1969

Glauber e Godard, juntos e distantes no pós-68

Alternando paternalismo e críticas duras, o cineasta brasileiro reverencia o francês em cartas e artigos – mas parece falar mais de si próprio