabeleireiro do Cascão

Um trabalho digital de ponta

5

Green Book: O Guia – conto de fadas infantil para adultos

Filme vencedor do Oscar é engodo baseado em estereótipos

6

Foro de Teresina #42: O caso Marielle avança, Bolsonaro tuíta e olavetes brigam por espaço

O podcast da piauí comenta os fatos da semana na política nacional

7

Minha dor não sai no jornal

Eu era fotógrafo de O Dia, em 2008, quando fui morar numa favela para fazer uma reportagem sobre as milícias. Fui descoberto, torturado e humilhado. Perdi minha mulher, meus filhos, os amigos, a casa, o Rio, o sol, a praia, o futebol, tudo

8

O silêncio do vereador

Uma semana com Carlos Bolsonaro na Câmara do Rio

9

Uma bolsonarista contra Trump

Uma visita à brasileira que os Estados Unidos tentam deportar após ela ter arrancado boné de um trumpista