rádio piauí

Retrato Narrado #3 – Os anos em Brasília

Guerras e guerrilhas: Bolsonaro constrói sua narrativa no Congresso

14out2020_00h33

No terceiro episódio da série Retrato Narrado, Carol Pires refaz os passos de Jair Bolsonaro até Brasília, onde ficaria por 28 anos, até ocupar a cadeira de presidente da República. 

Uma narrativa que começa com a campanha de Bolsonaro para vereador, em 1988, quando ele e seu primeiro cabo eleitoral, Waldir Ferraz, tinham como estratégia atirar panfletos em pátios de quartéis. Hoje, Waldir, um dos mais antigos amigos do presidente, trabalha atuando em centenas de grupos de WhatsApp bolsonaristas. 

No início da carreira política, seus apoiadores estavam entre os militares de baixa patente, pelos quais Bolsonaro organizou uma Marcha pela Dignidade da Família Militar, na qual compareceram as mulheres de soldados e cadetes – passeata que ironicamente teve como hino a canção Pra não dizer que não falei das flores, de Geraldo Vandré, que tanto incomodou militares durante a ditadura e fez com que o compositor fosse exilado do país. 

Durante o protesto, Bolsonaro chamou o então presidente Fernando Collor de  “corrupto e imoral”, os ministros da Aeronáutica e da Marinha de “incompetentes”, o chefe do Estado Maior das Forças Armadas, de “omisso” e o ministro do Exército, Carlos Tinoco, de “banana”. Discurso que fez com que militares do governo cogitassem prendê-lo. 



O episódio também contextualiza como Bolsonaro passou a ser apoiado pelas altas patentes do Exército, quando torna-se porta-voz dos militares pela garantia da anistia de 1979, uma vez que o governo petista passara a falar na criação de uma Comissão da Verdade. 

Em Brasília, Carol Pires retorna ao antigo gabinete de Bolsonaro na Câmara dos Deputados, hoje ocupado pela aliada de primeira hora Carla Zambelli. É a deputado quem descreve o cômodo para o ouvinte. Ao fim da descrição, Carol conclui que o gabinete ficou parecendo “um set de uma série que deixou de ser filmada”. 

Retrato Narrado é uma série original do Spotify e da revista piauí, produzida pela Rádio Novelo.

Reportagem, roteiro e apresentação: Carol Pires
Direção: Paula Scarpin e Flora Thomson-DeVeaux
Montagem: Jordana Berg com assistência de Victoria Zanardi
Música original: Pedro Leal David
Produção: Aline Scudeller e Claudia Nogarotto 
Pesquisa: Marlos Ápyus 
Captação de som direto: Gustavo Amora em Brasília, Rodrigo Pereira e Pedro Farias no Rio de Janeiro e Rafael Bordalo em São Paulo 
Mixagem: João Jabace
Checagem: Érico Melo e Marcella Ramos
Promoção e extras: Mari Faria

Leia também

Últimas Mais Lidas

A renda básica, o teto de gastos e o silêncio das elites

Desafio é fazer caber no orçamento de 2021 um programa mais robusto que o Bolsa Família e mais viável em termos fiscais que o auxílio emergencial

A culpa é de Saturno e Capricórnio, tá ok?

Como Maricy Vogel se tornou a astróloga preferida dos bolsonaristas 

Um satélite oculto

Governo declara sigilo sobre decisões de Junta que analisa gastos públicos e complica a mal contada história do equipamento de 145 milhões para monitorar a Amazônia

Cresce força de PMs na política

Entre profissionais da segurança pública que se candidataram, proporção de eleitos triplicou de 2010 a 2018

Homicídios crescem mesmo durante isolamento social

Anuário Brasileiro de Segurança Pública destaca “oportunidade perdida” para reduzir mortes violentas e maior subnotificação da violência de gênero

Praia dos Ossos: ouça o sexto episódio

Podcast original da Rádio Novelo reconta o assassinato de Ângela Diniz

O PL das Fake News e a internet que queremos

Projeto, da forma que está, contribui para a desinformação

Mais textos
3

Procura-se um presidente

Dependência virtual e extremismo de Bolsonaro precipitam corrida política no campo da direita

4

Lucrativa como chocolate

Ex-investidores de Wall Street e os herdeiros de Bob Marley disputam os bilhões da cannabis legalizada nos Estados Unidos

5

O labor de Papai Noel

Papai Noel demais em uma única noite de Natal

6

Temer estuda pedir Estados Unidos em casamento para Brasil não quebrar

Uma ideia ousada surgiu numa reunião de Michel Temer com seus assessores mais próximos nesta tarde. Moreira Franco sugeriu que “já está na hora de o Brasil arrumar um esposo” para não correr o risco de quebrar.

8

A hora mais escura – exigências da verdade

O filme dirigido por Kathryn Bigelow a partir do roteiro de Mark Boal tem duas fragilidades – a legenda na abertura e o close final de Maya, a analista da CIA interpretada por Jessica Chastain. Entre esses dois extremos, porém, há duas horas e meia de bom cinema.

9

Kennedy esquece quem pagou o seu carro

No momento em que se celebra os cinquenta anos de um dos eventos mais traumáticos do século XX, o assassinato do presidente dos Estados Unidos, John F. Kennedy, o documento reproduzido nesta página permite evocar sua figura aos trinta e oito anos, quatro antes de ser eleito presidente dos Estados Unidos. Filho de um empresário milionário que havia sido embaixador dos Estados Unidos na Inglaterra logo antes da guerra, Kennedy, apelidado Jack, foi o presidente eleito mais moço e o primeiro e único católico.

10

Numa tentativa de reavivar a carreira, Belchior vai para o Canadá

OTTAWA – Atento à tendência algo declinante da própria carreira, o cantor Belchior decidiu inscrever-se num curso de intercâmbio no estado de Manitoba, Canadá. O artista partiu ontem e, segundo sua assessoria de imprensa, espera para breve uma onda de publicidade envolvendo o seu nome.