questões cinematográficas

Trama Fantasma e Cartas para um Ladrão de Livros – O estilista e o ladrão

Assistir aos dois filmes em sessões seguidas evidencia os impasses do cinema brasileiro para ser autossustentável

Eduardo Escorel
08mar2018_15h27
<i>Cartas para  um Ladrão de Livros</i>
Cartas para um Ladrão de Livros FOTO: DIVULGAÇÃO

Quem imaginaria que Reynolds Woodcock e Laéssio Rodrigues de Oliveira poderiam estar lado a lado algum dia? Eles habitam universos distantes, um, suntuoso, o outro, singelo. Só mesmo contingências de programação seriam capazes de aproximar o mundo da alta costura londrina, nos anos 50, das quebradas de São Paulo e do Rio de Janeiro, nesta década de 2010.

Uma única sessão diária, espremida entre duas de Trama Fantasma, e com apenas 20 minutos de diferença, a morbidez de Woodcock (Daniel Day-Lewis) é separada da alegria de Laéssio, o ladrão de livros do documentário de Carlos Juliano Barros e Caio Cavechini. Morbidez e alegria que resultam, ambas, pouco convincentes.

O prepotente Woodcock, do filme escrito e dirigido por Paul Thomas Anderson, parece ter motivos suficientes para estar satisfeito consigo mesmo, mas deixa-se aprisionar em uma relação doentia e se oferece em holocausto, vítima da vingança perversa de sua amada parceira. O presunçoso Laéssio, por sua vez, ri das suas próprias transgressões, sem que se saiba exatamente por quê. Ele declara sentir prazer em roubar; abandona na rodoviária malas contendo garrafas de água mineral cheias com sua própria urina; e pretende pôr fogo na Biblioteca Nacional. Preso e solto, mais de uma vez, durante os cinco anos das gravações, está na cadeia de novo quando Cartas para um Ladrão de Livros termina. Seus malfeitos e brincadeiras de mau gosto por acaso justificam suas risadas?

Trama Fantasma

FOTO: DIVULGAÇÃO

 

A exibição no mesmo cinema, em sessões intercaladas, de Trama Fantasma e Cartas para um Ladrão de Livros torna evidente uma das raízes do conhecido impasse que impede o cinema brasileiro de se tornar autossustentável. Enquanto o filme de Anderson é um produto de luxo, cujo custo de produção alcançou 35 milhões de dólares, o modesto documentário de Barros e Cavechini pode ter custado menos do que 1% desse valor. Mas, pelos mesmos 35,80 (trinta e cinco reais e oitenta centavos), o consumidor pode ter acesso a qualquer um dos dois filmes. Mal comparando, é como se fosse possível comprar pelo mesmo preço um Bristol 405 castanho, igual ao que Woodcock dirige em Trama Fantasma, cujo valor pode chegar a cerca de 800 mil reais, e um Volks Gol, avaliado em pelo menos 37 mil reais. Quem em sã consciência optaria pelo carro fabricado no Brasil? Daí, independentemente da qualidade ou deficiência do filme brasileiro, não seria possível competir com o estrangeiro.

É claro que filmes e carros não são produtos similares. A comparação serve, porém, apesar de forçada, para ilustrar os termos desiguais da competição entre o filme importado e o brasileiro, mesmo no mercado interno. Prova disso, é Cartas para um Ladrão de Livros ter estreado no Rio em um cinema com uma sessão diária, enquanto Trama Fantasma, na segunda semana em cartaz, estava sendo exibido em dezenove salas, com inúmeras sessões, sem mencionar outras tantas país afora. No dia da estreia, quatro pessoas assistiram ao documentário brasileiro na sala de 150 lugares, enquanto cerca de trinta viram o filme de Anderson, na mesma sala, na sessão anterior.

O valor artístico de um filme, subjetivo por definição, não guarda relação direta com seu orçamento, nem deriva do resultado de sua carreira comercial. Trama Fantasma e Cartas para um Ladrão de Livros são bons exemplos disso. O filme de Anderson é um investimento milionário que até o momento não demonstrou potencial para cobrir seu custo no circuito de salas. Para tanto precisaria render mais de 100 milhões de dólares, meta difícil de alcançar, tendo arrecadado cerca de 39 milhões após dois meses em exibição mundial. Apesar de estar em patamar de custo muito inferior, o documentário de Barros e Cavechini ao estrear sequer deu sinais de ter algum apelo comercial.

Diferentes em quase tudo, além da aproximação fortuita na mesma tela, um após o outro, Trama Fantasma e Cartas para um Ladrão de Livros guardam entre si outros traços comuns – a mesma soberba de Woodcock e Laéssio, pela qual ambos pagam caro. Além de fracassarem na bilheteria, os dois filmes resultam desastrosos artisticamente. A ausência de qualquer dimensão dramática crível de seus personagens centrais, torna ambos figuras patéticas, dignas de comiseração. Não mais do que isso.

Terem dado o Oscar de Melhor Figurino a Mark Bridges por Trama Fantasma – cujo personagem principal é um estilista –, além de ser um pleonasmo é um típico prêmio de consolação que mais ofende do que gratifica.

 

Eduardo Escorel

Eduardo Escorel, cineasta, diretor de Imagens do Estado Novo 1937-45

outras questões cinematográficas

Últimas Mais Lidas

A quem faz cinema no Brasil

Reflexões sobre os impasses da profissão, nas palavras de Dziga Vertov

A Batalha de Argel, Um Filme Dentro da História – interessante e excessivo

Realização tardia e bem-sucedida do neorrealismo parece um documentário, mas é encenado do primeiro ao último plano

O Distante Latido dos Cães – apelo à boa consciência

Melhor documentário internacional no É Tudo Verdade mostra rotina de menino órfão em zona de guerra entre governo e separatistas na Ucrânia

Arábia – quando o excesso de elogios pode ser contraproducente

Recebido como um dos filmes do ano, longa não repercute junto ao público, um paradoxo do cinema brasileiro

O Processo – observação em crise

Como todo observador intransigente, diretora Maria Augusta mais constata do que revela no documentário sobre o impeachment de Rousseff

Mais textos
1

Tudo o que você não quer e não precisa saber sobre a Copa #1

O podcast que não vai falar sobre o quinto metatarso do Neymar

2

Didi ensina a arte do meia-armador, aquele que Tite não tem

Série “Diz aí, mestre” recupera entrevistas com os grandes da seleção brasileira

3

Nilton Santos e Didi contam como driblavam o medo antes da estreia

Até o fim da Copa, a série “Diz aí, mestre” recupera histórias de jogadores das principais seleções brasileiras em mundiais

4

Uma finta na idade

Zizinho e Ademir da Guia falam da dor de deixar os gramados e das artimanhas do craque para adiar o fim da carreira

6

O raro êxodo do Bolsa Família

Cada vez menos voluntários como Toninho pedem para sair do programa de ajuda: número de famílias que abre mão do benefício caiu à metade desde 2013

7

Sobe balão de filho de José Alencar para o lugar de Lula

Empresário que deixou a vice-presidência da Fiesp para ser candidato em outubro agora é cotado para o papel do vice que pode chegar a titular em chapa PT-PR

8

Do inferno ao céu, de chuteiras

Em vídeo da série "Diz aí, mestre", os campeões mundiais Nilton Santos e Tostão e o técnico do time de 82 e 86, Telê Santana, investigam o caso de amor e ódio do torcedor brasileiro com a sua seleção

9

Estranhos no ninho

Guerra no PSDB compromete as ambições 
presidenciais de Geraldo Alckmin

10

Deu zika no caixa

PCC transmite técnica de explodir caixas eletrônicos sem inutilizar as cédulas e detona epidemia de ataques a bomba no Rio