anais da posse

“Agitador de extrema direita” tomou posse, para imprensa internacional

Uma análise visual dos termos usados por jornais estrangeiros para designar o novo presidente; menções ao populismo predominam

Luigi Mazza
01jan2019_22h27
Nuvem de palavras com os termos usados por veículos estrangeiros para se referir a Bolsonaro
Nuvem de palavras com os termos usados por veículos estrangeiros para se referir a Bolsonaro /WORDCLOUDS

O futuro do governo Bolsonaro ainda é uma incógnita, mas os seus contornos já estão claros para a imprensa internacional. Às vésperas da posse, jornais e agências de notícias estrangeiros classificaram o capitão reformado como “populista de direita”, “radical” ou “agitador de extrema direita”.

A associação de Bolsonaro com a extrema direita foi feita por sete de dez veículos consultados pela piauí. Aparece em matérias de jornais como The Guardian, britânico, e Le Monde, francês, e de agências, como Reuters e AFP (Agence France-Presse). Classificações similares também foram empregadas, como “ultradireita” e “direita dura”. O americano The New York Times chamou o presidente eleito de “populista estridente”. Na nuvem de palavras acima, os termos mais empregados em relação a Bolsonaro aparecem em tamanho maior.

Com frequência, as reportagens comparam Bolsonaro com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Para o jornal Le Monde, a retórica nacionalista, o selo de “outsider” e a postura antiestablishment do novo presidente brasileiro configurariam um “trumpismo à risca”. O diário afirma ainda que os dois políticos têm convicções semelhantes, “que misturam paranoia e ódio ao socialismo”. Horas depois da publicação da matéria, Bolsonaro, já adornado com a faixa presidencial, comprometeu-se em seu discurso no parlatório do Palácio do Planalto a “libertar” o Brasil do “socialismo, da inversão de valores, do gigantismo estatal e do politicamente correto”.

Além do jornal Le Monde, outros quatro veículos – BBC, El País, Süddeutsche Zeitung e The Guardian – caracterizam Bolsonaro como “populista”. Para o diário britânico, conforme essa classificação, ele se situa ao lado de Trump, do presidente da Bolívia, Evo Morales, e do primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán. Os dois últimos compareceram à cerimônia de posse de Bolsonaro em Brasília.

Depois das comparações com Trump, as com Orbán são as mais frequentes para explicar a eleição do novo presidente brasileiro. O líder húngaro, há oito anos no poder, lidera o Fidesz, partido conservador e nacionalista. Favorecido pela maioria parlamentar obtida por sua legenda, Orbán conseguiu fazer amplas reformas no Legislativo e na Constituição da Hungria. É acusado de autoritarismo e de tentar influenciar os demais poderes da República.  O cientista político alemão-americano Yascha Mounk afirmou em entrevista ao Guardian que Bolsonaro não é um caso isolado e, durante a campanha eleitoral, seguiu o script do populista de direita adotado por Orbán. “Há um manual populista, e isso é perigoso”, cravou Mounk.

Reportagem publicada em 1º de janeiro pelo jornal português Correio da Manhã avalia que o manual de Bolsonaro prega a seguinte fórmula: “Defesa da ordem civil inspirada na cultura militar, da moral cristã e do liberalismo econômico”. A análise é corroborada pelo diário argentino Clarín, que classifica o novo presidente como um representante da “ultradireita”, cujo projeto econômico terá um “tom claramente liberal”. Em três das dez matérias consultadas, é citada a Escola de Chicago, referência do pensamento econômico liberal, à qual está ligado o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Luigi Mazza é estagiário de jornalismo da piauí e produtor da rádio piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

Meu Querido Filho – riscos da obsessão paterna

Filme tunisiano reflete sobre a relação entre pais extremados e seus rebentos

“Despetização” de Onyx tem só 1% de petistas

Em uma semana, governo Bolsonaro exonera 293 de cargos de confiança para eliminar quem "tem marca ideológica clara”, mas só 35 são filiados a partidos, dos quais três, ao PT

Foro de Teresina #34: O bate-cabeça de Bolsonaro, os novos escândalos do governo e a crise no Ceará

Podcast da piauí analisa os fatos mais recentes da política nacional

Mourão não deixou filho desistir de promoção

Vice-presidente insistiu para Antônio Rossell Mourão aceitar cargo no BB, mesmo após a repercussão negativa: "Isso lhe pertence"

Sem médico, até repórter vira “doutor” para indígena na Amazônia

No Alto Solimões, onde 229 aldeias abrigam 70 mil índios de sete etnias, nenhum brasileiro apareceu para as vagas deixadas pelos cubanos

Espanto e incredulidade entre nós

Cultivar o passado ou lidar com a realidade: formas de reagir a novos tempos na política

Foro de Teresina #33: A posse de Bolsonaro, a posse de armas e a dura vida dos estados

Podcast da piauí analisa os primeiros passos do novo presidente e dos governadores

Na piauí_148

A capa e os destaques da revista que começa a chegar às bancas nesta quinta-feira

André Esteves reaparece na ala VIP da posse de Guedes

Ausente da capital federal desde que foi preso em 2015, dono do BTG Pactual circula entre convidados importantes do ministro da Economia

Culpa – clausura e complexidade na tela

Graduados da Escola de Cinema da Dinamarca fazem filme exemplar em treze dias

Mais textos
2

“Despetização” de Onyx tem só 1% de petistas

Em uma semana, governo Bolsonaro exonera 293 de cargos de confiança para eliminar quem "tem marca ideológica clara”, mas só 35 são filiados a partidos, dos quais três, ao PT

3

Mourão não deixou filho desistir de promoção

Vice-presidente insistiu para Antônio Rossell Mourão aceitar cargo no BB, mesmo após a repercussão negativa: "Isso lhe pertence"

4

Sem médico, até repórter vira “doutor” para indígena na Amazônia

No Alto Solimões, onde 229 aldeias abrigam 70 mil índios de sete etnias, nenhum brasileiro apareceu para as vagas deixadas pelos cubanos

5

Juventude bolsonarista

A extrema direita sai do armário no Brasil

7

Sofística e polícia política

Olavo de Carvalho, Bolsonaro e a ideologia

8

Povos da megadiversidade

O que mudou na política indigenista no último meio século

9

Sem herdeiros

Obra-prima da tevê, Família Soprano influenciou pouco os seriados posteriores

10

Foro de Teresina #34: O bate-cabeça de Bolsonaro, os novos escândalos do governo e a crise no Ceará

Podcast da piauí analisa os fatos mais recentes da política nacional