o que publicamos

A semana no site da piauí

A incontinência verbal de Meirelles, a queima de produtos culturais na ditadura, os personagens de Stranger Things no universo do RPG e outras histórias

10nov2017_20h13
Na segunda temporada de <i>Stranger Things</i>, Mike Wheeler (interpretado por Finn Wolfhard) menciona o tipo de personagem que seus amigos seriam no jogo RPG. A <b>piauí</b> comenta quem seriam os outros personagens
Na segunda temporada de Stranger Things, Mike Wheeler (interpretado por Finn Wolfhard) menciona o tipo de personagem que seus amigos seriam no jogo RPG. A piauí comenta quem seriam os outros personagens FOTO: DIVULGAÇÃO

O ministro da Fazenda Henrique Meirelles dá sinais de que quer ser candidato – mas arrisca matar sua candidatura ao se expor demais. Como se acha um especialista no jogo político, Meirelles vem tomando iniciativas que mais parecem autossabotagem do que autopromoção. Somadas, sugerem afoiteza e isolamento em vez de força, escreve a repórter Malu Gaspar.

Na piauí_134, já nas bancas, Malu faz o perfil do ministro da fazenda. A matéria está disponível no site para assinantes. Para assinar a revista, clique aqui.

Documentos inéditos mostram como o aparato de censura do regime militar usou empresas privadas para queimar programas de tevê, filmes, discos e livros proibidos – de Silvio Santos a José de Alencar. A repórter Mariana Filgueiras conta essa história na reportagem A grande fogueira.

Era para ser banheiro público e virou centro turístico: no ensaio O edifício maldito, o arquiteto Francesco Perrotta-Bosch mostra por que o ‘prédio mais feio do Brasil’ é uma crítica à vida de aparências e um elogio à gaiatice. Para o ensaísta, o Rainha da Sucata, como é conhecido o edifício mineiro, desnuda o conservadorismo de quem se diz portador da boa arquitetura brasileira, e não aceitam grandes desvios na trajetória dos heróis modernos e de seus discípulos.

 

Quem é quem em Stranger Things? Na segunda temporada da série, Mike Wheeler menciona o tipo de personagem que seus amigos seriam no jogo RPG. Neste vídeo, Nathalie Lourenço tenta adivinhar quais seriam os outros personagens.Eduardo Escorel avalia Gabriel e a Montanha, filme de Felippe Barbosa em memória de Gabriel Buchmann, amigo de infância do diretor: “O desafio a vencer na filmagem não é apenas de resistência física e psicológica, superando altitudes, distâncias e condições de trabalho adversas. É também o de integrar homens comuns à reencenação e de conseguir harmonizar atores não-profissionais com profissionais, assim como eventos ocorridos com outros menos documentais.”

O crítico também resenha História de Taipei. Considerado um dos grandes filmes mais negligenciados da história do cinema, o  segundo longa-metragem do diretor chinês Edward Yang “não só é encenado e filmado com precisão milimétrica, como também estabelece um elo orgânico incomum entre o sentimento íntimo dos personagens e seu entorno”, segundo Escorel.

questões de traço e letra, por Dedé Laurentino:

Leia também

Últimas Mais Lidas

Maria Vai Com as Outras #3: Quero ser mãe, não quero ser mãe

Uma editora e uma advogada e escritora falam sobre os desdobramentos na vida de uma mulher quando ela decide ter ou não ter filhos

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

Passarinho vira radar de poluição

Pesquisadores usam sangue de pardais para medir estrago de fumaça de carros e caminhões em seres vivos

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

O maestro e sua orquestra – andamento lento e músicos desafinados

Governo se julga no direito de “filtrar” projetos incentivados com verba pública, mas filtrar é eufemismo para censurar

Quando a violência vem de quem deveria proteger

Quatro meninas são estupradas por hora, a maior parte dentro de casa, e 17 pessoas são mortas pela polícia por dia, revelam dados do Anuário de Segurança Pública

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

Mais textos
1

Vítimas de Mariana cobram R$ 25 bi de mineradora BHP na Inglaterra

Juiz deve decidir em junho se vai julgar o processo, o maior em número de vítimas da história do Reino Unido

2

“Poderia ter sido eu a morrer ali no ponto de ônibus”

Como a morte espreita a juventude negra no Rio de Janeiro, estado com maior taxa de homicídios em ações policiais

3

Presos da Lava Jato unidos contra os ratos e o tédio

Condenados por crimes de colarinho-branco já caçaram roedores e fizeram faxina em complexo penal; transferidos para hospital penitenciário e sem ter o que fazer, gastam o tempo com dominó  

4

Léros Léros em Itaipu

Brasil se recusa a pagar prejuízo de US$ 54 milhões; presença de suplente do PSL em reuniões binacionais aumenta crise e atrapalha renegociação para 2023

5

A guerra contra o termômetro

Quando chegam más notícias sobre o desmatamento, os governos atacam o emissário

7

Bacurau – celebração da barbárie

Filme exalta de modo inquietante parceria entre povo desassistido e bandidos

9

Sem SUS, sem saída, sem vida

Sem dinheiro para pagar dívidas médicas nos Estados Unidos, idoso mata mulher e se suicida; tragédia amplia debate sobre acesso a sistema público de saúde

10

Foro de Teresina #68: Censura na Bienal, segredos da Lava Jato e um retrato da violência brasileira

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana