questão de opinião

Temer vence 1ª batalha da longa guerra que começou no Rio

Dizendo-se contrário a como intervenção foi feita, Bolsonaro se posiciona para lucrar com sucesso ou fracasso da operação

José Roberto de Toledo
16fev2018_22h57
Traficantes fogem de ação policial na Vila Cruzeiro, em 2010
Traficantes fogem de ação policial na Vila Cruzeiro, em 2010 IMAGEM: REPRODUÇÃO

Oprimeiro dia da operação político-militar arquitetada por Michel Temer e seus generais sem farda foi vencido pelo governo. A cobertura de telejornais lhe foi francamente favorável. Raros contrapontos, quase nada de crítica. É tudo com que o presidente sonhava desde que Joesley Batista delatou-o há nove meses. A Lava Jato, para seu alívio, sumiu do noticiário da tevê. Mas a guerra que ele declarou não se resume à primeira batalha.

Para dobrar seu dígito solitário de popularidade e ter alguma chance na eleição de seu sucessor em outubro, Temer vai precisar de muito mais do que um Jornal Nacional a seu favor. As imagens de dezenas de traficantes cariocas em fuga da Vila Cruzeiro numa ação similar coordenada pelo governo Lula em 2010 ajudaram a melhorar a imagem do então presidente e de sua candidata, Dilma Rousseff, mas foi o bolso que motivou os eleitores, como sempre.

Desta vez, não é só o consumo que determinará o resultado das urnas. Outros temas entraram com força na agenda eleitoral.

Se a intervenção federal na segurança do Rio de Janeiro der certo, os militares, responsáveis pela operação, ganharão prestígio. Por tabela, o discurso que defende seu protagonismo em detrimento do poder civil também. Bom para Jair Bolsonaro e sua candidatura presidencial. Se der errado, melhor ainda para o militar reformado. Bolsonaro se declarou contra a intervenção nos termos decretados por Temer. Quer mais. Que o poder de fogo dos interventores não seja limitado pelo Judiciário.

Segundo o discurso do dublê de deputado e candidato, o eventual fracasso dos militares no Rio não será culpa deles, mas dos constrangimentos à sua atuação impostos pelos civis. É uma ideia que ecoa nas forças de segurança de modo geral. Chefe antinarcóticos da Polícia Federal no Rio, o delegado Carlos Eduardo Antunes Thomé disse à piauí que “será de extrema importância o apoio do Poder Judiciário na expedição de mandado de busca coletivo no interior das favelas[cariocas]“.

Percebem-se as complexas implicações que a intervenção militar na segurança do Rio acarreta. São tantas que nem o comandante do Exército, general Villas Boas, soa muito convicto sobre a operação. Ele não foi visto na entrevista coletiva que detalhou o que seria feito, nem participou das reuniões que a decidiram.

Parece ter pego o prato feito. Em sua conta no Twitter, contou: “Acabei de reunir-me com o General Braga Netto, nomeado interventor federal na segurança pública do RJ. Da análise, concluímos que a missão enlaça o general diretamente ao Sr PR (Presidente da República).“ Eximiu-se da cadeia de comando.

No tuíte seguinte, ponderou os limites da operação militar: “Os desafios enfrentados pelo estado do RJ ultrapassam o escopo de segurança pública, alcançando aspectos financeiros, psicossociais, de gestão e comportamentais. ​Verifica-se pois a necessidade de uma honesta e efetiva ação integrada dos poderes federais, estaduais e municipais.” Destaque para o “honesta”.

José Roberto de Toledo (siga @zerotoledo no Twitter)

Jornalista da piauí, foi repórter e colunista de política na Folha e no Estado de S. Paulo e presidente da Abraji

Leia também

Últimas Mais Lidas

Médicos de menos, as doenças de sempre

A história de quatro pacientes crônicos do sertão do Ceará que estão há um mês sem os tratamentos que precisam, após a saída dos profissionais cubanos do país

Foro de Teresina #31: O escândalo do motorista, o antiministro do Meio Ambiente e o barraco do PSL

O podcast da piauí analisa os fatos mais recentes da política nacional

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

Mulheres de “facção”

Sem emprego formal, costureiras trabalham até 14 horas por dia para intermediários da indústria da moda, as chamadas “facções”

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

Mais textos
1

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

2

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

3

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

4

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

7

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

8

Rakudianai

A política, a prisão, o encontro com o crocodilo, o julgamento e meu pai: lembranças de quarenta anos atrás

9

Xô, esquerda!

Pastores da Universal agora livram os fiéis de possessões comunistas?

10

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty