questões da política

Meirelles, o falante

O ministro da Fazenda dá sinais de que quer ser candidato – mas arrisca matar sua candidatura ao se expor demais

Malu Gaspar
07nov2017_16h59
FOTO: ZANONE FRAISSAT/FOLHAPRESS

Henrique Meirelles é um fenômeno. Foi o primeiro brasileiro a ser presidente mundial de um banco – BankBoston, nos anos 90 –; o mais longevo presidente do Banco Central, nos anos 2000; e pode-se dizer que é um dos quase candidatos à Presidência da República mais antigos do país, considerando-se que ele teve a primeira conversa sobre o assunto com um partido (o então PFL, hoje DEM) em 2001, quando começou a planejar a volta ao Brasil depois de encerrar a carreira nos Estados Unidos.

O ministro da Fazenda tem também uma opinião elevada sobre si próprio e gosta de controlar todas as variáveis que lhe dizem respeito, a começar pela imagem pública, como mostra o perfil que escrevi para esta edição da piauí. No entanto, nenhum desses “atributos” lhe trará a sonhada candidatura presidencial. Pelo contrário. Como se acha um especialista no jogo político, Meirelles vem tomando iniciativas que mais parecem autossabotagem do que autopromoção.

A primeira iniciativa com cara de campanha foi a tentativa de se aproximar dos evangélicos, a partir de junho, quando parecia que a renúncia de Michel Temer era apenas questão de tempo. Meirelles tornou-se presença frequente nos eventos da Assembleia de Deus Ministério de Madureira, um ramo importante da denominação – e passou a pregar sobre economia em situações variadas, de aniversário de pastor a confraternizações e cultos. No processo, deu espaço para lideranças pouco relevantes falarem em seu nome, criando ruído com membros de outras igrejas. Chegou a gravar um vídeo dirigido a pastores, pedindo orações pela economia, cujo amadorismo repercutiu mal no mercado financeiro – o único público que, até agora, tem sido fiel a ele. O passo em falso fez Meirelles recuar e se afastar dos evangélicos.

O cálculo por trás do movimento era até simples: evangélicos têm força eleitoral e podem, em tese, votar em bloco neste ou naquele candidato, independentemente do partido. Meirelles tem partido, mas não parece. É filiado ao PSD de Gilberto Kassab, de quem se diz próximo. Mas o líder-mor do partido não foi ao almoço que a bancada organizou para o ministro da Fazenda em setembro. Enquanto os deputados pessedistas levantavam a bola de Meirelles para uma eventual candidatura, Kassab comparecia a um evento em São Paulo. Na ocasião, disse que achava cedo discutir o tema.

Para as câmeras e gravadores, Kassab afirma que Meirelles é um grande candidato, e que se o Brasil crescer os 3% prometidos ele fará um estrago nas urnas. Mas seus próprios correligionários têm dúvidas sobre se o interesse de Kassab na candidatura Meirelles é real, ou se ele está apenas se cacifando politicamente para as negociações de aliança em 2018. O ministro deixou as especulações em torno de seu nome rolarem. Mas, quando o líder do PSD, Marcos Montes, propôs que ele começasse a viajar pelo país para se tornar mais conhecido, deu para trás novamente.

Depois, disse que achava interessante ser candidato a vice. Por fim, no último dia 1º, afirmou à revista Veja que é, sim, presidenciável. A entrevista foi dada às vésperas de um feriado.

O pessoal da Bolsa, então, começou a se perguntar se o ministro não estava querendo demais essa candidatura, a ponto de sacrificar o empenho pelas reformas e perder o foco na gestão da economia. Num governo que o tem como avalista, esse tipo de desconfiança não é pouca coisa. Ao constatar a má repercussão, Meirelles recuou de novo e tentou desdizer o que havia dito, mesmo divulgando uma nota que, no final das contas, confirma o que está na entrevista.

Enquanto o ministro tergiversa em público, o jogo que realmente importa está se formando nos bastidores entre políticos de diversos matizes – conversas em torno de alianças, pactos de não agressão, recuos estratégicos e avanços nevrálgicos que só se revelarão em 2018. Desse jogo, não há indício de que Meirelles esteja participando. Ele já percebeu que sua única chance é obter um resultado expressivo na economia. Apesar disso, não consegue – ou acha que não pode – esperar até lá.

Então, faz o que sabe: dá entrevistas de manhã, de tarde e de noite, buscando criar (ou reforçar) a imagem de bom gestor. Espera que, com o tempo, sua candidatura se torne um fato para além das picuinhas partidárias. Mas fala tanto, e cada vez mais sobre política e menos sobre economia, que já tem gente se perguntando se ele sabe mesmo o que está fazendo. Irritado com as idas e vindas do ministro, o deputado Marcos Montes, maior apoiador de Meirelles no PSD, agora diz que vai dar um tempo. A continuar nesse ritmo, ele vai acabar matando a própria candidatura. E a culpa não será da imprensa.

Malu Gaspar (siga @malugaspar no Twitter)

Malu Gaspar, repórter da piauí, é autora do livro Tudo ou Nada: Eike Batista e a Verdadeira História do Grupo X, da Editora Record

Leia também

Últimas Mais Lidas

Acompanhe variação de humor sobre o governo Bolsonaro no Twitter

Gráfico mostra reação de usuários da rede social em relação às manchetes do dia

Em Trânsito – um olhar sobre o monstro que habita vários tempos históricos

Demonstração de talento neste filme notável tem sido desperdiçada pelo público brasileiro

O Twitter como bússola

Principal guia político de Bolsonaro, humor da rede social explica comportamento errático do presidente

Medo é laranja para quem espera avalanche marrom

A rotina de quem vive na cidade onde a parede de contenção de uma mina ameaça ceder e provocar o rompimento de uma barragem

Para não sair do hospital no escuro

A diferença que faz, para os pacientes, receber seus dados sobre tratamento e alta hospitalar – como manda novo Código de Ética Médica

O governo inconstitucional

Professora de direito constitucional escreve que decreto de Bolsonaro fere a autonomia universitária prevista na Constituição

Foro de Teresina #51: Moro no STF, o sigilo de Queiroz e Flavio e os protestos contra o governo

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Ministro toma caldo no #TsunamiDaEducação

Maia viaja, governo escorrega e Centrão deixa Weintraub falando sozinho na Câmara enquanto protestos tomam conta do país

A javaporquice de Bolsonaro

Presidente opta pela pior oposição que poderia escolher e enfrenta protestos inéditos para um recém-empossado

Mais textos
1

Medo é laranja para quem espera avalanche marrom

A rotina de quem vive na cidade onde a parede de contenção de uma mina ameaça ceder e provocar o rompimento de uma barragem

3

Para não sair do hospital no escuro

A diferença que faz, para os pacientes, receber seus dados sobre tratamento e alta hospitalar – como manda novo Código de Ética Médica

4

A javaporquice de Bolsonaro

Presidente opta pela pior oposição que poderia escolher e enfrenta protestos inéditos para um recém-empossado

5

A escolinha anarcocapistalista do Ancapistão

Vacina e cinto de segurança são inimigos eleitos pelos ancaps, que já têm representante no governo Bolsonaro

6

O governo inconstitucional

Professora de direito constitucional escreve que decreto de Bolsonaro fere a autonomia universitária prevista na Constituição

7

Foro de Teresina #51: Moro no STF, o sigilo de Queiroz e Flavio e os protestos contra o governo

Podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

8

Ministro toma caldo no #TsunamiDaEducação

Maia viaja, governo escorrega e Centrão deixa Weintraub falando sozinho na Câmara enquanto protestos tomam conta do país