questões ambientais

Acordo celebrado por Bolsonaro embute fiscal estrangeiro para Amazônia

Tratado comercial abre brecha para União Europeia pressionar contra desmatamento

Fernanda da Escóssia e Thais Bilenky
03jul2019_10h20
INTERVENÇÃO DE PAULA CARDOSO SOBRE FOTO DE LALO DE ALMEIDA/FOLHAPRESS

O mesmo governo que condena o globalismo e denuncia supostas tentativas de internacionalização da Amazônia fechou um acordo de livre-comércio entre o Mercosul e a União Europeia no qual ambientalistas brasileiros enxergam uma chance para implementar no país controles e padrões de fiscalização tão rigorosos quanto os aplicados na Europa. Ativistas europeus vinham se mobilizando contra o acordo com o Brasil – por causa dos retrocessos na política de preservação ambiental – durante o governo Bolsonaro. Especialistas ouvidos pela piauí veem no acordo, entretanto, uma oportunidade para reverter esse processo.

“Os europeus viram não só avalistas, mas cúmplices. Se eles começarem a comprar coisas que levem ao desmatamento da Amazônia, eles também são culpados. Avalistas e cúmplices. O que a gente espera é uma ação afirmativa, positiva, de como eles vão operacionalizar isso”, analisa Ana Toni, diretora executiva do Instituto Clima e Sociedade. Para ela, essa possibilidade de endurecer os controles ambientais no Brasil é um dos pontos mais positivos do acordo. O ponto mais negativo é o timing, em pleno governo Bolsonaro, que tem se dito refratário à agenda ambientalista. Dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) mostram que o desmatamento na Amazônia aumentou 60% em junho de 2019, em comparação com o mesmo mês do ano passado. 

Pelo texto negociado até agora, estão previstas restrições a carne e soja produzidas em áreas desmatadas. O propósito é que haja desmatamento zero em toda a cadeia de produção desses itens. O acordo também se compromete a manter a chamada moratória da soja, negociação firmada entre governo brasileiro e produtores para que não se compre soja plantada em regiões desmatadas da Amazônia. Mas o texto final tem de ser aprovado pelo Parlamento europeu e pelas casas legislativas de cada um dos países-membros da União Europeia e do Mercosul.

“Vejo o acordo como positivo, porque sobe a régua, a baliza, sabe? Traz padrões mais rigorosos. Por isso vejo um campo promissor”, afirma Beto Veríssimo, pesquisador associado e cofundador do Imazon, instituto de pesquisa voltado para o desenvolvimento sustentável da Amazônia.

Ana Toni e Veríssimo destacam ainda, como outros pontos positivos, a preocupação com a transparência do processo e a abertura para participação da sociedade civil. Toni sugeriu a criação de um observatório para que as organizações possam fiscalizar de que forma o acordo será implementado.

A reação dos ambientalistas brasileiros é diferente da observada na Europa, em especial na França. Deputados do Parlamento europeu fizeram objeções a um acordo com o Mercosul citando o governo Bolsonaro como motivo de desconfiança. O governo francês disse, por meio de sua porta-voz, que o país “não está pronto, no momento, para ratificar” o acordo. É uma resposta à pressão de seu setor agrícola, que teme perder espaço com a entrada de produtos sul-americanos no mercado europeu. Mas também fruto das regras mais rigorosas para uso de hormônios, pesticidas, agrotóxicos, entre outras.

Tais declarações evidenciam as dificuldades que o acordo enfrentará ao longo do caminho até ser implementado – possivelmente três anos ou mais, nas contas do governo e de especialistas. Primeiro, haverá um período de meses de finalização dos pontos técnicos. Depois, a transcrição de todo o trabalho, que será submetida a aprovação final. Só então o texto vai para votação nos parlamentos. As casas legislativas dos países-membros da União Europeia e do Mercosul podem vetar ou ratificar as cláusulas rígidas do tratado, que traçam seus parâmetros e estrutura. Apenas as cláusulas discricionárias podem ser alteradas nessa fase do processo – ainda não está claro para os deputados o que estará passível de mudança.

Para o Greenpeace, será fundamental que eventuais modificações preservem as salvaguardas previstas no texto tornado público depois do fechamento do acordo. Esse dispositivo permitirá aos europeus cancelar a entrada de produtos sul-americanos que apresentarem problemas na origem – como, por exemplo, soja e carne oriundos de áreas desmatadas.

“Um tratado sem essas condicionantes seria muito esquisito porque a França e a Alemanha, dois países-chave da União Europeia, cobraram do Brasil explicitamente e do presidente Jair Bolsonaro seu compromisso com o Acordo de Paris. Se não tiver travas, a Europa não terá as garantias de que Acordo de Paris vai ser cumprido”, afirmou Marcio Astrini, coordenador de políticas públicas do Greenpeace no Brasil. “O texto final precisa manter, de forma dura, essas condicionantes de que o acordo só se dá para produtos que não tenham trabalho escravo, desmatamento, trabalho infantil [entre outras salvaguardas]. Se não tiver de forma clara e explícita como trava do acordo, aí não terá serventia”, concluiu.

Para Astrini, as declarações de Bolsonaro e do ministro Augusto Heleno, do Gabinete de Segurança Institucional, rebatendo críticas europeias à política ambiental do governo brasileiro reforçam a necessidade das salvaguardas. “É quase uma confissão de culpa. O governo está dizendo que não quer salvaguardas ambientais porque tem o propósito de incentivar o desmatamento”, afirmou o representante do Greenpeace. O chanceler Ernesto Araújo, em entrevista à revista Época nesta terça-feira, 2, afirmou que a pauta ambiental não é exclusivamente europeia. “Geralmente, esse tema se coloca como de interesse europeu, mas é de interesse nosso. Lembrando que muitos países europeus têm um uso de agrotóxicos por hectares maior do que o do Brasil”, disse.

Fernanda da Escóssia (siga @fescossia no Twitter)

Editora da piauí (site). Foi repórter da Folha de S.Paulo e editora de política do Globo

Thais Bilenky (siga @thais_bilenky no Twitter)

Repórter na piauí. Na Folha de S.Paulo, foi correspondente em Nova York e repórter de política em São Paulo e Brasília

Leia também

Últimas Mais Lidas

Um bicheiro no centro do poder

A rede de assassinatos, amizades e dinheiro que cerca Jamil Name no Mato Grosso do Sul

Seis conclusões sobre o modelo do mundo sem a Amazônia 

O preço que o Brasil e o mundo pagarão caso a floresta continue a ser derrubada para dar lugar à pecuária

O mundo sem a Amazônia

Modelo climático prevê efeitos da conversão da floresta em pasto: diminuição de 25% das chuvas no Brasil e aumento da temperatura, com prejuízo "catastrófico" para agricultura e produção de energia

Foro de Teresina #73: Autofagia no governo, crise na oposição e o óleo nas praias do Nordeste

O podcast de política da piauí discute os principais fatos da semana

Domingo – um dia especial

Filme paga preço alto ao ser lançado agora, quando expectativa de “nova era” se mostrou ilusória

O novo Posto Ipiranga

Ex-capitão do Exército transformado em ministro da Infraestrutura cresce no Twitter e na agenda positiva do governo Bolsonaro 

Brasil mais longe da Europa

“Efeito Bolsonaro” afasta turistas europeus e prejudica negócios

Maria Vai Com as Outras #5: Crime e castigo contra a mulher

Uma socióloga e uma defensora pública falam dos efeitos que a violência tem na vida profissional das mulheres

Mitificação de Eduardo, demonização da esquerda

Em evento bolsonarista, filho do presidente e ministros apresentam rivais como mal radical, em sintoma da deterioração democrática no país

Mais textos
1

Brasil mais longe da Europa

“Efeito Bolsonaro” afasta turistas europeus e prejudica negócios

2

Fala grossa e salto fino

As façanhas de Joice Hasselmann, do rádio ao Congresso

3

Mitificação de Eduardo, demonização da esquerda

Em evento bolsonarista, filho do presidente e ministros apresentam rivais como mal radical, em sintoma da deterioração democrática no país

5

O novo Posto Ipiranga

Ex-capitão do Exército transformado em ministro da Infraestrutura cresce no Twitter e na agenda positiva do governo Bolsonaro 

6

O mundo sem a Amazônia

Modelo climático prevê efeitos da conversão da floresta em pasto: diminuição de 25% das chuvas no Brasil e aumento da temperatura, com prejuízo "catastrófico" para agricultura e produção de energia

7

Um bicheiro no centro do poder

A rede de assassinatos, amizades e dinheiro que cerca Jamil Name no Mato Grosso do Sul

8

Letra preta

Os negros na imprensa brasileira

9

Moro em queda livre

Ministro e seu pacote anticrime perdem espaço no governo, no TCU e no Twitter

10

A volta do concurso literário mensal da piauí

Além da frase “Eduardo, meu filho, esse hambúrguer é orgânico?” o texto de outubro deve ter o seguinte ingrediente improvável: 'Oswaldo Montenegro'