questões do futebol

A chance perdida pelo futebol brasileiro

Detesto a expressão, mas vou usar: semana passada, o futebol brasileiro perdeu uma grande oportunidade para – desculpem – fazer história. Não creio que a torcida do Real Garcilaso seja mais ou menos racista do que quase todas as outras do planeta – o que inclui as nossas. Não vi o jogo, mas é bastante provável que o time peruano tenha entrado em campo com mais negros que o Cruzeiro. E sou capaz de apostar que, se na saída do estádio os imbecis que imitaram macacos encontrassem Teófilo Cubillas – o maior jogador peruano de todos os tempos, e negro –, todos pediriam autógrafos e produziriam selfies abraçados ao ídolo.

Jorge Murtinho
17fev2014_14h38

Detesto a expressão, mas vou usar: semana passada, o futebol brasileiro perdeu uma grande oportunidade para – desculpem – fazer história.

Não creio que a torcida do Real Garcilaso seja mais ou menos racista do que quase todas as outras do planeta – o que inclui as nossas. Não vi o jogo, mas é bastante provável que o time peruano tenha entrado em campo com mais negros que o Cruzeiro. E sou capaz de apostar que, se na saída do estádio os imbecis que imitaram macacos encontrassem Teófilo Cubillas – o maior jogador peruano de todos os tempos, e negro –, todos pediriam autógrafos e produziriam selfies abraçados ao ídolo.

Não há o que justifique a atuação da torcida do Real Garcilaso, mas  antes que surja alguma proposta de ataque militar a Huancayo, quero crer que o objetivo ali era puramente futebolístico: desestabilizar o jogador, tirar-lhe o foco da partida e induzi-lo a erros. Vi Tinga declarar que ele até tentou esquecer as ofensas e se concentrar no jogo, mas tinha sido muito difícil. A abjeta estratégia dos torcedores do Real Garcilaso alcançara o que pretendia.

E foi aí que o futebol brasileiro perdeu o bonde.



Ao primeiro guincho da torcida peruana, caberia ao capitão do Cruzeiro, o bom goleiro Fábio, dirigir-se serenamente ao juiz e dizer que, naquele momento, seu time estava saindo de campo e abandonando a partida. (É por isso que capitães devem ser escolhidos criteriosamente, e precisam ter personalidade e autonomia para agir como legítimos representantes do clube dentro de campo.) Já que Fábio não tomou a atitude, ela teria que vir do treinador Marcelo Oliveira. Finalmente, com Fábio e Marcelo Oliveira compreensivelmente envolvidos pela pressão do jogo, seria obrigação do diretor de Futebol, Alexandre Mattos, ordenar a retirada.

Isto feito, os demais clubes brasileiros participantes da Libertadores – Atlético Mineiro, Atlético Paranaense, Botafogo, Flamengo e Grêmio – deveriam se juntar ao Cruzeiro e, com ou sem o apoio da pouco confiável CBF, exigir a eliminação sumária do Real Garcilaso do torneio. Caso contrário, os seis abandonariam a competição.

Os intransigentes defensores do futebol-negócio certamente irão argumentar com o montante de interesses em jogo. Mas, como diz a campanha publicitária do MasterCard, há coisas que não têm preço. E da mesma forma que a Nissan rescindiu seu contrato com o Vasco, devido aos constantes atos de selvageria protagonizados por uma das torcidas organizadas vascaínas, qual patrocinador não gostaria de ter sua imagem ligada aos times que tomassem a corajosa altitude?     

Em vez disso, entretanto, ficamos sabendo que a CBF emitiu nota oficial onde “, e vimos que viraram notícias um telegrama de Joaquim Barbosa e uma tuitada da presidenta.

Para manifestações tão flagrantes de racismo em um esporte tão popular, é muito pouco. Perto do que o futebol brasileiro poderia e deveria ter feito, é nada. Só falta agora alguém organizar um protesto nas areias de Copacabana.

Foto: João Godinho/Estadão

Jorge Murtinho

Jorge Murtinho foi autor do blog questões de futebol no site da piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

Reação adversa a Bolsonaro

Apostando na briga com Doria, presidente toma um caldo nas redes sociais e fica isolado na primeira semana de vacinação no Brasil

Uma agenda prioritária

Novos prefeitos e vereadores têm o desafio de implementar mudanças emergenciais nas cidades brasileiras, sobretudo nas áreas de maior vulnerabilidade social, onde tudo falta – como escancarou a pandemia

Ex-sócio da Vale é condenado por corrupção

Após julgamento que durou sete dias, tribunal da Suíça condenou o bilionário israelense Beny Steinmetz a cinco anos de prisão nesta sexta-feira (22)

Lobo nasce endividado

Com a dívida da União batendo recorde em 2020, governo federal emite títulos públicos até para pagar propaganda da nota de 200 reais

Foro de Teresina #134: Sem vacina, sem Trump, sem nada

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Consórcio de checagem de fatos é indicado ao Nobel da Paz

Presente em 51 países, entre eles o Brasil, Rede Internacional de Verificação de Fatos (IFCN) recebeu a nomeação nesta quinta-feira (21)

A queda do padre youtuber

Marcos de Miranda é afastado da Igreja após denúncia de que infringiu o celibato e tem um filho de 2 anos. Ele nega a acusação

Mais textos
1

121

4

Sobrou para o PSTU

Agremiação trotskista com apenas dois vereadores não escapou da fúria contra os partidos, mas já faz planos para o pós-revolução

5

O lobby da capivara

Como nasce um emoji

6

A far cry from hope

In conventional political terms, Obama should lose the November election. But this is not a conventional election

7

Nenhum país é uma ilha

As desilusões de um jovem filósofo com o Brexit

8

Procuradoria inova e divulga de uma vez só na Netflix todos os nomes da lista de Janot

Diante do tédio provocado pela série infinita de escândalos de corrupção, a Procuradoria-Geral da República decidiu mudar sua estratégia de comunicação. Agora, em vez de efetuar vazamentos escalonados para a imprensa, a PGR divulgará todo o conteúdo de uma vez só na Netflix

9

Mahmoud Ahmadinejad, o cara

“Todo mundo é livre”, diz ele

10

Eu Não Sou Seu Negro – a jornada de James Baldwin

A péssima impressão causada por O Jovem Karl Marx terá deixado em estado de alerta quem não assistiu antes a Eu Não Sou Seu Negro, atento à apelação demagógica que parecia ser um traço emblemático do diretor Raoul Peck