questões cinematográficas

12 anos em 165 minutos

É difícil imaginar título mais infeliz do que o da versão brasileira do filme escrito e dirigido por Richard Linklater – Boyhood – Da infância à juventude. Ao original, mantido em inglês, foi acrescentada a coda em português tão óbvia quanto banal. A empresa distribuidora Universal Pictures não poderia ter feito desserviço maior a um filme que ainda por cima desperdiça a boa ideia inicial a partir da qual foi realizado.

10nov2014_19h23
Boyhood – Da infância à juventude
Boyhood – Da infância à juventude

É difícil imaginar título mais infeliz do que o da versão brasileira do filme escrito e dirigido por Richard Linklater – . Ao original, mantido em inglês, foi acrescentada a coda em português tão óbvia quanto banal. A empresa distribuidora Universal Pictures não poderia ter feito desserviço maior a um filme que ainda por cima desperdiça a boa ideia inicial a partir da qual foi realizado.

Não há dúvida de que filmar durante 12 anos, acompanhando o crescimento de um menino, é uma proposta atraente, além de pouco usual. O que faltou a Linklater foi conseguir fazer um personagem do jovem Mason (Ellar Coltrane), figura apática a quem nada parece afetar. Quem domina a cena é Olivia (Patricia Arquette), mãe dele, deixando inclusive Mason pai (Ethan Hawke) em segundo plano.

À medida que o filme progride, o interesse da proposta original se esvai e acaba sem cumprir seu potencial. Para agravar o equívoco, Linklater não contém sua conhecida vocação para longos diálogos pseudo reflexivos (vide a trilogia Antes da…) que ocupam grande parte do terço final dos 165 minutos de duração de . Cineastas americanos em crise de identidade, quando adotam uma das mais incômodas características do cinema francês – diálogos transbordantes – costumam causar os piores desastres.

Nos Estados Unidos, a imprensa menciona o filme de Richard Linklater como possível candidato a ser premiado pela Academia no final de fevereiro. Grande sucesso de crítica, chegou a ser chamado de “delicado e profundo”, e também de “um dos mais extraordinários filmes de 2014 ou, aliás, do século 21 até o momento”. Tamanhos encômios são difíceis de entender, a não ser que se refirem apenas à curiosa ideia que originou o filme, e não ao que resultou projetado na tela.

Linklater e Ethan Hawke demonstraram ter noção precisa dos riscos envolvidos no projeto. Quando lhes perguntavam “o que acontece” no filme, Linklater respondia: “Pouca coisa.” E Ethan Hawke chegou a dizer que, neste filme, “o evento é o não evento” – bons propósitos, em tese, mas que resultam além do alcance de ambos.

Em última análise, porém, a equação comercial é a decisiva. E nesse quesito Boyhood arrasa. Produzido por apenas 4 milhões de dólares, já rendeu 43 milhões nos Estados Unidos e no restante do mercado mundial de salas de cinema, desde seu lançamento no início de julho. A Academia costuma ser sensível e sucessos nessa escala, ainda mais quando dotados de certo verniz intelectual. Oscars parecem mesmo estar no horizonte.

Leia também

Últimas

Antes da Covaxin, milhões em preservativos

Desde 2019, governo pagou a empresa investigada na CPI quase 100 milhões de reais por preservativos femininos

A lenha ou a fome

Sem dinheiro para comprar gás, moradores da periferia de Curitiba gastam horas catando madeira e voltam à era do fogão a lenha para poder cozinhar alimentos

Celebridade versus Mito

Trupe de artistas e influencers contra Bolsonaro cresce nas redes, faz barulho e amplia a base de oposição

A importância do cinema brasileiro

Patrimônio merece ser preservado e protegido, não destruído

Desiguais até na infelicidade

Entre os 40% mais pobres da população brasileira, sensação de bem-estar geral caiu mais; para os 20% de renda mais alta, sentimento é de que a vida até melhorou

Lugar de militar é no quartel

Emenda que barra militares da ativa na administração pública é insuficiente, mas um bom começo para tirar Forças Armadas da política

Mais textos