questões cinematográficas

120 batimentos por minuto, o corpo individual e coletivo em ação

Filme sobre grupo de militância contra HIV causa poderosa impressão de autenticidade documental e ganha força ao individualizar personagens

Eduardo Escorel
08fev2018_17h05
Longa de Robin Campillo “conta a história de heróis que salvaram muitas vidas”, declarou Pedro Almodóvar no Festival de Cannes de 2017
Longa de Robin Campillo “conta a história de heróis que salvaram muitas vidas”, declarou Pedro Almodóvar no Festival de Cannes de 2017 FOTO: DIVULGAÇÃO

Há décadas, filmes, material esportivo e hambúrgueres norte-americanos marcam presença no mundo, inclusive em países europeus ciosos de sua identidade que procuram preservar língua e cultura próprias. O que talvez não seja tão notória é a reprodução, na França, de formas de militância surgidas nos Estados Unidos que preservam sua marca original, como ocorre com Nike e McDonald’s.

Fica claro, de saída, em 120 Batimentos por Minuto, que a Act Up – Paris, organização militante da luta contra o HIV à frente das intervenções encenadas no filme, é baseada no original americano, formado em 1987. Esse mimetismo, por deixar de “usar métodos de contestação franceses”, quando criticado por deputados comunistas, recebeu resposta irônica de Robin Campillo, diretor, roteirista e editor do drama ficcionalele mesmo ex-militante da Act Up – Paris: “Feita por pessoas que defendiam a Internacional, eu achava essa restrição bastante grotesca.”

Caso ainda restassem dúvidas, porém, quanto à perpetuidade da influência americana no mundo, a Act Up – Paris serviria para comprovar que tinham razão políticos americanos como os republicanos Will Hays (1879-1954) e Herbert Hoover (1874-1964), o primeiro, presidente da Motion Picture Association of America de 1922 a 1945; o segundo, secretário de Comércio, de 1921 a 1928, e Presidente da República, de 1929 a 1933. Hays declarou que “a bandeira segue o filme”; Hoover, por sua vez, teria declarado que “onde entra o filme americano, vendemos mais automóveis americanos, mais casquetes, mais vitrolas americanas”. O que nenhum dos dois conservadores poderia ter previsto é que um grupo de ação direta, formado nos Serviços Comunitários da Comunidade Lésbica e Gay, em Nova York, viria a servir de referência para iniciativas semelhantes em outros países.

Depois de atestar a ubiquidade da cultura norte-americana nos primeiros minutos, 120 Batimentos por Minuto se demora em uma sucessão de reuniões da organização, sujeitas a um código disciplinar rigoroso, nada libertário. Mesmo bem encenadas e filmadas, com atuações convincentes e alto grau de verossimilhança, as situações coletivas se prolongam em excesso, chegando a parecer que o filme se limitará aos debates que vão perdendo interesse à medida que se tornam repetitivos.

 

Mas, isso não chega a ocorrer. O filme resiste em grande parte graças ao estilo da encenação e da maneira de filmar essas cenas coletivas. Trabalhando com três câmeras, e filmando ações contínuas de 15 minutos, em vez de uma sucessão de planos de curta duração, como é habitual, Campillo produziu um copião de 145 horas e obteve poderosa impressão de autenticidade documental.

Além da tábua de salvação resultante do estilo de filmagem, a partir de certo ponto 120 Batimentos por Minuto se transforma, concentra o foco da narrativa e ganha força ao individualizar personagens, passando a tratar de seus dramas pessoais. Essa é a parte mais expressiva, e implacável, do filme.

Como encerramento, no entanto, Campillo oferece uma síntese celebratória que mais parece um sonho – ação coletiva militante e drama individual coexistem em harmonia na idealizada sequência final que erra o tom face ao drama que acabou de ser narrado.

De qualquer forma, chama atenção não só que 120 Batimentos por Minuto tenha ganho o Grande Prêmio, em Cannes, no ano passado, considerado o segundo lugar da premiação, como que o prêmio principal, a Palma de Ouro, tenha sido atribuída a The Square – A Arte da Discórdia, filme nitidamente inferior. Razão tinha Pedro Almodóvar, presidente do júri, que, segundo consta terçou armas em defesa do filme de Campillo, mas acabou vencido. Com a voz embargada por um soluço, Almodóvar declarou que 120 Batimentos por Minuto “conta a história de heróis que salvaram muitas vidas”.

Há algo confessional em 120 Batimentos por Minuto, responsável pelo vigor do filme, que provém da militância do próprio Campillo na Act Up – Paris. Ao receber o prêmio em Cannes, ele declarou: “Pode-se pensar que o filme é uma homenagem às pessoas que morreram, mas é também uma homenagem aos que sobreviveram e que ainda resistem hoje em dia, e nos quais eu penso muito esta noite, que ainda têm tratamentos pesados e estão em situações precárias por que quando eles eram militantes, eles puseram suas vidas entre parênteses […].”

Campillo não deixou de questionar a “adesão” generalizada ao filme, em entrevista ao Libération: “Eu creio que muitos espectadores percebem hoje em dia que eles ignoraram a epidemia. […] E essa adesão sem mea-culpa é deprimente. Teria sido formidável se houvesse ao menos um político atuante na época que confessasse: ‘OK, nós nos enganamos, nem vimos a epidemia.’ Mas, nenhum! Isso não ocorreu, em nenhum lugar!”

“Desde que a epidemia de HIV apareceu, eu me disse que era preciso fazer um filme a respeito, mas qual filme?”, declarou Campillo ao Libération: “Não é um bom assunto para um filme a priori. O que fazer, falar de quê? Do vírus? Escrevi pequenos textos todo o tempo que nunca deram em nada. Depois do meu primeiro filme (Eles Voltaram, 2004), eu escrevi um roteiro. Levei um ano e meio e percebi que não era bom. Era mais uma história deprimente de solidão face à doença. Voltei à Act Up e disse a mim mesmo: é disso que devo falar, a relação do coletivo com o privado e até onde um corpo pode lutar, corpo coletivo da Act Up, corpos dos militantes doentes.”

Muitas vezes, entrevistas de diretores são melhores do que seus filmes, donde a conhecida máxima, creio que do Paulo Francis: “O filme é uma merda, mas o diretor é genial.” No caso, a referência eram filmes brasileiros. Não creio, em absoluto, que ela se aplique a 120 Batimentos por Minuto, apesar da entrevista de Campillo me parecer mesmo muito melhor que o filme.

Nota: A íntegra da entrevista de Robin Campillo está disponível aqui.

Eduardo Escorel

Eduardo Escorel, cineasta, diretor de Imagens do Estado Novo 1937-45

Leia também

Relacionadas Últimas

A irreverência mansa de The Square – A Arte da Discórdia

Indicado ao Oscar de Melhor Filme em Língua Estrangeira, longa de Ruben Östlund pretende tocar de forma agressiva em feridas da sociedade sueca

STJ, novo ringue de Bolsonaro

Tribunal tem papel decisivo na crise entre presidente e governadores

Witzel a Jato 

Celeridade da Procuradoria da República contra governador do Rio surpreende na operação que expôs contratos da primeira-dama com um dos maiores fornecedores do estado

Esgares e sorrisos

Cinemateca Brasileira em questão

Sem prova nem lápis emprestado

Estudante brasileira em Portugal relata transformações na rotina escolar depois da epidemia de Covid-19

Na contramão do governo, brasileiros acreditam mais na ciência

Pesquisa inédita aponta que, durante a pandemia, 76% dos entrevistados se mostraram mais interessados em ouvir orientações de pesquisadores e cientistas

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

Maria vai com as outras #8: Ela voltou

Monique Lopes, atriz pornô e acompanhante, fala novamente com Branca Vianna, agora sobre seu trabalho durante a pandemia do novo coronavírus

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

Mortos que o vírus não explica

Belém tem quase 700 mortes a mais do que o esperado apenas em abril; oficialmente, Covid-19 só matou 117

Mais textos
1

Dentro do pesadelo

O governo Bolsonaro e a calamidade brasileira

2

Mortos que o vírus não explica

Belém tem quase 700 mortes a mais do que o esperado apenas em abril; oficialmente, Covid-19 só matou 117

3

Autor de estudo pró-cloroquina admite erros em pesquisa

Enquanto isso, maior investigação já realizada sobre a droga reitera que não há benefício comprovado contra Covid-19 e alerta para riscos

4

Amazônia perto do calor máximo

Pesquisa inédita revela que, acima de 32 graus Celsius, florestas tropicais tendem a emitir mais carbono na atmosfera do que absorver

5

Nem limão, nem feijões: sem milagres contra a Covid-19

Ministério Público e polícia investigam “receitas infalíveis” contra o vírus

6

Médico no Rio se arrisca mais e ganha menos

Governo Witzel corta adicionais de insalubridade de profissionais que atuam contra a Covid-19 em hospital da Uerj

8

Uma biografia improvável

O que são vírus – esses parasitas que nos deram nada menos que 8% do nosso DNA

9

Lockdown à brasileira

Como estados e municípios usam estratégias de confinamento com prazos e métodos distintos contra a Covid-19

10

Foro de Teresina #101: Bolsonaro sob pressão

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana