o que publicamos

A semana no site da piauí

O "início do namoro" entre Mão Santa e Bolsonaro, as investidas do procurador Carlos Fernando contra os críticos da Lava Jato e outras histórias

01set2017_18h54
Filme de Daniel Rezende sobre intérprete do palhaço Bozo é inspirado no perfil publicado pela piauí em 2007. Nesta semana, o crítico de cinema Eduardo Escorel resenhou a obra para o site da piauí
Filme de Daniel Rezende sobre intérprete do palhaço Bozo é inspirado no perfil publicado pela piauí em 2007. Nesta semana, o crítico de cinema Eduardo Escorel resenhou a obra para o site da piauí FOTO: DIVULGAÇÃO

Francisco de Moraes Souza, atual prefeito de Parnaíba e primeiro governador cassado do país, acredita ser “o homem mais preparado para presidir o Brasil”. Sem chances de concorrer à presidência, Mão Santa, como é mais conhecido, agora almeja ser vice de Jair Bolsonaro na eleição de 2018. Segundo o deputado, sua relação com Mão Santa é como “o início de um namoro”. Leia na reportagem de Vanessa Mendonça. 

Integrante da força-tarefa da Lava Jato, o procurador Carlos Fernando dos Santos Lima entrou na briga contra os críticos da operação. Em junho, ele repudiou em seu Facebook as acusações lançadas por Gilmar Mendes sobre os procuradores que atuam na Lava Jato. Desde então, suas postagens vêm crescendo em número, repercussão e acidez. Rafael Moro Martins traça o perfil de Lima para a piauí

Eduardo Escorel resenha Bingo — o rei das manhãs, filme sobre a vida de Bozo. O crítico conta que teve de resistir à vontade de abandonar a sessão de cinema no meio do longa, estrelado por Vladimir Brichta. “Atores mergulham com frequência, sem perceber, em projetos desastrosos”, escreve Escorel.

Em 2007, Raquel Freire Zangrandi perfilou Arlindo Barreto, intérprete de Bozo. Além de ter encarnado o palhaço, ele foi mocinho de novela da Globo, galã na Bandeirantes, maquiador, diretor de cinema, domador de leões, ator pornô, surfista, coroinha e tentou ser médico, biólogo e vereador, até que se tornou o pastor Arlindo em 1991.

A piauí quer saber: que outros usos você dá para a revista? O autor da ideia mais original vai ganhar uma unidade do nosso pinguim oficial. Para participar, basta enviar uma foto ou vídeo para o e-mail digital@revistapiaui.com.br



Leia também

Últimas Mais Lidas

Mais partido do que novo

De olho em 2022, Amoêdo abre oposição tardia a Bolsonaro, e Novo racha antes de crescer

A era do testemunho e o impeachment

Julgamento de Trump ignorou imagens e relatos dos acontecimentos

Cada crime no seu quadrado

Áreas de milícia no Rio concentram ocorrências ligadas ao "controle" da população; mortes por intervenção policial e crimes envolvendo drogas são mais frequentes em regiões de tráfico

O jogo do prende-e-solta

Como o doleiro Chaaya Moghrabi escapou três vezes da prisão

Parados na contramão

Cidades brasileiras rejeitam um debate urgente: cobrar de usuários de carros custo da infraestrutura pública e destinar recursos ao transporte coletivo

Variantes demais

Mutações dos Sars-CoV-2 demandam pesquisas sobre a eficácia das vacinas contra as novas cepas e sequenciamento do vírus para saber qual tipo prevalece no Brasil

Mais textos
1

Proust, moscas, nada:

no tríduo momesco, uma folia de silêncio

2

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

4

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

6

Tabloide – doença mental na América

Errol Morris define Tabloide, exibido na mostra Panorama do Cinema Mundial, no Festival do Rio, como sua “primeira história de amor desde Gates of Heaven [Portais no céu, seu primeiro filme, feito em 1978, sobre dois cemitérios de animais de estimação, na California], uma história de amor estranha, mas muito romântica.” É uma definição desconcertante, ainda mais quando Morris diz estar “contente por ter feito um filme engraçado.”

7

Na piauí_130

A capa e os destaques da edição de julho

8

Polícia Militar não consegue calcular o número de ministérios de Dilma

PASÁRGADA - O Departamento de Cálculo de Multidões da Polícia Militar convocou uma coletiva de imprensa para declarar que não logrou êxito na tarefa de contabilizar o número de ministérios da presidente. "Temos experiência com grandes aglomerações humanas, mas para tudo nessa vida há limite", desabafou, desesperado, o tenente-coronel Oswald de Souza Bolsonaro.