questões financeiras

Vilões de 2017, “preços controlados” pressionam inflação em 2018 e além

Planos de saúde, gasolina e conta de luz são os itens que mais esvaziaram os bolsos dos brasileiros. Eles têm algo mais em comum: vão continuar subindo

José Roberto de Toledo
11jan2018_13h13
ILUSTRAÇÃO: JOÃO BRIZZI

Ovilão da inflação de 2016 virou herói em 2017. O feijão carioca, cujo preço subira 46% no ano anterior, caiu na mesmo proporção no ano passado. O fenômeno se repete com outros alimentos, sujeitos à imprevisibilidade do clima, a caprichos de mercado e ao sucesso ou fracasso da safra. Destaque de uma das pontas da gangorra de preços, a comida monopolizou as manchetes mas não foi a única a impactar as contas do consumidor. Do outro lado, menos noticiado, aparecem serviços e produtos que têm os preços controlados pelo governo. Esses foram os vilões de 2017.

Os alimentos serviram até de justificativa para o Banco Central ter superestimado a taxa de inflação em suas projeções. O custo de se alimentar em casa recuou quase 5% no ano passado, a maior queda já registrada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE. Não houvesse esse choque extraordinário, o BC estima que a inflação de 2017 teria sido de 4,5% e não de 2,95%.

O golpe de sorte que barateou os alimentos deixou em segundo plano os itens que mais esvaziaram o bolso dos brasileiros em 2017. Nada teve impacto mais negativo sobre as finanças domiciliares do que planos de saúde, gasolina e a conta de luz. E por que pouco viraram notícia?

Entre outros motivos, porque não foram necessariamente os itens que sofreram os maiores aumentos nominais. Considerada apenas a variação de preços, os vilões são o pintado (32,5% de aumento no ano) e a cenoura (18,2%). Há, obviamente, um limite para a quantidade desse tipo de peixe ou dessa hortaliça que as famílias costumam comprar. Raros consumidores gastarão mais com a soma dos dois do que pelo gás que usam para prepará-los.

Para medir os maiores impactos é preciso levar em conta o peso de cada um dos 373 itens na cesta do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, o IPCA, calculado pelo IBGE. A piauí fez a conta. Como o plano de saúde, por exemplo, implica gastos mais vultosos, seu peso é maior. Um aumento de 13,5%, como o registrado, tem efeito 54 vezes mais devastador sobre as contas do consumidor do que a cenoura. O mesmo vale para gasolina, gás de botijão, energia elétrica residencial, taxa de água e esgoto, e ônibus urbano.

Todos esses itens pesam muito no orçamento familiar, aumentaram acima da média em 2017 e são administrados pelo governo. E têm algo mais em comum: vão continuar subindo – em 2018 e além.

Eles refletem as ineficiências da economia brasileira, explica Silvia Matos, pesquisadora do Instituto Brasileiro de Economia, o IBRE. Em parte, o encarecimento desses itens se deve a aumentos de impostos e taxas – como ICMS –, decretados para tentar diminuir o tamanho do rombo nas contas governamentais. A outra parte vem da escassez de oferta, como, por exemplo, de energia. Silvia Matos estima que a luz aumentará 10% em 2018.

Sem perspectiva de solução da crise fiscal nem de avanço rápido de investimentos em infraestrutura que aumentassem a disponibilidade de energia elétrica barata, a inflação brasileira continuará dependendo da sorte. Regime de chuvas desfavorável ou a própria retomada da economia são potenciais estopins para mais aumentos de preços administrados, com impacto indireto sobre outros itens que contribuem para a inflação.

“A gente teve muita sorte com os alimentos e com o cenário internacional mas, ao mesmo tempo, sofremos uma recessão brutal”, lembra a pesquisadora do IBRE. A contenção da demanda provocada pelo desemprego em massa também explica, em parte, a inflação excepcionalmente baixa do ano passado. Por isso, se a economia continuar crescendo este ano, as pressões inflacionárias crescerão junto. “Impossível repetir 2017”, diz.

Silvia Matos e seus colegas projetam uma taxa de inflação de 3,8% para 2018: “É muito difícil imaginar um IPCA abaixo de 3,5%” – mesmo com um cenário em que os preços dos alimentos não voltem ao patamar anterior ao do ano passado. Haja feijão.

José Roberto de Toledo (siga @zerotoledo no Twitter)

Jornalista da piauí, foi repórter e colunista de política na Folha e no Estado de S. Paulo e presidente da Abraji

Leia também

Últimas Mais Lidas

Da várzea à taça, os astronautas da bola

Em série de vídeos da piauí, grandes jogadores recuperam histórias de seus mundiais e iluminam a maior paixão coletiva do Brasil

O sistema funciona. Mas a que preço?

Arranjo institucional brasileiro garante a governabilidade, mas sacrifica a divisão de Poderes e a relevância das eleições legislativas

Depois do desemprego vem o desalento

Crise econômica converteu Salvador na capital brasileira dos desalentados, aqueles que se frustram com o insucesso e param de procurar trabalho

Civilização e barbárie

Jair Bolsonaro não é um candidato a mais na disputa

Maria vai com as outras #4: Profissão família

A jornalista Leticia Nascimento, o radialista Paulinho Coruja e a atriz Vanessa Lóes contam como deixaram suas carreiras para cuidar dos filhos e da vida doméstica

Lula, da cela à tela

Após prende e solta, candidatura do PT volta a ficar em evidência e tumultua a corrida presidencial

Vai uma quentinha aí?

Com a crise econômica, um desempregado alimenta o outro, literalmente

piauí estreia colunas diárias sobre as eleições

Nove cientistas políticos e jornalistas vão debater a campanha deste ano

As Boas Maneiras – sinal de alerta

Filme de Marco Dutra e Juliana Rojas coloca em cena a improvável relação homossexual entre patroa e empregada para despistar o espectador de seu verdadeiro tema

Dario, o órfão, ex-ladrão e ex-grosso que virou Dadá

O campeão mundial em 70 relembra o seu começo no futebol, do primeiro chute aos 19 anos ao técnico que percebeu nele, apesar dos tropeções, um goleador

Mais textos