questões da política

Meirelles, o falante

O ministro da Fazenda dá sinais de que quer ser candidato – mas arrisca matar sua candidatura ao se expor demais

Malu Gaspar
07nov2017_16h59
FOTO: ZANONE FRAISSAT/FOLHAPRESS

Henrique Meirelles é um fenômeno. Foi o primeiro brasileiro a ser presidente mundial de um banco – BankBoston, nos anos 90 –; o mais longevo presidente do Banco Central, nos anos 2000; e pode-se dizer que é um dos quase candidatos à Presidência da República mais antigos do país, considerando-se que ele teve a primeira conversa sobre o assunto com um partido (o então PFL, hoje DEM) em 2001, quando começou a planejar a volta ao Brasil depois de encerrar a carreira nos Estados Unidos.

O ministro da Fazenda tem também uma opinião elevada sobre si próprio e gosta de controlar todas as variáveis que lhe dizem respeito, a começar pela imagem pública, como mostra o perfil que escrevi para esta edição da piauí. No entanto, nenhum desses “atributos” lhe trará a sonhada candidatura presidencial. Pelo contrário. Como se acha um especialista no jogo político, Meirelles vem tomando iniciativas que mais parecem autossabotagem do que autopromoção.

A primeira iniciativa com cara de campanha foi a tentativa de se aproximar dos evangélicos, a partir de junho, quando parecia que a renúncia de Michel Temer era apenas questão de tempo. Meirelles tornou-se presença frequente nos eventos da Assembleia de Deus Ministério de Madureira, um ramo importante da denominação – e passou a pregar sobre economia em situações variadas, de aniversário de pastor a confraternizações e cultos. No processo, deu espaço para lideranças pouco relevantes falarem em seu nome, criando ruído com membros de outras igrejas. Chegou a gravar um vídeo dirigido a pastores, pedindo orações pela economia, cujo amadorismo repercutiu mal no mercado financeiro – o único público que, até agora, tem sido fiel a ele. O passo em falso fez Meirelles recuar e se afastar dos evangélicos.

O cálculo por trás do movimento era até simples: evangélicos têm força eleitoral e podem, em tese, votar em bloco neste ou naquele candidato, independentemente do partido. Meirelles tem partido, mas não parece. É filiado ao PSD de Gilberto Kassab, de quem se diz próximo. Mas o líder-mor do partido não foi ao almoço que a bancada organizou para o ministro da Fazenda em setembro. Enquanto os deputados pessedistas levantavam a bola de Meirelles para uma eventual candidatura, Kassab comparecia a um evento em São Paulo. Na ocasião, disse que achava cedo discutir o tema.

Para as câmeras e gravadores, Kassab afirma que Meirelles é um grande candidato, e que se o Brasil crescer os 3% prometidos ele fará um estrago nas urnas. Mas seus próprios correligionários têm dúvidas sobre se o interesse de Kassab na candidatura Meirelles é real, ou se ele está apenas se cacifando politicamente para as negociações de aliança em 2018. O ministro deixou as especulações em torno de seu nome rolarem. Mas, quando o líder do PSD, Marcos Montes, propôs que ele começasse a viajar pelo país para se tornar mais conhecido, deu para trás novamente.

Depois, disse que achava interessante ser candidato a vice. Por fim, no último dia 1º, afirmou à revista Veja que é, sim, presidenciável. A entrevista foi dada às vésperas de um feriado.

O pessoal da Bolsa, então, começou a se perguntar se o ministro não estava querendo demais essa candidatura, a ponto de sacrificar o empenho pelas reformas e perder o foco na gestão da economia. Num governo que o tem como avalista, esse tipo de desconfiança não é pouca coisa. Ao constatar a má repercussão, Meirelles recuou de novo e tentou desdizer o que havia dito, mesmo divulgando uma nota que, no final das contas, confirma o que está na entrevista.

Enquanto o ministro tergiversa em público, o jogo que realmente importa está se formando nos bastidores entre políticos de diversos matizes – conversas em torno de alianças, pactos de não agressão, recuos estratégicos e avanços nevrálgicos que só se revelarão em 2018. Desse jogo, não há indício de que Meirelles esteja participando. Ele já percebeu que sua única chance é obter um resultado expressivo na economia. Apesar disso, não consegue – ou acha que não pode – esperar até lá.

Então, faz o que sabe: dá entrevistas de manhã, de tarde e de noite, buscando criar (ou reforçar) a imagem de bom gestor. Espera que, com o tempo, sua candidatura se torne um fato para além das picuinhas partidárias. Mas fala tanto, e cada vez mais sobre política e menos sobre economia, que já tem gente se perguntando se ele sabe mesmo o que está fazendo. Irritado com as idas e vindas do ministro, o deputado Marcos Montes, maior apoiador de Meirelles no PSD, agora diz que vai dar um tempo. A continuar nesse ritmo, ele vai acabar matando a própria candidatura. E a culpa não será da imprensa.

Malu Gaspar (siga @malugaspar no Twitter)

Malu Gaspar, repórter da piauí, é autora do livro Tudo ou Nada: Eike Batista e a Verdadeira História do Grupo X, da Editora Record

Leia também

Últimas Mais Lidas

Médicos de menos, as doenças de sempre

A história de quatro pacientes crônicos do sertão do Ceará que estão há um mês sem os tratamentos que precisam, após a saída dos profissionais cubanos do país

Foro de Teresina #31: O escândalo do motorista, o antiministro do Meio Ambiente e o barraco do PSL

O podcast da piauí analisa os fatos mais recentes da política nacional

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília

Bloqueio – caminhoneiros em greve

Incertezas retratadas no documentário são referência para entender as mudanças políticas no país

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

Mulheres de “facção”

Sem emprego formal, costureiras trabalham até 14 horas por dia para intermediários da indústria da moda, as chamadas “facções”

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

Mais textos
1

Os pequenos passos do astronauta Marcos Pontes

Em reunião com cientistas em Brasília, futuro ministro da Ciência e Tecnologia mostrou ainda não estar pronto para se despir do macacão de palestrante de autoajuda

2

Não é só pelos 6 centavos de euro

Quem são e o que pensam os “coletes amarelos” e como lideraram um movimento popular e populista que paralisa a França há três semanas

3

Olavo interrompido

Guru do governo Bolsonaro tem participação na Cúpula Conservadora das Américas frustrada pelo meio que o fez famoso, a internet

4

Expansionista, Guedes sofre sua primeira derrota

Futuro ministro da Economia incluiu Apex na estrutura da sua pasta, mas perdeu a agência de comércio após disputa com Itamaraty

5

A vingança do analógico

Precisamos reaprender a usar a internet

6

“Me fingi de morta e assim sobrevivi”

Sobrevivente da chacina da Catedral de Campinas reconstitui a cena da tragédia, protagonizada por um assassino de família católica praticante

7

A baleia branca de Rodolfo Landim

O ex-executivo de Eike Batista julga ser responsável por parte considerável do sucesso empresarial do homem mais rico do Brasil. Agora, com a obstinação de quem não gosta de perder nem pelada, parte para buscar o que considera seu

9

O vice a cavalo

Hamilton Mourão e o lugar dos militares no governo Bolsonaro

10

Na Câmara, com o novo e o seminovo

Dois deputados em primeiro mandato – um novato autêntico e o herdeiro de seis gerações de parlamentares – contam sua preparação para sobreviver em Brasília