questões cinematográficas

Taego Ãwa e Paterson – A simplicidade tem seus encantos

Embora sejam radicalmente diferentes, documentário brasileiro e filme de ficção americano guardam um inesperado e encantador traço em comum: a simplicidade

Eduardo Escorel
25maio2017_14h43
<i>Taego Ãwa</i>
Taego Ãwa FOTO: Vinícius Berger

Na tentativa de pôr em dia lançamentos que deixei de comentar durante as férias, assisti a Taego Ãwa e Paterson em dias seguidos, sábado e domingo da semana passada, na mesma sala. Embora sejam radicalmente diferentes, o documentário brasileiro e o filme de ficção americano guardam um inesperado e encantador traço em comum, a simplicidade.

O engajamento dos irmãos Marcela e Henrique Borela em favor da demarcação da terra tradicional dos Ãwa, povo indígena do Brasil Central, não os leva a tornar Taego Ãwa grandiloquente. Cinema e empenho militante coexistem e a qualidade estética não é ofuscada pela política.

Jim Jarmusch, por sua vez, acompanha durante uma semana, demarcando a passagem dos dias, a rotina de Paterson (Adam Driver) e as múltiplas iniciativas de sua mulher, a sonhadora Laura (Golshifteh Farahani). Homem comum, motorista de ônibus e poeta, não há acontecimentos notáveis ou atos de heroísmo na vida de Paterson – salvo se o ônibus que dirige enguiçar e o caderno onde escreve seus poemas ser estraçalhado pelo buldogue inglês do casal forem considerados eventos fora do comum. O único arroubo heróico do personagem é um gesto inútil – arrebatada a arma da mão do amigo que ameaça se matar, descobre-se que ela é de brinquedo. A novidadeira da família é Laura, mas sem nunca perturbar a placidez do marido.

Sendo ambos narrados em tom menor, Taego Ãwa e Paterson se aproximam, apesar de suas dissemelhanças. O que Jarmusch disse dos seus próprios filmes em entrevista à Film Comment de novembro/dezembro do ano passado se aplica ao documentário dos irmãos Borela: “Eu tenho tentado fazer filmes que não gritam a plenos pulmões para o mundo todo [that are not shouting from the mountaintop to all the world], mas que parecem mais pequenas cartas enviadas para alguém por quem tenho afeto.”

Os irmãos Borela levam ao Brasil Central, em 2011, imagens dos Ãwa (Avá-Canoeiros) gravadas em VHS pelo músico goiano Tonzêra em 1989 e 1991, encontradas por Marcela, em 2003, na Faculdade de Informação e Comunicação da Universidade Federal de Goiás. São imagens preciosas, entre as quais se destaca a cena da caça de cervos-do-pantanal feita com arco e flecha por um Ãwa. É uma cena memorável pela maneira como é gravada, com a câmera acompanhando o caçador de perto à medida que ele se aproxima das presas, pé ante pé, pisando com cuidado no alagadiço. A sequência é longa e preserva as flechadas que erram o alvo antes das certeiras, vistas sem cortes entre o disparo e o impacto nos cervos.

Nas gravações feitas entre 2014 e 2015, os irmãos Borela mostram planos gerais da área em disputa e remanescentes dos Ãwa que aguardam a delimitação das suas terras tradicionais. Com sensibilidade, em apenas 75 minutos, criam a atmosfera de uma espera de décadas que mais parece perdurar há séculos.

<i>Paterson</i>
Paterson

Ao contrário de Taego Ãwa, Paterson, nas palavras de Jarmusch, “não é um documento social” da cidade do estado de Nova Jersey, homônima do personagem principal: “É uma Paterson imaginária. Mas além de a respeitarmos visualmente, também respeitamos sua diversidade étnica por que ela é incrivelmente diversificada.” Indicação disso é feita através do casal Paterson e Laura, formado por Adam Driver, cuja ascendência é inglesa, holandesa, alemã, irlandesa e escocesa, e Golshifteh Farahani, descendente de persas. Mesmo antecedendo a recente exacerbação da intolerância em relação a imigrantes, a escolha como locação do filme da cidade que tem a segunda maior população árabe per capita dos Estados Unidos assinala uma tomada de posição de Jarmusch sobre a discriminação imperante.

Diante de perguntas sobre o significado de certas coisas em Paterson, Jarmusch respondeu: “Eu creio que nos inclinamos pela anti-significação” em Paterson. “O filme é sobre coisas, não sobre significados.”

Na sessão em que assisti a Taego Ãwa, no sábado, o público se resumia a 6 senhoras.

Domingo, a mesma sala estava lotada para ver Paterson. Dados disponíveis informam que o custo de produção do filme de Jarmusch foi de 5 milhões de dólares e que, de dezembro a abril, teria rendido nos Estados Unidos e no mercado externo cerca de 7,5 milhões de dólares. Não é um êxito comercial, mas é um bom resultado, considerando seu custo e as rendas adicionais que ainda terá em outros mercados.

Taego Ãwa, por sua vez, teve até o momento cerca de 1200 espectadores. É a reafirmação, como se ainda fosse preciso, do impasse enfrentado por documentários brasileiros que aguarda um desfecho – mesmo filmes de qualidade, premiados e bem recebidos em diversos festivais, documentários em especial, não costumam ter público no circuito de salas de cinema e acabam sendo condenados a um certo ostracismo em função disso. Até quando será possível continuar produzindo filmes como esses nessas condições? Por outro lado, o empenho militante de Taego Ãwa não acaba, ao menos em parte, frustrado e caindo no vazio?

Eduardo Escorel

Eduardo Escorel, cineasta, diretor de Imagens do Estado Novo 1937-45

Leia também

Últimas Mais Lidas

Quem ri com Bolsonaro

Na porta do Alvorada, empresário apoia agressão a jornalista; nas redes, estratégia bolsonarista amplia alcance de ataques

Seguro sinistro

Despachante de "associações de proteção" oferece prêmio a policiais para recuperar carros roubados no Rio

Foro de Teresina #89: As mentiras de Bolsonaro, a caserna no Planalto e os tiros contra Cid Gomes

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Tanque atropela patinete

Militares e policiais acendem pavio para implodir agenda de Paulo Guedes

Greve, motim e chantagem pelo poder

Bolsonaro usa demandas dos policiais para enfraquecer governadores, em especial os de oposição

“A jornalistas, oferecem dinheiro ou chumbo”

Repórter reconstitui assassinato do jornalista Léo Veras e lembra rotina de violência do narcotráfico na região

O Farol – fantasia extravagante 

Escassez de opções e presença de Willem Dafoe levam colunista a cair no conto do “horror cósmico com toques sobrenaturais”

Coronavírus espreita a Olimpíada

A cinco meses dos jogos, Tóquio vê turistas fugirem e máscaras acabarem

Maria Vai Com as Outras #1: A necessidade faz o sapo pular

A camelô Maria de Lourdes e a costureira Alessandra Reis falam da rotina como profissionais autônomas num mercado informal: o das calçadas do Centro do Rio e o da Marquês de Sapucaí

Mais textos
1

Greve, motim e chantagem pelo poder

Bolsonaro usa demandas dos policiais para enfraquecer governadores, em especial os de oposição

2

Quem ri com Bolsonaro

Na porta do Alvorada, empresário apoia agressão a jornalista; nas redes, estratégia bolsonarista amplia alcance de ataques

3

Tanque atropela patinete

Militares e policiais acendem pavio para implodir agenda de Paulo Guedes

5

A pensão de 107 anos

Herdeiros de servidor público receberam legalmente benefício da Previdência de 1912 a 2019 – atravessando nove moedas e trinta presidentes brasileiros

6

Seguro sinistro

Despachante de "associações de proteção" oferece prêmio a policiais para recuperar carros roubados no Rio

7

Foro de Teresina #89: As mentiras de Bolsonaro, a caserna no Planalto e os tiros contra Cid Gomes

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

8

“A jornalistas, oferecem dinheiro ou chumbo”

Repórter reconstitui assassinato do jornalista Léo Veras e lembra rotina de violência do narcotráfico na região

9

Coronavírus espreita a Olimpíada

A cinco meses dos jogos, Tóquio vê turistas fugirem e máscaras acabarem