questões cinematográficas

Toni Erdmann – provocador e divertido

Além do boca a boca favorável, o que terá levado alguém a imaginar que o inquietante filme pudesse ser um bom programa?

Eduardo Escorel
24mar2017_14h24

Casa cheia domingo à noite. O que terá feito aquelas cento e poucas pessoas sairem de casa para assistir ao perturbador filme de Maren Ade, em um dia frio e chuvoso? Ser anunciado como “comédia dramática” pesou a favor da escolha de Toni Erdmann? E o Bonequinho do Globo, aplaudindo de pé, terá influído? Além do boca a boca favorável, apesar de haver respeitáveis vozes discordantes, o que terá levado alguém a imaginar que o inquietante filme pudesse ser um bom programa? É pouco provável que a maioria daqueles espectadores dominicais soubesse que um fato incomum aconteceu ano passado, na sessão da crítica de Toni Erdmann no Festival de Cannes: houve uma irrupção espontânea de aplausos em meio à projeção.

Inusitado, Toni Erdmann pega de surpresa quem não estiver preparado. Mas, quem poderia estar preparado para testemunhar as intervenções desconcertantes do alter ego de Winfried, professor de música idoso e doidão que se maquia, usa perucas e uma dentadura postiça? A força do filme, além das atuações brilhantes de Peter Simonischek, como Winfried/Toni Erdmann, e Sandra Hüller, como Ines, a filha yuppie de Erdmann, está em parte no modo simples de Ade filmar, na ironia que permeia o desenrolar da trama e, principalmente, no contraste entre o realismo da encenação e as sucessivas situações absurdas criadas por Erdmann.

Toni Erdmann consegue provocar um duplo constrangimento – aos personagens com os quais Erdman interage e aos espectadores do filme diante de algumas situações difíceis de testemunhar. O primeiro embaraço é a principal matéria prima do enredo, o segundo resulta da imaginação e modo de encenar de Ade, roteirista e diretora inspirada, conforme declarou, na sua própria experiência de vida, em especial na de seu pai.

Há um lado lúdico nas peças que Erdman prega, sem outro objetivo a não ser o de desconcertar práticas habituais e se divertir. São brincadeiras gratuitas, relativamente inofensivas, como a da primeira cena do filme, na qual um mensageiro, na tentativa de entregar uma encomenda, mal consegue manter a compostura.

Um propósito definido predomina, porém, na performance de Erdman. Sua missão é abalar a rigidez da filha, mais aparente do que real. Tarefa à qual ele se dedica com afinco ao longo de todo o filme, com algumas vitórias momentâneas e inconclusivas. No final, Ines parece ter reassumido a postura da sua persona convencional.

Maren Ade
Maren Ade
Ade definiu a personagem melhor do que qualquer um seria capaz. Ines “não é uma mulher reprimida”, declarou. “Eu a vejo como uma mulher que está se tornando mais consciente de que ela está engolindo coisas que não deveria engolir e que só quem pode mudar as coisas é ela mesma.” Quem assistiu a Toni Erdmann não terá dificuldade de entender o duplo sentido, metafórico e literal, dessa definição.

Entrevistas de diretores e diretoras são sempre arriscadas e Ade não deixa de derrapar, mas se recupera logo em seguida. Induzida pelo entrevistador, ela diz que Toni Erdmann é “sobre globalização e capitalismo e o que ambos fazem conosco, com nossas relações”. Ups! Essa é de doer. Ainda bem que nem todo mundo lê essas entrevistas. Ade, porém, na verdade, escapa do vexame completo ao qualificar melhor o que acabou de dizer e citar, em seguida, Asghar Farhadi, demonstrando certo senso de humor: “Toni Erdmann não faz uma declaração política forte. Há dois dias eu estava em um simpósio e o [diretor iraniano] Asghar Farhadi disse, ‘O tempo do cinema que dá respostas acabou – agora é o tempo do cinema que faz perguntas’. Eu pensei, ‘Oh merda, onde está meu notebook? Preciso anotar isso”. (entrevista disponível em aqui)

Toni Erdmann preserva qualidades do primeiro filme de Ade, A floresta das ilusões (Der Wald Vor Lauter Bäumen), de 2003 – a simplicidade na maneira de filmar e conduzir a narrativa, o realismo, e características da personagem principal, a jovem professora Melanie (Eva Löbau), igualmente desajustada, solitária e capaz de criar situações constrangedoras, como Erdmann. Mas agora, em Toni Erdmann, Ade vai além – radicaliza seu filme mais recente ao situar personagens comuns no mundo das grandes corporações e dos negócios internacionais, ao mesmo tempo em que transita, com humor, entre realismo e absurdo.

Eduardo Escorel

Eduardo Escorel, cineasta, diretor de Imagens do Estado Novo 1937-45

Leia também

Últimas Mais Lidas

A eleição de nariz tampado

Resultado da votação terá impacto direto na decisão do Reino Unido de manter ou não o Brexit; isolamento do país e direitos sociais estão em jogo

Foro de Teresina #81: A popularidade de Bolsonaro, o pacote anticrime sem Moro e as fake news na mira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Memória do óleo

Mais de um mês depois da chegada do petróleo numa praia do Sul da Bahia, voluntários anônimos enfrentam o cansaço, o sol e a exaustão mental para tentar limpar até a última mancha

Ele e eu – Dziga Vertov em apuros

Biografia de cineasta russo lembra relação estreita entre arte e resistência

Alcolumbre ganha asas

Presidente do Senado toma o lugar de Eduardo Bolsonaro e se torna um dos políticos mais citados em novembro

Maria Vai Com as Outras #8: Feminismo negro

A socióloga Márcia Lima encerra a terceira temporada numa gravação especial com participação da plateia

China leva churrasco brasileiro

Peste dizima rebanho suíno chinês; para suprir demanda externa, picanha bovina sobe até 33% nos supermercados do Brasil

Uísque com sopapos

Presidente da Firjan consegue aprovar mudança em regra eleitoral que lhe permite disputar nono mandato; disputa sucessória causa confusão em happy hour de empresários

Foro de Teresina #80: A tragédia em Paraisópolis, o desaforo de Trump e a cultura do desaforo

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Mais textos
1

Contagem regressiva

A responsabilidade do campo democrático para evitar a catástrofe

2

China leva churrasco brasileiro

Peste dizima rebanho suíno chinês; para suprir demanda externa, picanha bovina sobe até 33% nos supermercados do Brasil

3

Conversão na fé ou na marra

Diante da ameaça de facção criminosa no Acre, integrantes de grupo rival têm de optar entre aderir a invasores ou entrar para igrejas evangélicas – e gravar vídeos como prova

4

Memória do óleo

Mais de um mês depois da chegada do petróleo numa praia do Sul da Bahia, voluntários anônimos enfrentam o cansaço, o sol e a exaustão mental para tentar limpar até a última mancha

5

A eleição de nariz tampado

Resultado da votação terá impacto direto na decisão do Reino Unido de manter ou não o Brexit; isolamento do país e direitos sociais estão em jogo

6

Uísque com sopapos

Presidente da Firjan consegue aprovar mudança em regra eleitoral que lhe permite disputar nono mandato; disputa sucessória causa confusão em happy hour de empresários

7

O minibolsonarista

Um menino que adora fardas

9

O fiador

A trajetória e as polêmicas do economista Paulo Guedes, o ultraliberal que se casou por conveniência com Jair Bolsonaro

10

O sapo escaldado da democracia

Prisão de brigadistas aumenta mais um grau em ambiente de autoritarismo lento e irrestrito