questões de neurociência

A sopa de cérebro conquista a América

Um ano e meio depois de deixar o Brasil, Suzana Herculano-Houzel avalia suas pesquisas nos Estados Unidos: “Hoje me dedico às perguntas que interessam, e não só ao que cabe no orçamento minguado da ciência brasileira”

Bernardo Esteves
18dez2017_18h30
Herculano-Houzel, em foto de 2013. A decisão de se mudar para Universidade Vanderbilt levou seu trabalho a divulgação rara para cientistas brasileiros. O New York Times publicou, em 14 de dezembro, um longo e elogioso perfil da pesquisadora
Herculano-Houzel, em foto de 2013. A decisão de se mudar para Universidade Vanderbilt levou seu trabalho a divulgação rara para cientistas brasileiros. O New York Times publicou, em 14 de dezembro, um longo e elogioso perfil da pesquisadora FOTO: LUCIANA WHITAKER_FOLHAPRESS

Suzana Herculano-Houzel está no melhor momento de sua carreira. Um ano e meio depois de a neurocientista brasileira virar pesquisadora da Universidade Vanderbilt, nos Estados Unidos, seus estudos ganharam visibilidade sem precedentes. No último fim de semana, a neurocientista foi objeto de um extenso perfil na revista encartada aos domingos no jornal The New York Times.

Perfilada por piauí em fevereiro de 2013, Herculano-Houzel mudou-se para os Estados Unidos em maio de 2016. Sua decisão de deixar o Brasil, anunciada em primeira mão em um artigo para a revista, deu o que falar – houve quem visse na atitude uma falta de compromisso com a melhoria da ciência no país. Desde então, a situação da ciência brasileira está ainda mais crítica – o orçamento federal para a área este ano foi o mais baixo em mais de uma década, com a perspectiva de novos cortes para 2018.

A cientista está convicta de que fez a escolha certa. Numa entrevista por e-mail, ela alfinetou os colegas que condenaram sua decisão. “Isso só faz alimentar a ideia injusta e incorreta de que ser cientista é economicamente equivalente a ingressar no sacerdócio”, afirmou. “O público acha normal que executivos, diretores de empresas e outros profissionais mudem de emprego quando têm uma oportunidade melhor. Por que deveria ser diferente com cientistas?”

O balanço que Herculano-Houzel faz dos primeiros meses como pesquisadora numa universidade americana é positivo. “Agora tenho muito mais tempo para me dedicar ao que deveria ser meu trabalho, ou seja, o que só eu posso fazer, graças a uma infraestrutura administrativa excepcional”, avaliou. “Também tenho apoio financeiro para me dedicar às perguntas que realmente interessam, e não apenas às que cabem no orçamento minguado que infelizmente limita os cientistas no Brasil.”

 

A visibilidade de suas pesquisas é um reflexo das melhores condições de trabalho. É verdade que aparições na imprensa americana não são novidade para a pesquisadora – alguns de seus trabalhos já haviam sido noticiados nos Estados Unidos quando ela ainda era professora da Universidade Federal do Rio de Janeiro. Estar numa universidade local, porém, colocou a neurocientista brasileira no centro dos holofotes.

No início do mês ela foi objeto de dezenas de reportagens após seu grupo publicar na revista Frontiers in Neuroanatomy um artigo sobre o número de neurônios no cérebro de vários mamíferos carnívoros. O trabalho tratava de oito espécies diferentes, mas o que chamou a atenção dos jornalistas foi sobretudo a constatação de que os cães têm mais que o dobro de neurônios do que os gatos no córtex cerebral.

Para a pesquisadora – ela própria dona de dois cachorros que levou do Brasil para os Estados Unidos –, isso estaria ligado a uma maior sofisticação mental. “Nossos achados significam para mim que os cães têm a capacidade biológica de realizar tarefas mais complexas e flexíveis do que os gatos”, afirma Herculano-Houzel num comunicado de imprensa publicado por sua universidade. “Agora temos argumentos biológicos que as pessoas podem levar em conta nas discussões sobre quem são os mais espertos, cães ou gatos.”

A cientista atribui a grande visibilidade de suas pesquisas recentes ao trabalho do escritório de comunicação de Vanderbilt. “Além de fazerem toda a parte de relações-públicas e promoção a nível nacional (o que inevitavelmente atrai a imprensa estrangeira também), eles contam com profissionais de vídeo e rádio, com estúdios dedicados a cada um”, disse Herculano-Houzel à piauí.

 

A coroação veio com o perfil tão longo – quase 28 mil caracteres – quanto elogioso publicado no mais importante jornal americano. Assinada por Ferris Jabr, a reportagem do New York Times chamou a atenção para o método engenhoso que a pesquisadora desenvolveu (junto com o colega Roberto Lent, da UFRJ) para contar quantos neurônios há num cérebro. A técnica consiste em transformar o órgão que se quer estudar numa “sopa” homogênea que preserva intactos os núcleos das células. Contando ao microscópio quantos núcleos há numa amostra da sopa, Herculano-Houzel é capaz de dizer, por extrapolação, quantas células há no cérebro inteiro.

A ferramenta mostrou-se mais precisa e eficaz que os procedimentos usados anteriormente para contar células do cérebro, e permitiu à pesquisadora saber quantos neurônios há no cérebro humano – 86 bilhões, aproximadamente – e no de várias outras espécies. Chama a atenção por sua simplicidade conceitual: “Para desvendar os mistérios do cérebro, transforme-o num purê”, aponta o título da reportagem de Jabr.

As descobertas que Herculano-Houzel fez com o método foram reunidas no livro A Vantagem Humana – Como o Cérebro Humano se Tornou Superpoderoso. Publicada primeiro em inglês, a obra ganhou recentemente tradução para o português, lançada pela Companhia das Letras.

Na Universidade Vanderbilt, a pesquisadora tem tido mais tempo para se dedicar às duas centenas de cérebros de animais que armazena metodicamente em tupperwares distribuídos pelos quatro freezers de seu laboratório. Calçando luvas azuis, Herculano-Houzel aparece segurando um cérebro de gnu recém-tirado de seu recipiente numa foto que ilustra o perfil do New York Times. O sorriso franco da neurocientista enquanto contempla seu objeto de pesquisa parece traduzir o bom momento vivido por ela.



Bernardo Esteves (siga @besteves no Twitter)

Repórter da piauí desde 2010, é autor do livro Domingo É Dia de Ciência, da Azougue Editorial

Leia também

Últimas Mais Lidas

Cobaias ou heróis?

Cerca de 90 voluntários serão infectados por cientistas com o SARS-COV-2 para ajudar a responder perguntas vitais que permanecem sem resposta desde o começo da pandemia

A sutil arte de ligar o BBB

Com 77 milhões de menções no Twitter, programa deixou para trás Bolsonaro, Covid, vacina e futebol; Globo acolhe Karol Conká em “operação descancelamento”

Vacina atrasada, variante acelerada

Ritmo lento de imunização aumenta risco de disseminação de mutações do Sars-CoV-2

Foro de Teresina #139: Liberalismo adernado e o tsunami

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Erros em série e 250 mil mortes

Sem plano eficaz de imunização, dinheiro das vacinas paga até gasto sigiloso com operação de inteligência do Exército; governo financia campanha de tratamento precoce e mantém no ar manual para uso de cloroquina

No rastro do doleiro dos doleiros

Inquérito investiga como Dario Messer movimentou mais de 100 milhões de dólares em contas no Banco Safra no exterior - e se banco violou regras contra lavagem de dinheiro

Mais textos
1

Onze bilhões de reais e um barril de lágrimas

Luis Stuhlberger, o zero à esquerda que achava que nunca seria alguém, construiu o maior fundo multimercado fora dos Estados Unidos e, no meio da crise, deu mais uma tacada

3

A metástase

O assassinato de Marielle Franco e o avanço das milícias no Rio

5

Kadafi pede para ser julgado por Congresso Brasileiro

ATLÂNTIDA - Escondido no mesmo bunker já usado por Osama Bin Laden, Darth Vader, Hitler e José Dirceu, o ditador Muammar Kadafi fez chegar à RedeTV! uma mensagem em áudio na qual impõe uma única condição para se entregar: "Só aceito sair se for julgado pelo Congresso Brasileiro. Me comprometo a acatar todas as ásperas reprimendas e duras punições pelas quais os nobres deputados, sempre zelosos do melhor cumprimento da lei, vêm se notabilizando ao longo dos últimos anos. Na semana seguinte, já com a ficha limpa, quero me filiar ao PMDB", declarou em árabe, com leve sotaque maranhense.

6

A última moda da vida eterna

O ponto de Nova York onde ficava a megastore da Virgin vira uma loja que embrulha roupa barata com o Evangelho

7

Black Blocs anunciam lista de convocados para a Copa

AVENIDA PAULISTA - Centenas de vândalos atrapalharam o trânsito nesta manhã em São Paulo para anunciar a lista de black blocs convocados para a Copa. "Apostamos na força do nosso grupo e esperamos fazer uma boa campanha, com muita humildade, sempre respeitando os adversários", explicou um mascarado.

8

Reviravolta: FHC é pai de Strauss-Kahn

SORBONNE - Exames de DNA feitos na madrugada de ontem revelaram que Fernando Henrique é, sim, pai de Dominique Strauss-Kahn, do Real, do Cruzado, do Plano Bresser e da SUNAB, e não, como se pensava, de uma camareira da Guiné que trabalhava no hotel Sofitel de Nova York. "Recentemente, tenho ficado mais distraído e confesso que assinei o primeiro exame sem ler", festejou o ex-presidente, botando um baseado na roda. Também são seus filhos a Guarânia paraguaia, o Dólar nigeriano e o Franco senegalês.

9

Uma temporada nos confins

Lá ninguém sabia quem eu era, lá eu podia fazer o que bem entendesse

10

Facebook insere a tag “sátira” em blog de Rodrigo Constantino

BRAZIL - Ciente do risco de que o blogueiro Rodrigo Constantino seja levado a sério, o Facebook prometeu inserir automaticamente a tag "sátira" a cada vez que um texto de sua autoria for compartilhado. "Os brasileiros não sabem distinguir os blogs de humor dos sites noticiosos. Vamos intervir para acabar com essa zona nebulosa", explicou Mark Zukerberg, com um sorriso irônico de canto de boca.