questões musicais

A Arquiduquesa da canção e do escracho

Algum jovem, bem jovem mesmo, que por ventura me leia neste momento, não há de saber quem foi “Araca, a Arquiduquesa do Encantado”, estou certa? Assim era chamada a cantora favorita de Noel Rosa e tantos outros, a super Aracy de Almeida. Mulher absolutamente singular em sua figura e trajetória.

Zelia Duncan
08jun2011_17h25

Algum jovem, bem jovem mesmo, que por ventura me leia neste momento, não há de saber quem foi “Araca, a Arquiduquesa do Encantado”, estou certa? Assim era chamada a cantora favorita de Noel Rosa e tantos outros, a super Aracy de Almeida. Mulher absolutamente singular em sua figura e trajetória.

Quando criança, sempre via o programa de calouros de Silvio Santos, aos domingos. Uma das figuras mais bizarras e intrigantes, ao lado de Pedro de Lara, era então nossa Aracy. Eu a via com preconceitos de criança e não entendia o porquê dela ter mais poder que os outros, sendo tão aparentemente rude e feiosa. Foi minha mãe que primeiro me disse: “ela era uma grande cantora, tem o melhor ouvido do programa, por isso o direito de reprovar os mais desafinados e ainda passar-lhes uma boa espinafração”.

E Aracy cumpria bem aquele papel de estraga prazeres do programa. Fazia tanto sucesso que, segundo o livro do poeta , produtor e amigo, Hermínio Bello de Carvalho, chegou a ser a jurada mais bem paga da televisão brasileira. Com o gordo contra-cheque, Aracy abriu mão de qualquer pontinha de glamour que fosse, pois era o que se esperava dela. Era extremamente despojada de qualquer aparente vaidade e debochada como jurada. Porém, no passado, fora uma cantora fina, afinadíssima, antenada, querida pelos compositores da época, entre eles o adorável rabujento, Ary Barroso, que simplesmente a escolheu, como primeira cantora de “Aquarela Do Brasil”.

O mais interessante é que Aracy era um paradoxo com duas pernas. Nascida e criada no subúrbio carioca do Encantado, era chegada aos palavrões e à vida boêmia. Noel a arrastava pelas noites, cantavam em casas noturnas e bordéis eventuais. Foi casada com um goleiro de futebol, depois viveu com um general aposentado. Junte a isso leituras sofisticadas, amizades com Di Cavalcanti, de quem tinha quadros nas paredes, poesia de Augusto dos Anjos e textos de psicanálise. Amava o natal, era exímia decoradora da festa. Gostava de cozinhar com especiarias, mesa posta com cristais e pratarias. Em casa, bermuda e camisa amarrada na cintura. E pasmem, cuecas. A diva Aracy queria o conforto do(da) samba-canção de todas as formas possíveis e imagináveis.



Transgressora por excelência, tinha expressões famosas e tiradas tão rudes, quanto sensacionais. Só andava de trem (que chamava de “avião dos covardes”). Araca era tudo ao mesmo tempo agora. Chamada de “o samba em pessoa” e “a intérprete perfeita de Noel”, isso dito inclusive por ele mesmo, viveu a fase áurea dos auditórios das rádios, que eram as grandes propagadoras das vozes mais lindas e poderosas do Brasil.

No meu imaginário, a mágica de ouvir um ídolo, mais do que idolatrar sua imagem física, me parece arrebatadora ao extremo porque liberta a imaginação. Você se emociona com o que não está imediatamente vendo. Dizem que no enterro de Chivo Alves, mais de 500.000 pessoas foram para as ruas chorar e render homenagens ao Rei da Voz. Em tempos sem televisão, é algo extraordinariamente bonito.

Então Araca, a diva transgressora, era poesia na época do rádio e escracho na fase televisiva, que foi justamente a que, infelizmente, mais ficou marcada na memória das pessoas, pois a TV tem essa propriedade de trator. Para o bem e para o mal. Não se pode julgar essa intérprete tão fina. Fico aqui me perguntando, que lugar haveria para ela, se não tivesse sido jurada, personagem do Ibope selvagem de domingo. De que viveria? Não importa mais, porém, um pouco de reconhecimento vale ouro pra memória dela e pros nossos ouvidos.

Salve Aracy de Almeida, que fez do samba e do samba-canção sua roupa íntima e um tesouro valioso pra nossa cultura.

Semana que vem, eu juro, se não falar do presente, falo do futuro.

E como diria Aracy:

Valeu, matusquelas!

OBS-Araca Arquiduquesa do Encantado, é o nome do livro de Hermínio Bello de Carvalho, que empresta suas palavras deliciosas, pra nos falar de sua musa.

Zelia Duncan

Leia também

Últimas Mais Lidas

Foro de Teresina #134: Sem vacina, sem Trump, sem nada

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Consórcio de checagem de fatos é indicado ao Nobel da Paz

Presente em 51 países, entre eles o Brasil, Rede Internacional de Verificação de Fatos (IFCN) recebeu a nomeação nesta quinta-feira (21)

A queda do padre youtuber

Marcos de Miranda é afastado da Igreja após denúncia de que infringiu o celibato e tem um filho de 2 anos. Ele nega a acusação

“O mundo em torno de mim está se desfazendo”

Jornalista que vive no Amazonas há trinta anos descreve o colapso dos hospitais manauaras durante a segunda onda da pandemia

Vacina em causa própria

Veterinário que comanda o Departamento de Imunização do Ministério da Saúde inclui a própria categoria na fila prioritária de vacinação contra a Covid-19

A epidemia particular das prisões

No Brasil, suicídios são quatro vezes mais comuns nas cadeias do que fora delas; famílias de presos lutam para que Estado se responsabilize pelas mortes

Pesadelo em Manaus

Mais trinta mil mortos pela Covid em apenas trinta dias. Quem é o responsável por essa tragédia?

Mais textos
1

O lobby da capivara

Como nasce um emoji

2

121

5

Sobrou para o PSTU

Agremiação trotskista com apenas dois vereadores não escapou da fúria contra os partidos, mas já faz planos para o pós-revolução

6

How do you do, Dutra?

É mais arriscado [e divertido] ir de São Paulo ao Rio de carro do que remar da África a Salvador

7

A semana no site da piauí

O "início do namoro" entre Mão Santa e Bolsonaro, as investidas do procurador Carlos Fernando contra os críticos da Lava Jato e outras histórias

8

Quixote venceu

Memórias e dúvidas metafísicas de um torcedor do Galo diante da glória

9

Um pierrô apaixonado

As melhores marchas do carnaval do Rio de Janeiro sucederam-se na boca do povo ao longo das décadas de 1920 a 1950, para fixar-se em seguida na memória de todos os cariocas, mesmo aqueles para quem o carnaval será sempre apenas um feriado. Repetidas ao infinito nas rádios, cantadas nas ruas e nas casas, muitas das marchinhas mais populares tornaram-se imortais.