anais da posse

“Agitador de extrema direita” tomou posse, para imprensa internacional

Uma análise visual dos termos usados por jornais estrangeiros para designar o novo presidente; menções ao populismo predominam

Luigi Mazza
01jan2019_22h27
Nuvem de palavras com os termos usados por veículos estrangeiros para se referir a Bolsonaro
Nuvem de palavras com os termos usados por veículos estrangeiros para se referir a Bolsonaro /WORDCLOUDS

O futuro do governo Bolsonaro ainda é uma incógnita, mas os seus contornos já estão claros para a imprensa internacional. Às vésperas da posse, jornais e agências de notícias estrangeiros classificaram o capitão reformado como “populista de direita”, “radical” ou “agitador de extrema direita”.

A associação de Bolsonaro com a extrema direita foi feita por sete de dez veículos consultados pela piauí. Aparece em matérias de jornais como The Guardian, britânico, e Le Monde, francês, e de agências, como Reuters e AFP (Agence France-Presse). Classificações similares também foram empregadas, como “ultradireita” e “direita dura”. O americano The New York Times chamou o presidente eleito de “populista estridente”. Na nuvem de palavras acima, os termos mais empregados em relação a Bolsonaro aparecem em tamanho maior.

Com frequência, as reportagens comparam Bolsonaro com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump. Para o jornal Le Monde, a retórica nacionalista, o selo de “outsider” e a postura antiestablishment do novo presidente brasileiro configurariam um “trumpismo à risca”. O diário afirma ainda que os dois políticos têm convicções semelhantes, “que misturam paranoia e ódio ao socialismo”. Horas depois da publicação da matéria, Bolsonaro, já adornado com a faixa presidencial, comprometeu-se em seu discurso no parlatório do Palácio do Planalto a “libertar” o Brasil do “socialismo, da inversão de valores, do gigantismo estatal e do politicamente correto”.

Além do jornal Le Monde, outros quatro veículos – BBC, El País, Süddeutsche Zeitung e The Guardian – caracterizam Bolsonaro como “populista”. Para o diário britânico, conforme essa classificação, ele se situa ao lado de Trump, do presidente da Bolívia, Evo Morales, e do primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán. Os dois últimos compareceram à cerimônia de posse de Bolsonaro em Brasília.

Depois das comparações com Trump, as com Orbán são as mais frequentes para explicar a eleição do novo presidente brasileiro. O líder húngaro, há oito anos no poder, lidera o Fidesz, partido conservador e nacionalista. Favorecido pela maioria parlamentar obtida por sua legenda, Orbán conseguiu fazer amplas reformas no Legislativo e na Constituição da Hungria. É acusado de autoritarismo e de tentar influenciar os demais poderes da República.  O cientista político alemão-americano Yascha Mounk afirmou em entrevista ao Guardian que Bolsonaro não é um caso isolado e, durante a campanha eleitoral, seguiu o script do populista de direita adotado por Orbán. “Há um manual populista, e isso é perigoso”, cravou Mounk.

Reportagem publicada em 1º de janeiro pelo jornal português Correio da Manhã avalia que o manual de Bolsonaro prega a seguinte fórmula: “Defesa da ordem civil inspirada na cultura militar, da moral cristã e do liberalismo econômico”. A análise é corroborada pelo diário argentino Clarín, que classifica o novo presidente como um representante da “ultradireita”, cujo projeto econômico terá um “tom claramente liberal”. Em três das dez matérias consultadas, é citada a Escola de Chicago, referência do pensamento econômico liberal, à qual está ligado o ministro da Economia, Paulo Guedes.

Luigi Mazza (siga @LuigiMazzza no Twitter)

Repórter da piauí e produtor da rádio piauí

Leia também

Últimas Mais Lidas

Moro em baixa, Bolsonaro em alta

Monitoramento revela que, após demissões e vazamentos da Lava Jato, sentimento positivo do Twitter sobre o presidente atinge ponto mais alto desde a posse

Dor e Glória – lembranças luminosas de Almodóvar

Inteligência e sensibilidade marcam filme que traduz vulnerabilidade física do diretor e de Banderas

Na era da Lava Jato, Supremo nunca afastou juiz

Tribunal recebeu 190 pedidos de suspeição de magistrados desde 2014 e rejeitou todos

Um general da ativa no centro da articulação política

Novo ministro terá de deixar Alto Comando do Exército; divergências no uso da verba de comunicação e atritos com ala olavista, inclusive Carlos Bolsonaro, explicam demissão de Santos Cruz

RBG – Ruth Bader Ginsburg, a juíza da Suprema Corte que faz diferença

Mesmo aquém de seu personagem, documentário é chance de conhecer mulher singular

Moro contra a parede

Para especialistas, conversas entre ex-juiz e Dallagnol indicam parcialidade e, no limite, podem levar Supremo a anular julgamento de Lula

Alertas mais precisos contra o desmatamento

Nova plataforma gratuita de monitoramento flagrou, em seis meses de testes, quase 900 quilômetros quadrados desmatados

Mais textos
1

Excelentíssima Fux

Como a filha do ministro do STF se tornou desembargadora no Rio

2

A redenção dos cinco

Um filme sobre os rapazes presos por um estupro que não cometeram

3

Um general da ativa no centro da articulação política

Novo ministro terá de deixar Alto Comando do Exército; divergências no uso da verba de comunicação e atritos com ala olavista, inclusive Carlos Bolsonaro, explicam demissão de Santos Cruz

4
5

Moro contra a parede

Para especialistas, conversas entre ex-juiz e Dallagnol indicam parcialidade e, no limite, podem levar Supremo a anular julgamento de Lula

7

Procura-se um presidente

Dependência virtual e extremismo de Bolsonaro precipitam corrida política no campo da direita

8

Na era da Lava Jato, Supremo nunca afastou juiz

Tribunal recebeu 190 pedidos de suspeição de magistrados desde 2014 e rejeitou todos

10

Democracia corrompida

Políticos, empresários e partidos em vertigem no documentário de Petra Costa